PR restringe entrada de bovinos para se tornar área livre de aftosa sem vacinação

LIVRE DE AFTOSA

PR restringe entrada de bovinos para se tornar área livre de aftosa sem vacinação

Desde o dia 6 de janeiro está proibida a entrada de bovinos e bufalinos para permanecerem vivos no Estado
Por:
629 acessos

Desde o dia 6 de janeiro está proibida a entrada de bovinos e bufalinos para permanecerem vivos no Estado. Ingresso para abate imediato ou passagem pelo território estão autorizadas

O Paraná está de portas fechadas para a entrada de bovinos e bufalinos vindos de outros Estados que vacinem seus rebanhos contra a febre aftosa (com exceção daqueles que serão abatidos ou apenas cruzarão o território). A medida faz parte da série de etapas que precisam ser cumpridas pelas autoridades sanitárias para a conquista do reconhecimento internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação, pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE). A expectativa é que, com os parâmetros técnicos dentro das exigências internacionais, a conquista do novo status sanitário pelo Paraná deva ser oficializada na assembleia-geral da instituição global em maio de 2021. 

A partir do fim da vacinação, que ocorreu em outubro de 2019, e do fechamento da fronteira, o Paraná passou a ficar isolado sanitariamente do restante do país, no que diz respeito à febre aftosa. Com isso, em maio de 2020 – quando a última aplicação de vacinas contra a febre aftosa no Estado terá completado um ano –, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) deve fazer um inquérito sorológico no rebanho paranaense, a fim de constatar que não há circulação viral no território. Com essa confirmação laboratorial, então, o Mapa poderá pedir à OIE que reconheça o Paraná como área livre de aftosa sem vacinação. 

Fluxo de produtos 

O gerente de saúde animal da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Rafael Gonçalves Dias, pondera que segue autorizada a entrada de derivados de bovinos e bufalinos e que também é possível o ingresso de cargas lacradas. Neste último caso, os animais vivos devem ser destinados, ou ao abate imediato, ou para cruzarem o território estadual .

“Nesse momento de transição é importante destacar que não entra mais animais para cria, engorda, reprodução ou eventos. O produtor tem papel fundamental nessa etapa, atualizando sempre seus cadastros de rebanho duas vezes ao ano e notificando a Adapar qualquer caso suspeito de febre aftosa. Na dúvida, comunique”, aconselha o gerente da Adapar. 

Para o presidente da Comissão Técnica de Bovinocultura de Corte da FAEP, Rodolpho Botelho, a função principal do produtor rural agora é trabalhar para garantir ao máximo a segurança sanitária do Paraná. “Os processos burocráticos e legislativos foram todos tomados. Agora, o próprio produtor precisa seguir dando sua contribuição para garantir essa questão sanitária, principalmente cumprindo as normas regulamentares e respeitando a legislação. Com isso, o Paraná conseguirá um grande destaque, quer seja na produção, produtividade e na conquista de novas oportunidades de mercado”, pontua.

A sanidade do Estado depende da união, não apenas dos produtores de bovinos, mas de todos os pecuaristas, destaca o técnico do Departamento Técnico Econômico (DTE) da FAEP Guilherme Souza Dias. “A atualização do cadastro duas vezes por ano por todos os criadores de animais com fins comerciais, desde abelhas e peixes até caprinos e bovinos, é uma ação crucial para um controle efetivo da sanidade no Estado. É importante lembrar que aliado a isso há toda uma retaguarda prevista para indenizar produtores que porventura possam ter problemas sanitários. Portanto, qualquer anomalia deve ser comunicada imediatamente às autoridades sanitárias”, reforça.

Papel decisivo na conquista 

O Sistema FAEP/ SENAR-PR teve um papel decisivo na construção do sistema sanitário do Paraná nas últimas décadas. Desde os anos 1970, a entidade atua de forma efetiva nas ações que levaram o Estado a chegar no reconhecimento internacional. 

Tudo começou lá atrás, na luta junto ao poder público, para melhoria na infraestrutura de estradas e energia elétrica. Isso possibilitou fazer vacinas e medicamentos chegarem mais rápido aos locais de produção e, depois, poderem ser mantidos refrigerados. 

Já nos anos 1990, a FAEP e o SENAR-PR fomentaram a criação do Fundo de Desenvolvimento Agropecuário do Estado do Paraná (Fundepec), que até hoje se mantém como um dos pilares mais sólidos para garantir a indenização de produtores no caso de animais precisarem ser sacrificados em ações de controle sanitário. Ainda na década de 1990, houve apoio à criação do Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária, um exemplo de união de produtores e poder público.

Nos anos 2000, o Sistema FAEP/SENAR-PR auxiliou produtores e Estado a cumprirem todos os trâmites para o Paraná obter então o status de Área Livre de Febre Aftosa Com Vacinação. Desde então, auxiliou em ações de sanidade que exigiram seriedade e mobilização, como no controle do caso de febre aftosa por vínculo epidemiológico no Paraná. 

De 2018 em diante, começou um trabalho direto para avançar rumo ao reconhecimento do Paraná pela OIE. Um exemplo que demonstra o quanto o Paraná avançou nessa caminhada foi uma avaliação do Ministério da Agricultura que mostrou que o sistema sanitário estadual é o mais robusto do Brasil, melhor inclusive do que o de Santa Catarina, que já possui o reconhecimento de área livre de aftosa sem vacinação. 

Em 2019, forneceu suporte para que fosse possível promover a última campanha de vacinação no Estado. Também foi importante na viabilização da construção de postos de fiscalização que faltavam para fechar o território estadual contra a doença. 

E o trabalho continua, com uma série de ações junto aos produtores e órgãos públicos para garantir que todos os trâmites, no poder público e nas propriedades rurais, andem em sintonia para que seja possível coroar um trabalho de décadas na construção de uma sanidade robusta no Estado do Paraná.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink