Bula Captan 500 WP

acessos
Captan
548708
Arysta Lifescience

Composição

Captan 500 g/kg Dicarboximida

Classificação

Fungicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
240 g p.c./100 L de água 700 a 1000 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 14 dias. Aplicações preventivas, no início da emergência da cultura
Requeima
(Phytophthora infestans)
240 g p.c./100 L de água 700 a 1000 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 14 dias. Aplicações preventivas, no início da emergência da cultura
Cebola Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
240 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Aplicações preventivas, quando o clima estiver favorável ao aparecimento dos patógenos
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão penducular
(Diaporthe citri)
240 g p.c./100 L de água 2 a 5 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 10 dias. 7 dias. A primeira aplicação deverá ser feita quando 2/3 das pétalas estiverem caídas
Verrugose
(Elsinöe fawcetti)
240 g p.c./100 L de água 2 a 5 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 10 dias. 7 dias. A primeira aplicação deverá ser feita quando 2/3 das pétalas estiverem caídas
Cravo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
240 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) - U.N.A. Aplicações preventivas
Gladíolo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão de botrites
(Botrytis gladiolorum)
240 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. U.N.A. Aplicações preventivas
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão parda
(Monilinia fructicola)
240 g p.c./100 L de água 1 a 3 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações no incío do florescimento e da frutificação
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
220 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações preventivas
Melão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
220 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações preventivas
Pepino Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
220 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações preventivas
Pêra Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão parda
(Monilinia fructicola)
240 g p.c./100 L de água 1 a 3 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações no incío do florescimento e da frutificação
Pêssego Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão parda
(Monilinia fructicola)
240 g p.c./100 L de água 1 a 3 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações no incío do florescimento e da frutificação
Rosa Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha negra
(Diplocarpon rosae)
240 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. U.N.A. Aplicações preventivas
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
240 g p.c./100 L de água 500 a 800 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. U.N.A. Aplicações preventivas
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
240 g p.c./100 L de água 700 a 1000 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações preventivas
Requeima
(Phytophthora infestans)
240 g p.c./100 L de água 700 a 1000 L de calda/ha 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações preventivas
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Míldio
(Plasmopara viticola)
240 g p.c./100 L de água 1 a 3 L de calda / planta 10 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 1 dia. Aplicações no incío do florescimento e da frutificação

Caixas confeccionadas em papelão microondulado de 1 e 2 kg. Barricas de Papelão de 5, 10 e 20 kg, Sacos com 20kg, caixa com 12 pacotes de 1 kg, sacos hidrossolúveis 48 e 240 g.

Instruções de Uso
Captan 500 WP é um fungicida indicado para o tratamento preventivo de doenças nas culturas abaixo.
Vide "Indicações de Uso/Doses"


NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Batata: as aplicações devem ser preventivas a partir da emergência da cultura, com intervalos de 7 dias e um número máximo de 6 aplicações.

Cebola: aplicar preventivamente sempre que as condições climáticas estiverem favoráveis ao aparecimento da doença, com intervalos de 7 dias e um número máximo de 6 aplicações.

Citros: realizar no máximo 3 aplicações. A primeira, quando 2/3 das pétalas já estiverem caídas e as demais com intervalos de 10 dias.

Cravo: iniciar as aplicações preventivamente com intervalos de 7 dias a partir do transplantio das mudas.

Gladíolo: iniciar as aplicações preventivamente com intervalos de 7 dias a partir da emergência.

Maçã: iniciar as aplicações a partir do florescimento e início da frutificação, repetindo com intervalos de 7 dias e com um número máximo de 6 aplicações.

Melancia: aplicar preventivamente sempre que as condições climáticas estiverem favoráveis ao aparecimento da doença, repetindo com intervalos de 7 dias e um número máximo de 4 aplicações.

Melão: aplicar preventivamente sempre que as condições climáticas estiverem favoráveis ao aparecimento da doença, repetindo com intervalos de 7 dias e um número máximo de 4 aplicações.

Pepino: aplicar preventivamente sempre que as condições climáticas estiverem favoráveis ao aparecimento da doença, repetindo com intervalos de 7 dias e um número máximo de 4 aplicações.

Pêra: iniciar as aplicações a partir do f1orescimento e início de frutificação, repetindo com intervalos de 7 dias e com um número máximo de 6 aplicações.

Pêssego: iniciar as aplicações a partir do florescimento, repetindo com intervalos de 7 dias e com um número máximo de 6 aplicações.

Rosa: no controle de macha-negra, aplicar preventivamente nas brotações novas, com intervalos de 7 dias. Para o controle do mofo-das-flores, realizar as aplicações preventivamente, na fase de pré-colheita e com intervalos de 7 dias.

Tomate: aplicar preventivamente a cada 7 dias, a partir da emergência ou do transplantio das mudas com um máximo de 6 aplicações.

