MG apresenta quase 30% do território com algum nível de estiagem, indica Monitor de Secas

Tempo

MG apresenta quase 30% do território com algum nível de estiagem, indica Monitor de Secas

Até novembro, somente estados do Nordeste integravam a ferramenta
Por:
311 acessos

O território de Minas Gerais apresenta 26,8% variando entre Seca Fraca e Moderada, conforme informações do primeiro mapa disponibilizado para o Estado, que entrou para o monitoramento do Monitor de Secas. Até novembro, somente estados do Nordeste integravam a ferramenta.

O Monitor de Secas é um processo de acompanhamento regular e periódico da situação da estiagem, cujos resultados consolidados são divulgados mensalmente com referência ao período anterior, indicando a evolução e a classificação da seca em cada território.

Conforme análise dos institutos de pesquisa que compõem o Monitor, em Minas Gerais, as chuvas do mês de novembro contribuíram para que os impactos, até o último mês, sejam de longo prazo, ou seja, para um período de até 12 meses.

Com a classificação entre Seca Fraca (S0) e Moderada (S1), os possíveis impactos indicam veranico de curto prazo com alguns danos às culturas, pastagens e córregos. Além da atual situação do Monitor indicada para MG, a ferramenta possui ainda os seguintes níveis: Sem Seca Relativa, Seca Grave (S2), Seca Extrema (S3) e Seca Excepcional (S4).

Inclusão de MG

O Monitor de Secas, que é o monitoramento regular e periódico da situação da seca no Nordeste, iniciou seu processo de expansão para outros estados do Brasil. Neste mês de novembro, pesquisadores da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) realizaram treinamento com profissionais do Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) para validação de mapas de Minas Gerais.

Para participar do Monitor de Secas, profissionais do Instituto Mineiro de Gestão de Águas (Igam) foram treinados por técnicos da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) para validação dos mapas.

Em um primeiro momento, o grupo mineiro participou, em caráter experimental, da elaboração do mapa referente ao mês de outubro. Até a entrada recente do Igam, o mapa do Monitor de secas era produzido mensalmente por um grupo de institutos de meteorologia e profissionais do Governo Federal. No Ceará, além da Funceme, a Universidade Federal do Ceará (UFC) integra o projeto.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink