Bula Carben 500 SC

acessos
Carbendazim
4805
CropChem

Composição

Carbendazim 500 g/L Benzimidazóis

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Fusariose
(Fusarium pallidoroseum)
80 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Fusariose
(Fusarium moniliforme)
80 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Podridão de raiz
(Lasiodiplodia theobromae)
8 a 80 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Ramulose
(Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides)
80 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado devido a modalidade de emprego. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
100 mL p.c./100L água - - 4 a 6 semanas. 7 dias. Aplicar o produto quando 2/3 das pétalas da florada principal tenham caído
Verrugose da laranja doce
(Elsinöe australis)
50 mL p.c./100L água - - 4 a 6 semanas. 7 dias. Aplicar o produto quando 2/3 das pétalas da florada principal tenham caído
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
0,5 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) 10 a 15 dias. 14 dias. Iniciar as aplicações preventivamente
Fusariose
(Fusarium pallidoroseum)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum truncatum)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Damping-off
(Rhizoctonia solani)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Fungo de armazenamento
(Penicillium spp)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Fungo de pós colheita
(Aspergillus spp)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de algodão antes da semeadura
Fusariose
(Fusarium pallidoroseum)
100 mL/100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Mancha parda
(Septoria glycines)
0,5 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - 14 dias. Iniciar as aplicações na fase de florescimento à vagem
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
0,5 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) 15 a 20 dias. 14 dias. Iniciar as aplicações na fase de florescimento à vagem
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Oídio
(Microsphaera diffusa)
0,5 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) 15 a 20 dias. 14 dias. Iniciar as aplicações na fase de florescimento à vagem
Podridão seca
(Phomopsis sojae)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Seca da haste e da vagem
(Diaporthe phaseolorum var. sojae)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Fusariose
(Fusarium graminearum)
0,6 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) 8 a 10 dias. 35 dias. Realizar a primeira aplicação no início do espigamento
Mancha das glumas
(Stagonospora nodorum)
0,6 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - 35 dias. Realizar a primeira aplicação no início do espigamento
Mancha salpicada
(Septoria tritici)
0,6 mL p.c./100L água 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - 35 dias. Realizar a primeira aplicação no início do espigamento

Frasco de plástico para 1 Litro, bombonas de plástico para 5, 10 e 20 Litros e galões de plástico para 50 Litros.

CARBEN 500 se é um fungicida sistêmico de translocação ascendente, com ação protetora e curativa, de amplo espectro.

MECANISMO DE AÇÃO EM RELAÇÃO AOS ALVOS BIOLÓGICOS:
Possui rápida absorção através de raízes e tecidos verdes. Atua pela inibição de tubos germinativos, formação de apressórios e crescimento de micélios.

INDICAÇÕES DE USO/DOSES: Vide seção Indicações de Uso/Doses.

MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:

Pulverização em Culturas:

CARBEN 500 SC é indicado para aplicação em mistura com água. Recomenda-se agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda. Para o uso nas culturas de feijão, soja e trigo, o produto deve ser utilizado na forma de pulverização via terrestre ou aérea.
Pulverização Terrestre:

FEIJÃO, TRIGO E SOJA: Barras dotadas de bicos cônicos da série D ou similar; Velocidade do Trator: em torno de 6 km/h; Pressão de trabalho: 80 a 120 Ib/pol2; Tamanho de gotas: 200 a 400 micra; Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm2; Volume de calda: 200 a 400 Ilha. Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/hora; temperatura máxima de 30°C; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.

CITROS: Recomenda-se a aplicação com turbo atomizador acoplado ao trator. Respeitar a velocidade do trator em torno de 6 km/h, pressão de trabalho entre 200 a 300/po12, com tamanho de gotas entre 200 a 400 micra, e densidade: em torno de 60 gotas/cm2.
É PROIBIDA A APLICAÇÃO COM EQUIPAMENTO MANUAL OU COSTAL.

Pulverização Via Aérea:

FEIJÃO, TRIGO E SOJA: Para aeronaves Ipanema, utilizar barras dotadas de bicos cônicos série D ou similar, com disco (core) com ângulo inferior a 45° ou micronair com 4 atomizadores, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão (VRV) , pressão e ângulo de pá. Volume de aplicação: 30 a 50 Ilha. Altura do vôo: com barras: 2 a 3 m do alvo a ser atingido largura da faixa de deposição efetiva: 15 m. Tamanho das gotas: 200 a 400 micra. Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm2.
Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/hora; temperatura máxima de 30°C; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.
Tanto para pulverização terrestre quanto aérea, a escolha do volume de calda e o tamanho de gotas a serem utilizados, deve levar em consideração as condições climáticas e o stand da cultura, conforme orientações do engenheiro agrônomo.

Tratamento de Sementes:
Misturar homogeneamente o produto às sementes durante um período mínimo de 10 minutos em tambor giratório, betoneiras ou equipamentos específicos para esse fim. Algodão: diluir 80 ml do produto comercial em 400 ml e 900 ml de água, nas sementes sem linter e com linter, respectivamente. Distribuir homogeneamente em 100 kg de sementes. Feijão e soja: diluir 100 ml do produto comercial em 400 ml de água e distribuir homogeneamente em 100 kg de sementes.
ATENÇÃO: No tratamento de sementes de soja destinadas ao plantio, deve-se adicionar ao CARBEN 500 SC, um corante específico para tratamento de sementes. O corante denominado Vermelho Sun deve ser adicionado na água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida. Recomenda-se utilizar 15 ml de corante 1100 kg de sementes.
As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal.

