Bula Biobev - Micro Bio

Bula Biobev

Beauveria bassiana isolado CBMAI 1306
22519
Micro Bio

Composição

Beauveria bassiana isolado CBMAI 1306 300 g/L

Classificação

Inseticida microbiológico
4 - Produto Pouco Tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela)
Diabrotica speciosa (larva alfinete) (Larva alfinete)

Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade: 1 L

INSTRUÇÕES DE USO

BioBev é um inseticida microbiológico de contato, indicado para aplicação foliar e terrestre, para o controle de Diabrotica speciosa (vaquinha-verde-amarela).

USO AUTORIZADO PARA CONTROLE DOS ALVOS BIOLÓGICOS INDICADOS EM QUALQUER CULTURA NA QUAL OCORRAM. PRODUTO COM EFICÁCIA AGRONÔMICA COMPROVADA PARA A CULTURA DO FEIJÃO.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

O produto deve ser aplicado quando for observada a presença da vaquinha-verde-amarela/larva-alfinete ou a partir de 20 dias após a semeadura da cultura, fazendo 4 aplicações com intervalo de 7 dias.

MODO DE APLICAÇÃO

Para o preparo da calda, despejar a dose recomendada do produto sobre a água, agitando lentamente até a formação de uma calda homogênea, mantendo-a sob constante agitação e utilizando-a no mesmo dia da preparação. Efetuar as aplicações de forma que possibilitem uma boa cobertura da parte aérea das plantas, via pulverização foliar, utilizando equipamentos convencionais terrestres, como costais, manuais ou pressurizados, e pulverizadores tratorizados, adaptados com barra, com vazão ajustada para o volume de calda indicado. Recomenda-se aplicar preferencialmente nas horas mais frescas do dia, no final da tarde ou à noite. Não aplicar em dia de chuva. Em caso de chuva após o tratamento, repetir a aplicação. Evitar aplicações em condição de temperatura acima dos 27ºC. Para a realização da limpeza dos equipamentos, utilizar água corrente, higienizando bem o tanque/bico do pulverizador a fim de eliminar resíduos de inseticidas, herbicidas ou fungicidas químicos. Realizar a limpeza em local apropriado onde os resíduos sejam destinados conforme estabelecido em legislação vigente, não realizar a limpeza próximo de lagos, rios ou reservas de água. A critério do Eng. Agrônomo ou Técnico Responsável, as condições de aplicação poderão ser alteradas.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança não determinado devido à característica microbiológica do ingrediente ativo.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade para as culturas indicadas: Seguindo-se as instruções de uso recomendadas, nenhuma das culturas é sensível ao produto. Recomenda-se aplicar nas horas mais frescas do dia, preferencialmente ao final da tarde ou a noite, em dias nublados ou com garoa bem fina. Nessas condições, a exposição dos conídios (esporos) da bactéria à radiação UV do sol (fator de inviabilização da bactéria) é menor.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas - IRAC-BR - recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:
• Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.
• Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, biológico, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.