Mercado de defensivos para milho tem alta de 8%

Imagem: Pixabay

EXCLUSIVA

Mercado de defensivos para milho tem alta de 8%

Herbicidas seguem sendo os agroquímicos mais utilizados no cereal brasileiro
Por: -Leonardo Gottems
1008 acessos

A safra de Verão 2019/20 do milho brasileiro movimentou US$ 312 milhões em produtos agroquímicos, apontou o novo BIP Milho (Business Inteligence Panel), recém liberado pela Spark Inteligência Estratégica. O resultado significou uma alta de 8% no uso de defensivos agrícolas aplicados no cereal na comparação com a safra anterior, revelou em reportagem publicada o portal AgroPages (China).

De acordo com o sócio-diretor da Spark, André Dias, esse crescimento está relacionado ao aumento de 10% da taxa de adesão de produtores ao controle de pragas, doenças e invasoras. Conforme Dias, a média de tratamentos apurada pelo BIP na safra foi de 11,2 por área plantada. O executivo também considera relevante a elevação de 4% medida no plantio de sementes com a tecnologia Bt+RR. Tais cultivares, informa ele, preencheram 78% das áreas de milho, equivalentes a 2,647 milhões de hectares

O coordenador de projetos da Spark, Lucas Alves, acrescenta que as sementes Bt+RR absorveram 74% das vendas de defensivos para a cultura, correspondentes a US$ 232 milhões. Na safra 2018-19, compara o executivo, as mesmas cultivares ocuparam, proporcionalmente à área então plantada, 71% das lavouras, movimentando US$ 191 milhões.

De acordo com o levamento da Spark, os herbicidas seguem na dianteira entre os agroquímicos do milho. Os produtos tiveram participação de 38%, com vendas de US$ 118 milhões. O glifosato permanece o principal ingrediente ativo, com 44% do segmento (US$ 52 milhões). A atrazina deteve 1/4 da categoria (US$ 25 milhões) e os ativos tembotrione, atrazina + simazina, clethodim e mesotrione, entre outros, totalizaram US$ 41 milhões.

Segmento vice-líder na cultura, o manejo de tratamento de sementes totalizou 22% das vendas (US$ 68 milhões). A Spark destaca que o tratamento de sementes com inseticidas movimentou US$ 63 milhões, equivalentes a 93% da categoria, um crescimento de 17% frente ao ciclo 2018-19. Já o tratamento de sementes por fungicidas, conforme a Spark, mostrou estabilidade nas vendas de US$ 5 milhões (7%).

Os números da Spark revelam ainda que os inseticidas tiveram 20% de participação entre os defensivos para milho, totalizando US$ 63 milhões. Quase a metade do resultado obtido na categoria, a terceira mais importante para a indústria na cultura, foi puxado pelo controle de lagartas, que atingiu US$ 31 milhões em vendas (49%). Igualmente representativos, os inseticidas para controle de sugadores, como a cigarrinha e o percevejo-barriga-verde, totalizaram US$ 30 milhões ou 48% do segmento.

Quarta categoria em vendas, com 17% de participação, os fungicidas para milho movimentaram US$ 53 milhões. Produtos do grupo estrobilurina + triazol atingiram US$ 29 milhões, seguidos dos ‘premium’ (US$ 10 milhões) e protetores (US$ 10 milhões). Os produtos adjuvantes, segmento com menor participação na agricultura em geral, fecharam a safra com 3% das vendas (US$ 9 milhões).

Entre os estados produtores, o BIP Milho da Spark traz o Rio Grande do Sul na liderança em área cultivada, com 28% do total (939 mil hectares). Minas Gerais é vice-líder com 23% (774 mil ha). Na terceira e quarta posições aparecem Santa Catarina e Paraná, que plantaram 548 mil ha (16%) e 462 mil ha (14%), respectivamente. Quinto maior produtor, São Paulo concentrou 8% (273 mil ha) das lavouras. Goiás e Bahia fecham o ranking, com 233 mil ha (7%) e 166 mil ha (5%).


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink