Bula Dacobre WP

acessos
Chlorothalonil + Oxicloreto de cobre
98606
Iharabras

Composição

Clorotalonil 250 g/kg Carbonitrilas
Oxicloreto de cobre 504 g/kg Inorgânico

Classificação

Fungicida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
350 g p.c./100 L de água 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Requeima
(Phytophthora infestans)
350 g p.c./100 L de água 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Berinjela Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, após o transplante
Cenoura Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha de alternaria
(Alternaria dauci)
200 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, após o transplante
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
2,5 a 3 kg p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 10 dias. 14 dias. Previamente
Ferrugem
(Uromyces appendiculatus)
2,5 a 3 kg p.c./ha 200 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 10 dias. 14 dias. Previamente
Mamão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Varíola
(Asperisporium caricae)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 10 dias. 7 dias. Previamente
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha das folhas
(Cercospora citrullina)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Mancha de alternaria
(Alternaria cucumerina)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Oídio
(Sphaerotheca fuliginea)
350 g/100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Queima
(Cladosporium cucumerinum)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente
Pimentão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha de stemphylium
(Stemphylium solani)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Requeima
(Phytophthora capsici)
350 g p.c./100 L de água 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cancro bacteriano
(Corynebacterium michiganense)
350 g p.c./100 L de água 200 a 800 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Mancha de stemphylium
(Stemphylium solani)
350 g p.c./100 L de água 200 a 800 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
350 g p.c./100 L de água 200 a 800 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Requeima
(Phytophthora infestans)
350 g p.c./100 L de água 200 a 800 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante
Requeima
(Phytophthora capsici)
350 g p.c./100 L de água 200 a 800 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) 7 dias. 7 dias. Previamente, logo após o transplante

Sacos de polietino: 1, 5 e 25 kg. Sacos de papel multifoliado: 25 kg. Sacos plásticos contendo internamente 6 pacotes (socos plásticos): 5 kg.

INSTRUÇÕES DE USO:

DACOBRE WP - Trata-se de um fungicida empregado no controle de inúmeras doenças fúngicas em diversas culturas:

FORMA DE APLICAÇÃO: VIA TERRESTRE: Usar pulverizadores tratorizados de barra, bicos cônicos, densidade mínima de 50-70 gotas com 250 micra. Usando-se outros tipos de equipamentos, procurar obter uma cobertura uniforme da parte aérea da planta. Na Cultura do Mamão: Usar pulverizadores acoplados a tratores (atomizadores) com bicos cônicos apropriados para a aplicação de fungicidas. O volume de calda deve ser de acordo com a idade da planta, variedade e espaçamento em questão, de modo a atingir toda a parte aérea da planta proporcionando uma cobertura homogênea da calda fungicida.

VIA AÉREA: Uso de barra e atomizador rotativo Micronair AU 3000; Volume de aplicação: 30-40 l/ha, procurando assegurar a dosagem recomendada do produto; Altura do vôo com barra: 2-3 m e com Micronair AU 3000: 3-4 m; Largura da faixa de deposição efetiva: 15 m; Tamanho e densidade da gota: 180-220 micra, com mínimo de 60 gotas/cm2 ;

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS: O diâmetro de gotas deve ser ajustado para cada volume de aplicação (l/ha), para proporcionar a adequada densidade de gotas, obedecendo a ventos de até 8 Km /h, temperaturas até 27oC e umidade relativa acima de 70%, visando reduzir, ao mínimo, perdas por deriva e evaporação. No caso de barra, usar bicos cônicos pontas D6 a D12, disco (core) inferior a 45o. Usando Micronair, o número de atomizadores deve ser 4, onde para o ajuste do regulador de vazão (VRU), pressão e ângulo da pá, seguir a tabela sugerida pelo fabricante. O sistema de agitação do produto no interior do tanque deve ser mantido em funcionamento durante toda a aplicação. OBS.: Seguir essas condições de aplicação, caso contrário, consultar um Engenheiro Agrônomo.

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCAS OU INTERVALO DE APLICAÇÃO: Os tratamentos deverão ser iniciados preventivamente ou aos primeiros sintomas do aparecimento das doenças, prosseguindo-se com intervalos de 10-15 dias. No controle da ferrugem do cafeeiro, recomenda-se tratamentos de meados de Setembro à fins de Março, conforme o grau de incidência. Nas dosagens recomendadas em g/100l de água, utilizar alto volume (800-1000 l de calda/ha). Na cultura do mamão: Aplicar preventivamente de 15 em 15 dias ou, no máximo, logo após o início da infecção. Dirigir a pulverização para os frutos e para a página inferior das folhas mais velhas.

INTERVALO DE SEGURANÇA (dias): Café: 30 dias, Feijão: 14 dias, Tomate, Batata, Berinjela, Pimentão, Cenoura, Melão e Melancia: 7 dias. Mamão: 7 dias

INTERVALO DE REENTRADA: Mantenha afastado das áreas de aplicação, crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas até que haja o completo secamento do produto após a aplicação.

FITOTOXIDADE: Evitar aplicações em plantas jovens de rosáceas e cucurbitáceas.

OUTRAS RESTRIÇÕES: A fim de evitar incompatibilidade, não misturar com inseticida à base de CARTAP.

INFORMAÇÕES ADICIONAIS: DACOBRE WP está devidamente registrado no Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

MÉTODO DE ANÁLISE QUÍMICA: CHLOROTHALONIL: G.L.C. OXICLORETO DE COBRE: Titulometria.

PRECAUÇÕES GERAIS: Antes de usar o produto leia com atenção as instruções: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Use viseira facial. Produto irritante para a pele. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas impermeáveis e máscara cobrindo a boca e o nariz. Use viseira facial.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças. Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Procure logo o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. INGESTÃO: Provoque vômito, beba água e procure logo o médico. OLHOS: Lave com água em abundância e procure logo o médico. PELE: Lave com água e sabão em abundância. INALAÇÃO: Procure lugar arejado.

ANTÍDOTO / TRATAMENTO MÉDICO: Lavagem gástrica com ferricianeto de potássio ou suspensão de carvão animal ativado. Penicilamina nos casos agudos e nos crônicos. Transfusão de sangue nos casos graves. Tratamento sintomático.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: O mecanismo de ação do Clorotalonil é a sua conjugação com a glutationa. Absorção: Em testes de laboratório, aproximadamente 30% do produto foi absorvido na dose administrada. Excreção: 82 - 88% da dose administrada foi excretada nas fezes e 5 - 7% na urina, em testes com ratos. Em trabalhos mais recentes, mais de 95% da dose administrada em cães foi excretada pelas fezes.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS E COLATERAIS: O Clorotalonil pode causar irritação à pele e aos olhos. Pode produzir reações alérgicas temporárias caracterizadas por um avermelhamento da pele exposta. Efeitos crônicos: Excessiva e repetida exposição dérmica pode causar uma constante irritação ou pode aumentar a possibilidade de uma reação alérgica.

SINTOMAS DE ALARME: (Mistura com sais de cobre): Náuseas e vômitos, diarréia, colapso, convulsões, icterícia, amúria, pneumonite química, febre. excitação do sistema nervoso central, seguida depressão. Lesões necrítcas nos contatos prolongados com a pele e mucosas. Se não houver vômitos, há absorção gradual e intoxicação sistêmica, podendo ocorrer a morte em poucos dias. (Clorotalonil): Produto irritante para os olhos. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água corrente durante quinze minutos e procure o médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Produto irritante para a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água e sabão em abundância e procure o médico levando a embalagem ou rótulo do produto.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

- Este produto é:

( ) Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I)
(X)MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II)
( ) Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III)
( ) Pouco perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV)

- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para microorganismos do solo
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d’água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos animais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa IHARABRAS S.A. INDÚSTRIAS QUÍMICAS – Telefone de Emergência: 0800 774 4272.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, contate a empresa registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d’água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores DO TIPO GÁS CARBÔNICO OU PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Embalagem FLEXÍVEL

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente
(Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas – modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição. Embalagem SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O Armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

- É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.


- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS

A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do
telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através da incineração deste material.

O incinerador consiste em:
- Forno rotativo revestido com material refratário, equipado com lavadores de gases, para queima de resíduos sólidos e/ou líquidos à uma temperatura na faixa de 800º à 1.000 ºC por um tempo não inferior à 2 segundos.
- Câmara pós-combustão (1.050 - 1.250 ºC) para queima dos gases gerados na própria queima dos resíduos dentro do forno rotativo.
- Várias etapas de resfriamento e lavagem de gases: O efluente gerado é continuamente retirado e posteriormente tratado.
- Pontos de Remoção de cinza que são recolhidas e enviadas à aterros industriais apropriados e devidamente isolados e protegidos.

- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:

O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC-BR (Comitê de Ação a Resistência à Fungicidas – Brasil) – Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
· Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou do mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
· Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
· Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Incompatível com produtos a base de cartap.