INTERVALOS DE SEGURANÇA:

Citrus: 7 dias
Feijão: 14 dias
Soja: 14 dias
Trigo: 35 dias
Tratamento de sementes de algodão, feijão e soja: Não determinado.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISNMS)

LIMITAÇÕES DE USO:
• Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula.
• Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos às culturas indicadas.
• O produto é incompatível com calda sulfocálcica e calda bordaleza.
• As sementes de soja tratadas destinam-se exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas como alimento humano ou rações animais.
• Não foi observado nenhum sintoma de fitotoxicidade na germinação de sementes tratadas com as doses recomendadas.
• Não se recomenda o uso de ferramentas manuais ou lonas plásticas no tratamento de sementes.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA
ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.

PRODUTO PERIGOSO.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:
• Produto para uso exclusivamente agrícola.
• Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.
• Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
• Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
• Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
• Não utilize equipamentos com vazamento ou com defeitos.
• Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
• Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
• Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as instruções descritas em primeiros socorros e procure rapidamente o serviço médico de emergência.
• Ao abrir a embalagem, faça-o de maneira a evitar respingos.
• Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro mecânico classe P2 ou P3; óculos de segurança com proteção lateral, touca árabe e luvas de nitrila.
• Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
• Evite o máximo possível, o contato com a área tratada.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
• Se utilizar trator aplique o produto contra o vento, de modo a evitar que o aplicador entre na névoa do produto.
• Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
• Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro mecânico classe P2 ou P3; óculos de segurança com proteção lateral, touca árabe e luvas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
• Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA, ÁREA TRATADA" e manter os avisos até o final do período de reentrada.
• Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPls) recomendados para o uso durante a aplicação.
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
• Os equipamentos de proteção individual devem ser retirados na seguinte ordem:
touca árabe, óculos, botas, macacão, luvas e máscara.
• Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
• Não reutilizar a embalagem vazia.
• No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
INGESTÃO: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
OLHOS: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
PELE: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
INALAÇÃO: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

Grupo químico: Benzimidazol.
Classe toxicológica: III
Vias de exposição: Oral( 80-85, dérmica e menosr intensidade).
Toxicocinética: O carbendazim é um metabólito ativo do benomil e do tiofanato metílico.Após absorção, o carbendazim é distribuído por todos os tecidos, atingindo altas concentrações no fígado, onde são metabolizados. Têm excreção renal e biliar em até 72 horas.
Mecanismos de toxicidade: Altera enzimas microssomais hepáticas em animais de laboratório (ratos e camundongos).
Sintomas e sinais clínicos: Nenhuma referência de intoxicação aguda causada pelo carbendazim foi encontrada em humanos.
Diagnóstico: Como não se conhecem sintomas específicos, deve-se observar possíveis alterações no paciente, associados à confirmação de exposição ao produto.
Tratamento: As medidas abaixo relacionadas, especialmente aquelas voltadas para a adequada oxigenação do intoxicado, devem ser implementadas concomitantemente ao tratamento medicamentoso e à descontaminação.
Utilizar luvas e avental durante a descontaminação.
1. Remover roupas e acessórios e descontaminar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, com água fria abundante e sabão. Colocar a vítima para local ventilado.
2. Se houver exposição ocular, irrigar abunadantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
Em caso de ingestão recente, fazer lavagem gástrica. Atentar para nível de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração. Administrar carvão ativado na proporção de 50-100g em adultos e 25-50g em crianças de 1-12 anos, e 1g/Kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30g de carvão ativados para 240ml de água.
Contra - inicações: Não se conhecem contra-indicações medicamentosas relacionadas ao produto.
Efeitos sinérgicos: Não se conhecem informações a respeito de efeitos aditivos, sinérgicos e/ou potencializadores relacionados aos diferentes ingredientes deste agrotóxico.
ATENÇÃO: Ligue para o disque-intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e obter informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica ( RENACIAT - ANVISA/MS)
Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação ( SINAN / MS)
Telefone de emergência da empresa: (51) 3322 1300.

Mecanismo de Ação, Absorção e Excreção para Animais de laboratório:
Após absorção, o Carbendazim é distribuído por todos os tecidos, atingindo altas concentrações no fígado, onde são metabolizados. Têm excreção renal e biliar em até 72 horas.

Efeitos Agudos:
• DL50 oral em ratos> 2.000 mg/kg
• DL50 dérmica em ratos> 2.000 mg/kg
• Irritação Dérmica: o produto é considerado não irritante.
• Irritação Ocular: o produto é considerado não irritante.
• Sensibilização cutânea: não sensibilizante.

Efeitos crônicos:
Não existem informações sobre efeitos crônicos em seres humanos, porém, em estudos de longo prazo com animais de laboratório para o ingrediente ativo, administrado em várias doses a ratos, estabeleceu-se um NOEL de 300 ppm.

De acordo com as recomendações pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente - IBAMA-MMA.

MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS:
Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.

Para as culturas que durante o ciclo, exigem um elevado número de aplicações, recomenda-se:

• Realizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos, visando prevenir o aparecimento de fungos resistentes e prolongar a vida útil dos fungicidas na agricultura; utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados na bula.
• Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MIO) quando disponíveis e apropriados.
• Consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das recomendações locais para manejo de resistência.