Bula Carbendazim CCAB 500 SC

CI
Carbendazim
2409
CCAB Agro

Composição

Carbendazim 500 g/L

Classificação

Tratamento de sementes/aplicação foliar
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico

Algodão

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides (Ramulose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum truncatum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium moniliforme (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Lasiodiplodia theobromae (Podridão de raiz) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Penicillium spp (Fungo de armazenamento) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ramularia areola (Ramularia) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Citros

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum lindemuthianum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Elsinoë australis (Verrugose da laranja doce) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Alternaria spp (Pinta preta) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Aspergillus spp (Fungo de pós colheita) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum lindemuthianum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum truncatum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Penicillium sp (Fungo de Armazenamento) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Penicillium spp (Fungo de armazenamento) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phaeoisariopsis griseola (Mancha angular) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Maçã

Dosagem Calda Terrestre
Botryosphaeria dothidea (Podridão branca) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Soja

Dosagem Calda Terrestre
Aspergillus spp (Fungo de pós colheita) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Cercospora kikuchii (Mancha púrpura da semente) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum truncatum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Corynespora cassiicola (Mancha alvo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Microsphaera diffusa (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Penicillium spp (Fungo de armazenamento) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phomopsis sojae (Podridão seca) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Sclerotinia sclerotiorum (Podridão de esclerotinia) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Septoria glycines (Mancha parda) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Bipolaris sorokiniana (Mancha marrom) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium graminearum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Septoria tritici (Mancha salpicada) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Stagonospora nodorum (Mancha das glumas) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Frasco de plástico, COEX ou PAD de 0,1; 0,25; 0,5; 1; 2; 2,5; e 5 Litros.

Bombona de plástico, COEX ou PAD de 10; 15; 20; 25; 50; 100 e 200 Litros.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO

CARBENDAZIM CCAB 500 SC é um fungicida sistêmico de translocação ascendente, com ação de protetora e curativa, de amplo espectro.

MECANISMO DE AÇÃO EM RELAÇÃO AOS ALVOS BIOLÓGICOS

Possui rápida absorção através de raízes e tecidos verdes. Atua pela inibição de tubos germinativos, formação de apressórios e crescimento de micélios.

CULTURAS

CARBENDAZIM CCAB 500 SC é indicado para aplicação por pulverização e tratamento de semente

MODO DE APLICAÇÃO

PULVERIZAÇÃO EM CULTURAS
Carbendazim CCAB 500 SC é indicado em mistura com água. Recomenda-se agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda. Para o uso nas culturas de algodão, citros, feijão, maçã, soja, trigo o produto deve ser utilizado na forma de pulverização via terrestre ou aérea.
Algodão: Iniciar as aplicações preventivamente ao redor de 30 dias após a emergência e repetir após 10 a 15 dias de acordo com as condições climáticas e desenvolvimento da doença. Efetuar no máximo 03 aplicações durante o ciclo da cultura.
Citros: Aplicar quando 2/3 das pétalas da florada principal tenham caído. Em variedades suscetíveis e quando o período é chuvoso, uma segunda aplicação 4 a 6 semanas após a primeira aplicação é recomendável.
Feijão: Iniciar as aplicações preventivamente ao redor de 30 dias após a emergência e repetir a cada 10 a 15 dias de acordo com as condições climáticas e pressão da doença.
Maçã: Iniciar as aplicações preventivamente, a partir da queda das pétalas, prolongando-se até a colheita. Realizar no máximo 6 aplicações por ciclo da cultura com intervalo de 15 a 20 dias.
Soja: Iniciar a aplicação na fase de florescimento à formação de vagem, repetindo 15 a 20 dias após a primeira aplicação.
Trigo: Realizar a primeira aplicação no início do espigamento e a segunda 8 a 10 dias após.

MODO / EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

PREPARO DA CALDA
Agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda. Recomenda-se o preparo de quantidade necessária de calda para uma aplicação. Para preparar melhor a calda, coloque a dose indicada de Carbendazim CCAB 500 SC no pulverizador com água até ¾ de sua capacidade e em seguida complete o volume agitando constantemente, mantendo o agitador ou retorno em funcionamento. A agitação deve ser constante durante a preparação da calda e aplicação do produto. Caso aconteça algum imprevisto que interrompa a agitação do produto possibilitando a formação de depósitos no fundo do tanque do pulverizador, agitar vigorosamente a calda antes de reiniciar a operação. Aplique de imediato sobre o alvo biológico.

Via Terrestre
Feijão, soja, trigo: Utilizar equipamentos tratorizados com barras dotadas de bicos cônicos da série D ou similar, velocidade do trator em torno de 6 km/h, pressão de trabalho entre 80 a 120 lb/pol e tamanho de gotas entre 200 a 400 micra, com uma densidade em torno de 60 gotas/cm.
Citros: Recomenda-se a aplicação com turbo atomizador acoplado ao trator. Respeitar a velocidade do trator em torno de 6 km/hora, a uma pressão de trabalho entre 200 a 300 lb/pol, com tamanho de gotas entre 200 a 400 micra, e densidade em torno de 60 gotas/cm.

