Bula Blazer Sol - United Phosphorus

Bula Blazer Sol

acessos
Acifluorfen
68894
United Phosphorus

Composição

Acifluorfem-sódico 170 g/L Éter difenílico

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Não sistêmico, Seletivo condicional, Pós-emergência

Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
0,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar 2 aplicações sequenciais, em intervalos de 7 dias. 35 dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
0,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar 2 aplicações sequenciais, em intervalos de 7 dias. 35 dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras
Corda de viola
(Ipomoea hederifolia)
0,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar 2 aplicações sequenciais, em intervalos de 7 dias. 35 dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras
Corda de viola
(Ipomoea aristolochiaefolia)
0,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar 2 aplicações sequenciais, em intervalos de 7 dias. 35 dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras
Joá de capote
(Nicandra physaloides)
0,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar 2 aplicações sequenciais, em intervalos de 7 dias. 35 dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 folhas verdadeiras
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Amendoim bravo
(Euphorbia heterophylla)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Apaga fogo
(Alternanthera tenella)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Beldroega
(Portulaca oleracea)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Carrapicho de carneiro
(Acanthospermum hispidum)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Caruru comum
(Amaranthus viridis)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Caruru roxo
(Amaranthus hybridus)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Corda de viola
(Ipomoea nil)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Joá bravo
(Solanum sisymbriifolium)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Mostarda
(Brassica rapa)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Nabiça
(Raphanus raphanistrum)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Picão branco
(Galinsoga parviflora)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Poaia branca
(Richardia brasiliensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
1 a 1,5 L p.c./ha 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 50 dias. Aplicar quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias

Polietileno: 1; 5 e 20 L.

INSTRUÇÕES DE USO: Blazer(r) Sol é herbicida com ação de contato, para uso em pós-emergência. A sensibilidade das diversas espécies de plantas ao produto é variável, permitindo um controle seletivo de certas invasoras na cultura de soja e feijão. As folhas da cultura, atingidas pela calda pulverizada, podem desenvolver manchas ou necroses, mas as plantas continuam seu desenvolvimento normal, formando novas folhas, e em alguns dias os sintomas de fitotoxicidade terão desaparecido, sem efeitos negativos sobre a produtividade.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

Soja: Aplicar 1,0 a 1,5 L/ha em uma única aplicação, quando as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 a 6 folhas. Em caso de alta infestação, especialmente com plantas infestantes que emergem escalonadamente, pode-se dividir a dose de 1,5 L/ha em duas aplicações de 0,75 L/ha. Efetuar as aplicações em intervalos de 7 a 10 dias.

Feijão: Realizar 2 (duas) aplicações sequenciais de 0,5 L/ha, em intervalos de 7 (sete) dias. A primeira aplicação deve ser realizada a partir do primeiro trifólio formado e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 (duas) folhas verdadeiras. A segunda aplicação deve ser realizada até o início de desenvolvimento do quarto trifólio e as plantas infestantes estiverem no estágio de 2 (duas) folhas verdadeiras.

MODO DE APLICAÇÃO: Blazer(r) Sol deve ser diluído em água e aplicado por pulverização em pós emergência. Efetuar uma boa distribuição do produto.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Soja: 50 dias; Feijão: 35 dias.

EQUIPAMENTOS DE PULVERIZAÇÃO: Pulverizadores, motorizados ou acoplados, de barra, com bicos uniformes de um dos seguintes tipos: jato em leque, de tipos como: Twinjet, Teejet, XR Teejet, vazões 80.02, 80.03, 110.02, 110.03, APG 110 R (vermelho), APG 110 D (laranja), VisiFlo amarelo, VisiFlo azul; - que produzem gotículas entre 300 e 400 micra e permitem uma deposição de cerca de 20 gotículas/cm2. Pressão entre 40 e 60 libras/pol2. A altura da barra deve ser tal que permita pequena sobreposição dos jatos dos diversos bicos, no topo das plantas daninhas a controlar. Volume de água: 250 litros/ha; quando a folhagem estiver molhada por orvalho, neblina ou chuva, reduzir o volume de água, para evitar escorrimento. Avião agrícola, equipado com barra e bicos de jato cônico, montados na vertical (90o), em duas opções: 36 bicos modelo D 12- 45; 46 bicos modelo D 10- 45. Altura de vôo: 2,5 a 3,5 metros da barra ao topo das plantas. Largura da faixa: variável, entre 12 e 14 metros, devendo ser estabelecida por teste, verificando uma concentração de 30 a 50 gotículas/cm2. Pressão: 30 a 35 libras/pol2. Volume de água: 40 litros/ha.