Uva: iniciar as aplicações a partir do florescimento ou início de formação dos cachos, com intervalos de 7 dias. Número máximo de 4 aplicações.

MODO DE APLICAÇÃO:

Via terrestre:
Utilizar pulverizador tratorizado de barra equipado com bicos cônicos Teejet X2 ou X3, com um diâmetro de gotas de 50 a 200 micra, densidade de 50 a 70 gotas/cm2 e com pressão de 40 a 60 libras.
Recomenda-se aplicar com temperatura inferior a 27° C, umidade relativa do ar acima de 60% e ventos de no máximo 15 km/h.
Utilizando-se outros tipos de equipamentos, procurar obter uma cobertura uniforme da parte aérea da cultura.

Via aérea:
Utilizar barra ou atomizador rotativo "micronair", com um volume de 30-40 L de calda/ha quando do uso da barra e de 10-15 L de calda/ha para "micronair". A altura de vôo é de 2 a 3 m com a barra e de 3 a 4 metros com "micronair".
A largura efetiva da faixa de deposição é de 20 m, o diâmetro de gotas de 80 micra e mínimo de 60 gotas/cm2.

O diâmetro de gotas deve ser ajustado para cada volume de aplicação (Uha) para proporcionar a adequada densidade de gostas e uma cobertura adequada das plantas. Aplicar obedecendo a ventos de até 10 km/h, temperatura e umidade relativa adequadas visando reduzir ao mínimo as perdas por deriva e evaporação. Recomenda-se que a aplicação seja realizada com temperatura inferior a 27°C, umidade relativa do ar acima de 60% e ventos de no máximo 10 km/h.
No caso de barra, usar bicos cônicos 06 a 012, disco "core" inferior a 450.

Usando-se "micronair", o número de atomizadores deve ser de 4-8 (quatro a oito), sendo que para o ajuste do regulador de vazão (VRU), pressão e ângulo da pá, a tabela sugerida pelo fabricante deve ser utilizada.
O sistema de agitação do produto no tanque deve ser mantido em funcionamento durante toda a aplicação.

Intervalo de segurança:
Maça, melancia, melão, pepino, pêra, pêssego, tomate e uva:
1 dia.

Cebola e citros:
7 dias.

Batata:
14 dias.

Crava, gladíolo e rosa:
UNA

PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos
Não desentupa bicos, orificios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.
PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
Produto extremamente irritante para os olhos
Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar dispersão de poeira.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO
Evite o máximo possível o contato com a área tratada.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia. Não fume, beba ou coma durante a aplicação do produto;
Não permita que crianças ou qualquer pessoa não autorizada permaneça na área em que estiver sendo aplicado o produto
Aplique o produto contra o vento na utilização de trator (ou avião). Não aplique o produto nas horas mais quente do dia
Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro mecânico classe P2, óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO
Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA" e manter os avisos até o final do período de reentrada.
Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados para o uso durante a aplicação.
Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto. Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante. Não reutilizar a embalagem vazia.
No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI : macacão de algodão impermeável com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PROCURE LOGO UM SERVIÇO MÉDICO DE EMERGÊNCIA, levando a embalagem, rótulo, bula e ou o receituário agronômico do produto.

Ingestão: Se engolir o produto, NÃO PROVOQUE VÔMITO. Caso o vômito ocorre naturaimete deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.

Olhos: Em caso de contato, lave com água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.

Pele: Em caso de contato retire imediatamente a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro,

Inalação: Se o produto for inalado (respirado), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.

A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeável, por exemplo.

IFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo químico:
Dicarboximida

Classe toxicológica:
I - Extremamente Tóxico

Mecanismos de toxicidade:
O mecanismo de toxicidade é desconhecido. Foi demonstrado que ele reage com tióis celulares para produzir tiofosgene, um composto potente e istável. O composto formado atua em nível celular através da interação com enzima sulfidril-, amino- ou hidroxil-, produzindo efeitos tóxicos.

Vias de absorção:
Oral, inalatória e dérmica.

Sintomas e sinais clínicos:
Intoxicação aguda:
Ingestão: a toxicidade oral aguda é baixa, mesmo os casos de superdosagem não sei espera resultarem em toxicidade severa. Pode provocar efeitos gastrintestinais como vômitose diarréia.
A exposição inalatória é a mais tóxica: pode provocar sintomas de irritação das vias aéreas.

Exposição dérmica: pode causar dermatite.
O contato com os olhos pode causar irritação ocular, sensação de queimação, prurido, lacrimejamento e conjuntivite.