Via aérea Feijão, soja, trigo: Para aeronaves do tipo Ipanema, utilizar barras dotadas de bicos cônicos série D ou similar, com disco (core) com ângulo inferior a 45 o ou micronair com 4 atomizadores, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão(VRV), pr essão e ângulo de pá.
Volume de aplicação: 30 a 50 L/ha
Altura do voo: com barras: 2 a 3 m do alvo a ser atingido. Largura da faixa de deposição efetiva: 15 m
Tamanho das gotas: 200 a 400 micra Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm.
O sistema de agitação do produto no interior do tanque deve ser mantido em funcionamento durante toda a aplicação.

Tratamento de sementes
ATENÇÃO: O tratamento de sementes deve ser através de máquinas apropriadas para tratamento de sementes.
No tratamento de sementes de feijão, soja e algodão destinados ao plantio, deve-se adicionar ao, corante específico para tratamento de sementes.
O corante denominado Vermelho Sun, deve ser adicionado em água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida.
Recomenda-se utilizar 15 ml de corante /100 kg de sementes.
As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal.
Misturar homogeneamente o produto às sementes durante um período mínimo de 10 minutos em tambor giratório, betoneiras ou utilizar máquinas específicas para o tratamento de sementes.
Algodão: Diluir 80 ml do produto comercial em 400 ml e 900 ml de água, nas sementes sem linter e com linter, respectivamente. Distribuir homogeneamente em 100 kg de sementes.
Feijão e Soja: Diluir 100 ml do produto comercial em 400 ml de água e distribuir homogeneamente em 100 kg de sementes.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO

PULVERIZAÇÃO VIA TERRESTRE
Para as culturas de citros, feijão, maçã, soja e trigo deve ser aplicado na parte aérea das plantas com equipamentos terrestres (pulveri zador tratorizado ou autopropelido) equipados com pontas de pulverização (bicos) do tipo cônico ou leque, que proporcionem uma vazão adequada para se obter uma boa cobertura das plantas. Procurar utilizar equipamentos e pressão de trabalho que proporcionem tamanhos de gotas que evitem a ocorrência de deriva.
• Barras dotadas de bicos cônicos da série D ou similar;
• Velocidade do Trator: em torno de 6 km/h;
• Pressão de trabalho: 80 a 120 Lb/pol²;
• Tamanho de gotas: 200 a 400 micra;
• Densidade de gotas: em torno de 40 - 60 gotas/cm²;
• Volume de calda: 200 a 400 L/ha e para maçã 1000 L/ha
• Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/hora; temperatura máxima de 30ºC; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.

PULVERIZAÇÃO VIA AÉREA

Para aeronaves Ipanema, utilizar barras dotadas de bicos cônicos série D ou similar, com disco (core) com ângulo inferior a 45º ou micronair com 4 atomizadores, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão (VRV), pressão e ângulo de pá.
Volume de aplicação: 30 a 50 L/ha.
Altura do voo: com barras: 2 a 3 m do alvo a ser atingido, largura da faixa de deposição efetiva: 15 m.
Tamanho das gotas: 200 a 400 micra.
Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm².
Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/hora; temperatura máxima de 30ºC; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.
Tanto para pulverização terrestre quanto aérea, a escolha do volume de calda e o tamanho de gotas a serem utilizados, deve levar em consideração as condições climáticas e o stand da cultura, conforme orientações do engenheiro agrônomo.

TRATAMENTO DE SEMENTES

Misturar homogeneamente o produto às sementes de soja durante um período mínimo de 10 minutos em tambor giratório, betoneiras ou equipamentos específicos para esse fim.

ATENÇÃO

No tratamento de sementes de soja destinadas ao plantio, deve-se adicionar ao CARBENDAZIM CCAB 500 SC, um corante específico para tratamento de sementes. O corante denominado Vermelho Sun deve ser adicionado na água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida. Recomenda-se utilizar 15 mL de corante / 100 kg de sementes.
As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal.

INTERVALOS DE SEGURANÇA

Algodão, feijão, maçã, soja, trigo: 14 dias
Citros: 07 dias
Tratamento de sementes de soja: Não determinado.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (mínimo de 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilize os EPI's indicados no item “DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA” recomendados durante a aplicação. Evite sempre que pessoas alheias ao tratamento com a cultura e animais domésticos circulem pela área tratada.

LIMITAÇÕES DE USO

• Uso exclusivo agrícola, nas doses e culturas aprovadas.
• As sementes de soja tratadas destinam-se exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas como alimento humano ou rações animais.
• Não foi observado nenhum sintoma de fitotoxicidade na germinação de sementes tratadas com as doses recomendadas.
• Não se recomenda o uso de ferramentas manuais ou lonas plásticas no tratamento de sementes.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.

O Uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda da eficiência do produto e consequente prejuízo.
Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
• Alternância de fungicidas com mecanismo de ação distintos do Grupo B1 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados á: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO B1 FUNGICIDA

O produto fungicida CARBENDAZIM CCAB 500 SC é composto por Carbendazim, que apresenta mecanismo de ação de montagem de ß-tubulina na mitose, pertencente ao grupo B1, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas).

Corrosivo ao cobre, ferro e latão.




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.