Bula Arreio - Adama

Bula Arreio

Fluroxipir-meptílico; Picloram
5515
Adama

Composição

Fluroxipir-meptílico 115 g/L
Equivalente ácido de Fluroxipir 80 g/L
Picloram 129,42 g/L
Equivalente Ácido de Picloram 80 g/L

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Microemulsão (ME)
Seletivo, Sistêmico

Pastagens

Bauhinia variegata (Unha de vaca)
Eupatorium maximilianii (Mata pasto)
Peschiera fuchsiaefolia (Leiteiro)
Senna obtusifolia (Fedegoso branco)
Sida cordifolia (Malva branca)
Sida rhombifolia (Guanxuma)
Solanum sisymbriifolium (Joá bravo)
Tecoma stans (Amarelinho)
Vernonia polyanthes (Assa peixe)

Balde Metálico - 2,5; 3,0; 5,0; 10,0; 15,0; 20,0;25; 30,0; 40,0; 50,0 L
Bombona de Plástico - 2,5; 3,0 5,0; 10,0; 15,0; 20,0; 25,0; 30,0; 40,0; 50,0 L
Container Polietileno - 500,0; 1.000,0; 2.000,0; 5.000,0; 10.000,0, 15.000,0; 20.000,0; 25.000,0; 30.000,0
Frasco Metálico e Plástico - 0,2; 0,25; 0,3; 0,4; 0,5; 0,6; 1,0; 1,5; 2,0; 2,2 L
Isocontainer Polietileno e Metálico - 500,0; 1.000,0; 2.000,0; 5.000,0; 10.000,0, 15.000,0; 20.000,0; 25.000,0; 30.000,0
Tambor Metálico e Plástico - 100,0; 150,0; 200,0; 250,0; 400,0; 50,0; 500,0 L
Tanque Metálico - 500,0; 1.000,0; 2.000,0; 5.000,0; 10.000,0, 15.000,0; 20.000,0; 25.000,0; 30.000,0

INSTRUÇÕES DE USO:
ARREIO é um herbicida seletivo e sistêmico, recomendado para o controle de plantas infestantes de folhas largas, de porte herbáceo, semi-arbustivo e arbustivo em áreas de pastagem de gramíneas forrageiras.
MODO DE APLICAÇÃO:
A aplicação do herbicida ARREIO poderá ser efetuada através de pulverização terrestre ou aérea.
APLICAÇÃO TERRESTRE
Para cultura de pastagem de gramíneas forrageiras, o herbicida ARREIO pode ser aplicado com pulverizador costal manual, costal pressurizado, tratorizado ou autopropelido. Utilizar bicos do tipo leque, que proporcionem uma vazão adequada. Procurar utilizar equipamentos e pressão de trabalho que proporcionem tamanhos de gotas que evitem a ocorrência de deriva:
• Diâmetro de gotas: 200 - 400 µ (micra);
• Densidade de gotas: densidade mínima de 20 gotas/cm²;
• Volume de calda: 150 - 300 L/ha.
APLICAÇÃO AÉREA
Para cultura de pastagem de gramíneas forrageiras, o ARREIO pode ser aplicado via aérea quando as áreas forem extensas e as pastagens infestadas por plantas de pequeno, médio e grande porte. Utilizar a modalidade de aplicação áerea somente para controle das plantas infestantes Guanxuma, Assa-peixebranco, Mata-pasto e Fedegoso-branco. Aplicar somente através de aeronaves agrícolas equipadas com barra contendo bicos hidráulicos Spraying Systems D8, core 46 ou atomizadores rotativos (Micronair AU 5000 ou semelhante) apropriados para proporcionar a densidade e diâmetro de gota média a grossa. O equipamento de aplicação deve estar em perfeitas condições de funcionamento, isento de desgaste e vazamentos.
Altura de vôo: A altura do vôo depende das características da aeronave, das condições da área-alvo, em especial da altura da vegetação e dos obstáculos ao vôo, do diâmetro das gotas e das condições atmosféricas, em especial temperatura, vento e umidade relativa do ar. Como regra geral, a altura de vôo situa-se entre 2 a 4 metros acima da vegetação a controlar, sendo maior quanto maior o porte da aeronave.
Largura da faixa de deposição: 12 a 15 metros. Deve ser determinada mediante testes de deposição com as aeronaves e equipamentos que serão empregados na aplicação. Varia principalmente com a altura de vôo, porte da aeronave e diâmetro das gotas.
Diâmetro de gotas: Gotas média a grossa, com no mínimo de 300 µ (micra) DMV, evitando condições mais críticas de evaporação e/ou deriva. Densidade de gotas: mínimo de 20 gotas/cm² variando com o tamanho da gota e/ou volume de aplicação.
Volume de aplicação: Deve ser estabelecido em função do diâmetro e densidade de gotas. Como orientação geral, aplicar no máximo 50 litros/hectare de calda. OBS: Observar principalmente a umidade relativa do ar e velocidade do vento, de modo a evitar ao máximo as perdas por deriva e evitar atingir culturas não alvo e locais indesejáveis. Utilizar adjuvante misturado a calda de pulverização na dose de 0,3% v/v, a fim de reduzir a evaporação das gotas e acelerar a absorção dos produtos pelas plantas.
PREPARO DA CALDA:
Encher o tanque do pulverizador com cerca de 2/3 da sua capacidade com água limpa. Em seguida, adicionar ARREIO e o adjuvante nas doses recomendadas e completar com o restante da água sempre sob agitação e aplicar em seguida. É importante que o sistema de agitação do produto no tanque se mantenha em funcionamento durante toda a aplicação. Realizar o processo da tríplice lavagem das embalagens durante o preparo da calda.
CONDIÇÕES CLIMÁTICAS:
Devem-se observar as condições climáticas ideais para a aplicação do produto, tais como:
• Temperatura ambiente de até 30ºC;
• Umidade relativa do ar no mínimo de 60%;
• Velocidade do vento entre 3 e 10 km/h. Para outros parâmetros referentes à tecnologia de aplicação, seguir as recomendações técnicas indicadas pela pesquisa e/ou assistência técnica da região, sempre sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Pastagem: Intervalo de segurança não determinado.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
LIMITAÇÕES DE USO:
• Uso exclusivo para culturas agrícolas.
• São sensíveis ao produto as plantas dicotiledôneas como: algodão, tomate, batata, feijão, soja, café, hortaliças, flores, eucalipto e outras espécies sensíveis a herbicidas hormonais.
• Evitar que o produto atinja culturas vizinhas que sejam sensíveis ao produto. Observar condições climáticas evitando deriva e inversão térmica.
• Culturas sensíveis só poderão ser plantadas na área onde foi aplicado ARREIO após 2-3 anos da última aplicação.
• Em áreas onde foi feito aplicação em área total, o pasto deverá ser vedado e esperar a recuperação da pastagem para abrir ao gado. Dessa forma, evitar que o gado ingira plantas tóxicas que possa existir na pastagem.
• Não utilizar o mesmo equipamento em culturas sensíveis quando for utilizado para aplicação de ARREIO.
• Não utilizar o esterco de curral de animais que tenham pastado em área tratada com o produto imediatamente após o tratamento em área total, para adubar plantas sensíveis ao produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes. Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.

GRUPO O HERBICIDA
GRUPO O HERBICIDA