Bula Cetro - Basf
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,170 (1,12%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (-0,36%)

Bula Cetro

ACETATO DE (E)-8-DODECENILA; ACETATO DE (Z)-8-DODECENILA
3811
Basf

Composição

Acetato de (E)-8-dodecenila 9 g/kg
Acetato de (Z)-8-dodecenila 89 g/kg

Classificação

Armadilhas
Feromônio
Não Classificado
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Evaporável (VP)
Confusão sexual

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Calda Terrestre Dosagem
Grapholita molesta (Mariposa oriental)

Conteúdo: 1 kg.

INSTRUÇÕES DE USO

Cetro® trata-se de um feromônio sintético para interrupção do ciclo e controle de gerações da Mariposa-oriental ou Broca-dos-ponteiros (Grapholita molesta). Cetro® age causando desorientação ou confusão sexual nos machos deste inseto evitando assim a reprodução da praga, interrompendo o seu ciclo. Cetro® é recomendado para todas as culturas com ocorrência da Mariposa-oriental ou Broca-dos-ponteiros.
Obs.: cada unidade (dispenser) contém 450 mg de Z8/E8-dodecenyl acetate

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Realizar uma única aplicação por ciclo da cultura que deverá ser feita a partir do aparecimento das primeiras brotações, ou no aparecimento dos primeiros adultos do inseto-alvo, ou seja, antes do período que possa ocorrer a cópula e consequente aumento da população do inseto.

MODO DE APLICAÇÃO

As unidades em forma de dispensers devem ser fixadas em ramos nas partes altas da planta, a uma altura aproximada de 2,5m do solo (em plantas de porte alto), e distribuída 01 a cada 20 metros quadrados de área de forma que tenham a melhor abrangência da área a ser protegida.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não se aplica devido às características do produto (feromônio inserido em dispensers).

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não há necessidade de observância de intervalo de reentrada desde que as pessoas estejam calçadas ao entrarem na área tratada.

LIMITAÇÕES DE USO

Não há limitações de uso.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex.: controle cultural, biológico, etc) dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponíveis e apropriados.

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. As seguintes estratégias podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
• Rotação de produtos com mecanismos de ação distintos, quando apropriado;
• Adotar outras táticas de controle, prevista no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas; Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).