Metabolismo / Toxicocinética:
Após administração oral, é metabolizado e os compostos formados são substâncias reativas que se ligam ao glutation e mais adiante são metabolizados. Captana e seus metabólitos acumulam-se nos tecidos e são rapidamente eliminados na urina e fezes (mais de 90% em 24 horas). A eliminação ocorre predominantemente por, via renal.
O mecanismo através do qual o captana exerce sua toxicidade celular é desconhecido. Foi demonstrado que ele reage com tióis celulares para produzir tiofosgene, um composto potente e instável. O composto formado atua em nível celular através da interação com enzimas sulfidril-, amino- ou hidroxil-, produzindo efeitos tóxicos. Absorção: pode ser absorvido tanto por via oral como por inalação e, em menor extensão, por exposição cutânea.
Estudos em ratos demonstraram que em 9 horas 50% da dose havia sido eliminada e ai distribuição final foi 52% na urina, 23% no ar expirado, 16% nas fezes e 0,6% nos tecidos.

Diagnóstico:
O diagnóstico é baseado na confirmação da exposição e ocorrência da dermatite e/ou conjutivite.

Tratamento:
As medidas abaixo relacionadas devem ser implementadas concomitantemente ao tratamento medicamentoso e a descontaminação.
Descontaminação: Visa limitar a absorção e os efeitos locais.
1. Remover roupas e acessórios, e proceder descontaminação cuidadosa da (incluindo pregas, cavidades e onfíclos) e cabelos, com água fna abundante e, , sabão Remover a vítima para local ventilado.
2. Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente com Soro Fisiológico
água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
10. Em caso de ingestão recente, proceder à lavagem gástrica. Atentar para nivel de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração. Administrar carvãol ativado na proporção de 50-100 g em adultos e 25-50 g em crianças de 1-121 anos, e 19/Kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 ml de água.
Tratamento sintomático e de manutenção.
Não existe antídoto específico.

Contra-indicações:
Não provocar êmese.

IMPORTANTE:

TELEFONE DE EMERGENCIA:
Ligue para Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações especializadas para o diagnóstico e o tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica
RENACIAT - ANVISA/MS

Empresa: Arysta Lifescience do Brasil Indústria Química e Agro Pecuária Ltda. (15) 3292-1161

EFEITOS AGUDOS RESULTANTES DE ENSAIOS COM ANIMAIS DE LABORATÓRIO (PRODUTO FORMULADO)
DL50 oral aguda para ratos: >5000 mg/kg
DL50 dérmica aguda para coelhos> 5000 mg/kg
Irritante Ocular: o produto provoca lesões oculares irreversiveis em olhos não lavados de coelho e é moderadamente irritante para olhos enxaguados de coelhos.
Irritabilidade dérmica em coelhos: o produto foi considerado não irritante.
CL50 inalatória em ratos: maior que 2,74 mg/L de ar.
Estudo de hipersensibilidade em cobaias o produto causou sensibilidade dérmica grau 1 a 2 em cobaias (eritema moderado e confluente).

EFEITOS CRÔNICOS DE ENSAIOS COM ANIMAIS DE LABORATÓRIO (PRODUTO TÉCNICO)
Carcinogenicidade: estudos demonstraram efeito carcinogênico com altas doses de captana em camundongos e ratos. Os órgãos mais acometidas correspondem aos rins e TGI. Os tumores surgiram em animais de experimentação com doses de aproximadamente 300 mg/Kg/dia. Captana é um agente alquilante e tem demonstrado propriedades genotóxicas em vários estudos in vítro, mas não in vivo. Dessa forma, ainda que este produto tenha capacidade de induzir genotoxicidade em células somáticas, os resultados obtidos parecem indicar que o potencial para causar efeitos hereditários em mamiferos é extremamente baixo. Teratogenicidade: estudos experimentais demonstraram resultados positivos e negativos em relação ao potencial teratogênico. Entretanto, a maioria das evidências sugere que o captana não produz defeitos congênitos.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:

PREUCAÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIA QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

Este produto é:

- PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III)

- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou o equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água.
Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos do produto no meio ambiente ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação suscetível a danos.

- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros
materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o
recolhimento de produtos vazados.

- Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: - Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a empresa ARYSTA L1FESCIENCE DO BRASIL LTDA.
Telefone de emergência (15) 3292-1161.

- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:

Piso pavimentado: Recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, contate o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.

Corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal e contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

- Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

I. ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.

II. ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O Armazenamento da embalagem vazia, até a devolução pelo usuário deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva, e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio desta embalagem.
Esta embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

III. DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra é obrigatória a devolução da embalagem vazia pelo usuário ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o termino do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

IV. TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (embalagens padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA NÃO CONTAMINADA

ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

V. DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

VI. É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILlZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

VII. EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias, e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

VIII. PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consultar o registrante através do telefone (15) 3292-1161 para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para esse tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTES DE AGROTOXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito as regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC - BR (Comitê de Ação a Resistência a Fungicidas - Brasil). Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC - BR) recomenda as seguintes estratégias de Manejo de Resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
- Sempre consultar um profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência.