Bula Chiva WP - CropChem

Bula Chiva WP

Mancozebe; Cimoxanil
30517
CropChem

Composição

Mancozebe 640 g/kg
Cimoxanil 80 g/kg

Classificação

Terrestre
Fungicida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato, Sistêmico

Batata

Phytophthora infestans (Requeima)

Cebola

Peronospora destructor (Míldio)

Tomate

Phytophthora infestans (Requeima)

Uva

Plasmopara viticola (Míldio)

Tipo: Saco.
Material: Plástico/Aluminizado.
Capacidade: 0,5; 1,0; 2,0; 5,0; 10; 20; 24; 25; 50 kg.

Tipo: Saco.
Material: Fibra celulósica revestida com plástico e alumínio.
Capacidade: 0,05; 0,06; 0,07; 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,5; 1,0; 2,0; 5,0; 10 kg.

Tipo: Saco.
Material: Fibra celulósica.
Capacidade: 0,05; 0,06; 0,07; 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,5; 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0; 10; 12; 15; 20; 25; 50 kg.

Tipo: Saco hidrossolúvel.
Material: 0,05; 0,06; 0,07; 0,1; 0,15; 0,2; 0,25; 0,5 kg.
Capacidade: Balde.

Tipo: Metálico/Plástico.
Material: 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0; 10; 12; 15; 20; 25; 50 kg.
Capacidade: Tambor.

Tipo: Fibra celulósica.
Material: 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0; 10; 12; 15; 20; 25; 50 kg.
Capacidade: Caixa.

Tipo: Fibra celulósica.
Material: 1,0; 2,0; 3,0; 4,0; 5,0; 10; 12; 15; 20; 25; 50 kg.
Capacidade:

INSTRUÇÕES DE USO

CULTURAS: CHIVA WP é um fungicida sistêmico e de contato para aplicação por pulverização nas seguintes culturas: batata, cebola, tomate e uva.

MODO DE APLICAÇÃO

CHIVA WP é indicado para aplicações terrestres. Realizar aplicações em alto volume com pulverizadores atomizadores costais (manuais ou motorizados), dotados com bomba centrífuga, estacionários dotados de mangueiras, pulverizadores de barra acoplados a trator, procurando-se cobrir uniformemente toda a parte aérea da planta (caule, folhas e frutos).

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO

Tipo de bico: cone, como XH4 ou D 2-13. Altura da barra: deve permitir uma boa cobertura de toda a parte aérea da planta. Volume de aplicação: conforme instruções de uso. Tamanho e densidade de gotas: 90 a 100 micra e no mínimo 60 gotas/cm². Observação: No caso de se utilizar outros equipamentos, estes devem sempre proporcionar boa cobertura das plantas.

INTERVALOS DE SEGURANÇA

Batata, tomate, uva e cebola: 7 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

• Uso exclusivo para culturas agrícolas.
• Os períodos de carência devem ser observados.
• CHIVA WP não deve ser aplicado com produtos de reação fortemente alcalina, tais como calda bordaleza ou sulfocálcica e não deve ser utilizado em mistura de tanque com qualquer outro agrotóxico.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS

Os EPI’s visam proteger a saúde dos trabalhadores e reduzir o risco de intoxicação decorrente de exposição aos agrotóxicos. Para cada atividade envolvendo o uso de agrotóxicos é recomendado o uso de EPI’s específicos descritos nas orientações para preparação da calda, durante a aplicação, após a aplicação, no descarte de embalagens e no atendimento aos primeiros socorros.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O fungicida CHIVA WP é composto por Cimoxanil e Mancozebe, dos grupos químicos das Acetamidas e Ditiocarbamatos e relativos, apresentam mecanismos de ação Desconhecido e Atividade de contato multi-sítio e pertencem aos Grupos DESC e M3, segundo classificação internacional do FRAC (Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas), respectivamente.
O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo.
Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações:
• Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo DESC e M3 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc;
• Utilizar as recomendações de época, dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto;
Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br ), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO: M03 - FUNGICIDA
GRUPO: DESC - FUNGICIDA