Bula Centurion - Arysta Lifescience

Bula Centurion

acessos
Cletodim
2910
Arysta Lifescience

Composição

Cletodim 240 g/L Oxima ciclohexanodiona

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico, Pós-emergência

Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Maturador
(Maturador)
0,1 a 0,15 L p.c./ha - 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Aplicação única 20 dias Aplicar de 40 a 60 dias antes da colheita

Garrafas de polietileno de alta densidade tipo Coex de 0,25; 0,5 e 1 L.

Bombonas de plástico de 2,5 e 5,0 L.

Frasco plástico ou metálico de 0,1; 0,15; 0,2; 1,5; 2 e 3 L.

Bombona, balde plásticos ou metálico de 4, 8, 10, 15, 20, 25 e 50 L.

Tambores plástico ou metálicos de 10, 200, 250, 500 e 1.000 L.

Tanque contêniner estruturado, em aço inox, com proteção anticorrosiva de 1.000, 2.000, 5.000, 10.000, 15.000, 20.000, 23.000 e 25.000 L.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

- Cana-de-açúcar:
CENTURION deve ser aplicado uma vez em lavouras com boas condições de sanidade e desenvolvimento vegetativo, sem qualquer tipo de estresse para que ocorra uma boa assimilação e expressão das características desejáveis na cultura.

MODO DE APLICAÇÃO
- Aplicação Aérea: Cana-de-açúcar
Aplicação Aérea: a aeronave agrícola deverá estar equipada com barra, bicos da série D, que produzam gotas maiores que 200 micra e calibrados para distribuir volume de calda de 30 a 50 L/ha. A faixa de deposição do produto será pré-determinada pelo tipo de aeronave e a altura de vôo deverá ser de 2 a 4 metros. Visando uma aplicação uniforme, deve-se utilizar recursos adequados para demarcar a largura exata da faixa de pulverização.

Condições climáticas:
- Temperatura: inferior a 30ºC
- Umidade relativa: superior a 55%
- Velocidade do vento: entre 3 e 10 km/hora

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Cana-de-açúcar: 20 dias

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas daninhas a ele resistentes. Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.