Bula Bio Carambolae - Bio Controle

Bula Bio Carambolae

acessos
Metil eugenol
9506
Bio Controle

Composição

Eugenol-metílico 994 g/kg Éter aromático

Classificação

Feromônio
Baixa exposição para uso restrito em armadilhas
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Inflamável
Não corrosivo
Gerador de Gás (GE)
Feromônio

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 armadilha/ha - - O intervalo de recarga do algodão embebi com Bio Carambolae na armadilha Jackson ou do líquido na armadilha será de 2 a 4 semanas. Não determinado devido à modalidade de emprego. As armadilhas devem ser instaladas a 3/4 da altura da planta. As armadilhas devem ser instaladas nos locais onde haja maior chance de captura do inseto adulto, ou seja, nos próprios hospedeiros preferenciais ou próximo a eles em locais estratégicos

Envelopoes plásticos ou aluminizados:
1, 5, 10, 20, 25, 50, 100, 1.000, 2.000 e 5.000 unidades.

Garrafa plástica:
1 L.

Bombona plástica:
5, 10, 20, 25 e 30 L.

Tambores metálico:
100 e 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO:

USO EM ARMADILHA JACKSON: Um bastão de algodão com 3,0 cm de comprimento por 0,8 de diâmetro (tipo dentista) deverá ser embebido em 5 a 8ml de Bio Carambolae: Colocar pendurado do lado de dentro da armadilha tipo “Jackson" com piso adesivo para captura das moscas. Pendurar a armadilha conforme recomendação.

USO EM ARMADILHAS MC PHAIL: Inserir 500ml de Bio Carambolae na armadilha McPhail e pendurá-las conforme recomendação.

PRAGA: Bactrocera carambolae (Mosca da carambola)

DOSE: Para monitoramento em áreas de alto risco (portos de entrada), deverão ser colocadas 4 a 10 armadilhas/Km²; em áreas urbanas, de 2 a 4 armadilhas/Km²; em ambiente marginal, 2 armadilhas/Km²; em área de produção de frutas, 1 armadilha/Km².

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO: O intervalo de recarga do algodão embebi com Bio Carambolae na armadilha Jackson ou do líquido na armadilha será de 2 a 4 semanas. Na recarga, substituir o piso adesivo colocado no interior de armadilha Jakcson. A inspeção deverá ser feita a cada 2 semanas, visando a coleta de informações mais precisas para a tomada de decisão do técnico ou Eng. Agrônomo responsável quanto à forma de controle da praga. As culturas que podem apresentar problemas em relação a infestação de Bactrocera carambolae e nas quais o monitoramento com Bio Carambolae pode ser aplicado são carambola, jambo branco, laranja azeda, goiaba, manga, jambo roxo, fruta- pão, caju, pimenta picante, jaca, pitanga, laranja doce, tangerina, tomate, castanheira e jambo.

MODO DE APLICAÇÃO: Uso em armadilhas nas culturas indicadas. As armadilhas devem ser instaladas a 3/4 da altura da planta. As armadilhas devem ser instaladas nos locais onde haja maior chance de captura do inseto adulto, ou seja, nos próprios hospedeiros preferenciais ou próximo a eles em locais estratégicos.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Não determinado devido à modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Não determinado devido à modalidade de emprego.

LIMITAÇÕES DE USO: Sem restrições.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APliCAÇÃO A SEREM USADOS: Vide modo de aplicação.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

- Este produto é:
- POUCO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE IV).
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d' água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Utilize equipamento de proteção individual -EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtros).
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

Use luvas no manuseio dessa embalagem.

Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.

O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.



TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS.
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tomar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Incluir outros métodos de controle de insetos (Exemplo: controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível.
Armadilhas com semioquímicos são eficazes nas medidas de tendência da densidade populacional do inseto ou para simples detecção da praga, auxiliando o produtor na tomada de decisão quanto ao inicio de alguma forma de controle.
Após a introdução da medida de controle, quer seja biológico com agentes benéficos ou por aplicação de inseticidas, a presença ou não do inseto na armadilha indicará a eficácia do método de controle utilizado.
Semioquímicos são amplamente utilizados no MIP para monitoramento da praga, não selecionando indivíduos resistentes.

O inseto não desenvolve resistência a um paraferomônio.