Mosca da carambola (Bactrocera carambolae)
CI

Mosca da carambola

(Bactrocera carambolae)

Culturas Afetadas: Abacate, Anonáceas, Cacau, Carambola, Citros, Goiaba, Jambo, Kiwi, Mamão, Manga, Maracujá, Romã, Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

A mosca da carambola é uma das espécies de moscas-das-frutas de maior importância econômica para a fruticultura  mundial. Ataca várias espécies frutíferas tais como: carambola, manga, caju,  laranja, acerola, tangerina, jambo vermelho, etc. É originária do sul da Ásia e foi introduzida no continente americano, através do Suriname, em meados de 1975. No ano de 1989 foi detectada na Guiana Francesa de onde se dispersou  para o município de Oiapoque no Estado do Amapá (Brasil) em 1996.

A mosca-da-carambola, na fase adulta, tem de 7 a 8 mm de comprimento, a parte superior do tórax é de cor negra, o abdome é amarelado e marcado por listras negras que se encontram formando um “T”. A asa não tem faixa transversal, o mesonoto tem duas faixas longitudinais amarelas e o escutelo é amarelo. Os adultos apresentam grande capacidade de vôo e podem voar por longas distâncias no caso de falta de hospedeiros ou alimento.

Danos: Os adultos fazem a postura nos frutos. As larvas penetram no fruto e alimentam-se do seu interior, podendo destruí-lo completamente.

Controle: Como alternativas de controle, podem ser citadas as seguintes ações:

a) Não transportar frutas hospedeiras de regiões infestadas para outras regiões;

b) Coletar e enterrar frutas hospedeiras caídas no solo;

c) Tratamento químico do solo sob as plantas hospedeiras, visando à morte das  pupas;

d) Em ações de manejo integrado considerar que os métodos devem ser planejados e executados para atingir não somente a mosca-da-carambola, mas todo o grupo de moscas-das-frutas;

e) Aprimorar os métodos de controle biológico;

e) Informar órgãos oficiais, tais como Superintendência Federal de Agricultura, Embrapa e Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária Federal, quando da suspeita de ocorrência da praga.