LIMITAÇÕES DE USO: Blazer(r)Sol é indicado para uso nas culturas de soja e feijão, em estado normal de sanidade e desenvolvimento. Plantas que estejam sofrendo efeitos adversos por condições climáticas desfavoráveis, que tenham sofrido dano de qualquer natureza (por exemplo : granizo) ou que estejam afetadas por fitotoxicidade, não devem receber o tratamento. O controle pode ser afetado: Na cultura de soja, em dose única, quando aplicado em plantas daninhas em estágio de desenvolvimento acima de 6(seis) folhas verdadeiras. Na cultura do feijão, em aplicação seqüencial, quando aplicado em plantas daninhas em estágio de desenvolvimento acima de 2 (duas) folhas verdadeiras. Na cultura do feijão, é indicado o uso para as cultivares carioca e carioquinha. Em cultivares "coloridas" ( feijão preto, jalo., etc) pode ocorrer fitotoxicidade. A aplicação de Blazer(Sol, na cultura de feijão, em folhas molhadas por orvalho ou neblina, pode causar maior fitotoxicidade. É recomendado aguardar o secamento das folhas. Na cultura da soja, aplicar quando a umidade relativa do ar estiver acima de 55%. Em períodos de seca prolongada, as plantas invasoras tendem a ficar menos sensíveis a herbicidas, portanto não se recomenda o tratamento nessas condições. Blazer(Sol é absorvido no espaço de algumas horas, chuva ou irrigação a menos de 2 horas do término da aplicação do produto, podem interferir em sua eficácia. Em aplicações aéreas, evitar condições que permitam deriva sobre lavouras vizinhas. Se após o tratamento com o produto a área apresentar problemas de qualquer natureza e por isso precisar ser replantada na mesma safra, replantar apenas com soja ou feijão. Em programas de rotação de culturas, as áreas tratadas com Blazer(Sol não devem ser plantadas com culturas de raízes ou tubérculos, como cenoura, nabo, batata, ou batata-doce, por um período de 18 meses.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Recomenda-se aguardar o completo secamento do produto sobre as folhas das plantas tratadas; utilizar os Equipamentos de Proteção Individual recomendados pelo Ministério da Saúde.

PRECAUÇÕES GERAIS: não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto; não utilize equipamento com vazamento; não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca; não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor Ocular: se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca: caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use Luvas de Borracha: ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos: use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação; A pulverização do produto produz neblina; use máscara cobrindo o nariz e a boca; Não aplique o produto contra o vento; Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia; Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais; Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de ingestão acidental em pessoa consciente, dar bastante água e provoque vômito; procure imediatamente um médico levando a bula do produto; Em caso de contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e procure um médico levando a bula do produto; Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água e sabão em abundância e se persistir a irritação procure o médico, levando a bula do produto; Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isso aconteça, remova imediatamente o paciente para local arejado e se houver sinais de intoxicação chame o médico, levando a bula do produto.

ANTÍDOTO: Não há antídoto específico.

TRATAMENTO MÉDICO: Tratamento sintomático.

CONSIDERAR NECESSIDADE DE: Lavagem gástrica; Catártico salino; Assistência respiratória, se necessário.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Em estudos conduzidos em animais de laboratório, Acifluorfen foi excretado principalmente pelas fezes e urina, e não tende a se acumular no organismo dos animais.

EFEITOS AGUDOS: BLAZER(r) SOL se mostrou moderadamente irritante para pele e severamente irritante para olhos de coelhos. Em cobaias o produto não apresentou potencial sensibilizante.

EFEITOS CRÔNICOS: O uso adequado do produto não apresenta potencial para produzir efeitos crônicos.

EFEITOS COLATERAIS / SINTOMAS DE ALARME: Não conhecidos.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é muito perigoso ao meio ambiente. Este produto é altamente tóxico para organismos aquáticos (microcrustáceos). este produto é altamente tóxico para mamíferos. Evite a contaminação ambiental - preserve a natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas s aérea de agrotóxicos em áreas se 500 (quinhentos) metros de proteção de mananciais de captação de água para abastecimento público, e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas susceptíveis a danos. Observe as disposições constante na legislação estadual e municipal concernentes as atividades aeroagrícolas. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções constantes no item destinação adequada de resíduos e embalagens. em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções: Piso pavimentado: Absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: Retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada. Corpos d'água: Interromper imediatamente o consumo humano e animal e contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens deverão ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 m de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINAÇÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS DE AGROTOXICOS, consulte o órgão estadual de maio ambiente.

A rotação de culturas pode permitir também rotação nos métodos de controle das plantas infestantes que ocorrem na área. Além do uso de herbicidas, outros métodos são utilizados dentro de um manejo integrado de plantas infestantes, sendo eles o controle manual, o controle mecânico, através de roçadas ou cultivadores, a rotação de culturas e a dessecação da área antes do plantio os mais utilizados e eficazes.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes resistentes a esse mecanismo de ação. Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes, deverão ser aplicados, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.