Fiscalização será o diferencial para novo status gaúcho sobre a Febre Aftosa

Imagem: Foto: Fernando Dias/Seapdr

FEBRE AFTOSA

Fiscalização será o diferencial para novo status gaúcho sobre a Febre Aftosa

Simvet/RS vê com entusiasmo o esforço e reforça e o novo status passa por eficácia no controle
Por:
136 acessos

O Sindicato dos Médicos Veterinários no Estado do Rio Grande do Sul (Simvet/RS) vem avaliando positivamente as ações da Secretaria da Agricultura do Estado na busca dos ítens necessários para ter direito ao status de livre de Febre Aftosa sem vacinação. A entidade mantém posicionamento de apoio à retirada da imunização desde que sejam seguidos os requisitos preconizados pelo ministério, especialmente no que diz respeito à fiscalização.

Segundo o diretor do Simvet/RS, João Junior, a Secretaria da Agricultura está buscando completar os 18 itens apontados pelo Ministério da Agricultura, como a compra de veículos e a contratação de cerca de 150 auxiliares administrativos. “Estamos na expectativa de que a Secretaria da Agricultura consiga completar todos os ítens citados pelo Ministério”, observa.

O sindicato também sugere alguns ítens que podem ser agregados, como o uso de drones para auxiliar na fiscalização e a rastreabilidade dos bovinos para fazer parte do Marketing da carne gaúcha. “alguns pontos precisam ser revistos ainda o valor pago de indenização aos produtores rurais caso tenha novo caso de febre aftosa, este valor está defasado. O número de Médicos Veterinários disponível para atuação no serviço oficial”, destaca João Junior.

Além disso, conforme o dirigente, o Simvet/RS gostaria de ver a apresentação de todo o projeto da Secretaria da Agricultura de mitigar os pontos de risco para ter certeza que o Rio Grande do Sul evoluirá o status sanitário com segurança. "Temos um longo caminho para percorrer até agosto, mas estamos na torcida e a disposição para ajudar no que for preciso para que consigamos esse feito tão importante", afirma.

O dirigente do Simvet/RS afirma que os médicos veterinários devem ficar atentos aos novos passos, pois serão fundamentais neste processo. “Em agosto, teremos uma nova auditoria para ver se o Estado consegue se tornar livre de aftosa sem vacinação. Esperamos que o Rio Grande do Sul consiga mitigar este risco”, complementa.

Na última etapa de vacinação, ocorrida entre março e abril, pelo menos 90,09% do rebanho foi imunizado, conforme a Secretaria da Agricultura, número que pode aumentar devido ao prolongamento do prazo de confirmação das vacinas até o último dia 30 de abril. Desde 1º de maio, a vacinação e comercialização da vacina contra a Febre Aftosa foram proibidas no Rio Grande do Sul.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink