Bolívia prepara produção e exportação fertilizante NPK
CI
Imagem: Anderson
COMPETIÇÃO

Bolívia prepara produção e exportação fertilizante NPK

"Até o momento estamos exportando ureia e cloreto de potássio"
Por: -Leonardo Gottems

A Bolívia produz atualmente, de acordo com a GlobalFert, dois dos três agro fertilizantes mais demandados e utilizados no mundo para a produção agrícola, que são a ureia e cloreto de potássio. Agora, o país irá produzir o terceiro, que é o NPK , que contém nitrogênio (N), fósforo (P) e potássio (K).

“O NPK é um dos fertilizantes mais completos que existe, e com isso teremos a abertura de mais mercados”, disse o vice-ministro de Tecnologias de Altas Energias, Álvaro Arnéz . Segundo a autoridade, este projeto exigirá um investimento de pouco mais de USD 4.800.000 e estará localizado na zona industrial de Santibáñez, Cochabamba.

Nesse contexto, a projeção é iniciar as operações no primeiro trimestre de 2023 com uma oferta comercial de 60.000 toneladas (t) de fertilizantes por ano, das quais 20.000 toneladas serão para o mercado boliviano e o restante para exportar. “O NPK contém nitrogênio, que obtemos com ureia, potássio, que obtemos com cloreto potássio e fósforo, que ainda não industrializamos. Até o momento estamos exportando ureia e cloreto de potássio, ano que vem começaremos a produzir e exportar NPK; com isso, teremos os três agro fertilizantes fundamentais na cadeia produtiva de alimentos”, ponderou Arnéz.

Para o gerente geral do Instituto Boliviano de Comércio Exterior (IBCE), Gary Rodríguez , “toda crise também pode significar uma oportunidade”, isso diante da guerra desencadeada entre Rússia e Ucrânia que fez disparar o preço dos alimentos em todo o mundo como bem como os preços do petróleo. “Isso está afetando países que dependem da importação de alimentos, mas também de fertilizantes. Não devemos esquecer que a Rússia é o principal exportador de uréia do mundo, mas também de outros tipos de fertilizantes (…). A boa notícia para a Bolívia é que pode aproveitar esse contexto para fornecer alimentos e fertilizantes ao mundo”, acrescentou.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.