CI
Agrolink > Milho > Colheita do milho

Colheita do milho

A colheita é um procedimento agrícola em que o produtor deve planejar todas as fases, de forma a integrar a colheita ao sistema de produção, obtendo assim um produto (grão ou semente) que apresente bom padrão de qualidade. Nesse sentido as várias etapas, desde a implantação da cultura, até o transporte, secagem e armazenamento dos grãos têm de estar diretamente relacionadas.

O milho está pronto para ser colhido a partir da maturação fisiológica do grão, o que acontece no momento em que 50% das sementes na espiga apresentam uma pequena mancha preta no ponto de inserção das mesmas com o sabugo. O milho pode começar a ser colhido quando o teor de umidade for superior a 13%. Todavia, se houver a necessidade de antecipação da colheita, esta pode ser iniciada quando o teor de umidade estiver na faixa entre 18-20%. Para tal, o produtor deve levar em consideração a necessidade e disponibilidade de secagem, o risco de deterioração, o gasto de energia na secagem e o preço do milho na época da colheita.

Uma lavoura, para que se obtenham os melhores resultados em termos de produtividade, deve ser planejada visando a funcionalidade e operacionalidade das máquinas e equipamentos envolvidos na colheita. Desta forma, as áreas devem ser divididas de forma a facilitar a movimentação da colhedora e do escoamento dos grãos colhidos. Alguns fatores devem ser levados em conta, quando se espera a obtenção de uma boa colheita, tais como a regulagem do espaçamento entre cilindro e côncavo, a velocidade de rotação do cilindro, o teor de umidade do grão e a qualidade do grão e as perdas.

A pesquisa tem mostrado que a qualidade do grão está ligada a umidade deste no momento da colheita, associado a velocidade de colheita. Para se obter menores índices de danos nos grãos colhidos, estes tem que apresentar umidade entre 12 e 13%, além de serem colhidos em rotações menores. Além disto, a velocidade de trabalho a ser utilizada para a colhedora deve ser determinada em função dos níveis de perdas (pré-colheita, plataforma, grãos soltos e grãos nos sabugos) aceitáveis durante a realização da operação de colheita. Quando a colheita é realizada com teores mais elevados de umidade, aumenta-se a possibilidade de perda por grãos no sabugo, enquanto que, para teores mais baixos, as perdas mais elevadas são registradas em termos de grãos soltos.

A secagem natural do milho no campo traz benefícios no sentido de economizar energia na secagem artificial, mas, à medida que o milho seca, diminui a concorrência com as plantas invasoras, aumentando a incidências destas. Este fato pode trazer inúmeros problemas para a operação de colheita mecânica, como, por exemplo, o embuchamento das colhedoras com plantas invasoras, impedindo que as máquinas tenham bom desempenho.

 

José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia


 

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.