Bula Dacostar 750

acessos
Clorotalonil
778803
Arysta Lifescience

Composição

Clorotalonil 750 g/kg Carbonitrilas

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato
Amendoim Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha barrenta
(Ascochyta arachidis)
1,5 a 2 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 14 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Mancha castanha
(Cercospora arachidicola)
1,5 a 2 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 14 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Verrugose
(Sphaceloma arachidis)
1,5 a 2 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 14 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
1,5 a 2 kg p.c./ha 750 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Requeima
(Phytophthora infestans)
1,5 a 2 kg p.c./ha 750 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Berinjela Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Olho pardo
(Cercospora coffeicola)
2 a 3 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 30 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Seca de ponteiros
(Phoma costaricensis)
2 a 3 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 30 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Cenoura Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha de alternaria
(Alternaria dauci)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Verrugose
(Elsinöe fawcetti)
200 g p.c./100 L de água 4 a 10 L de calda / planta - Realizar duas aplicações. 7 dias Realizar a primeira aplicação com 2/3 das pétalas já caídas e a segunda no início da frutificação
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
1,4 a 2 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 10 a 15 dias. 14 dias Iniciar as aplicações 30 dias após o plantio
Mancha angular
(Phaeoisariopsis griseola)
1,4 a 2 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 10 a 15 dias. 14 dias Iniciar as aplicações 30 dias após o plantio
Gladíolo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ferrugem
(Uromyces transversalis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. Uso não alimentar. O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Melão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha 15 a 20 L de calda/ha (aéreo) Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Pepino Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Pimentão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Rosa Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha negra
(Diplocarpon rosae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. Uso não alimentar. O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Seringueira Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mal das folhas
(Microcyclus ulei)
3 a 4 kg p.c./ha 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. Uso não alimentar. O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mancha de stemphylium
(Stemphylium solani)
200 g p.c./100 L de água 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
200 g p.c./100 L de água 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Requeima
(Phytophthora infestans)
200 g p.c./100 L de água 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Septoriose
(Septoria lycopersici)
200 g p.c./100 L de água 600 a 1200 L de calda/ha - Aplicar com intervalo de 7 a 10 dias. 7 dias O tratamento deve ser iniciado imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento da doença
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Elsinöe ampelina)
200 g p.c./100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - Aplicar com intervalos de 7 dias até a floração. 7 dias Aplicar no início das brotações
Míldio
(Plasmopara viticola)
200 g p.c./100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - Aplicar com intervalos de 7 dias até a floração. 7 dias Aplicar no início das brotações

Sacos plásticos de polietileno: 1 kg.
Tambores de papelão ou fibra: 10 kg.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Culturas em geral: Os tratamentos devem ser iniciados imediatamente após os primeiros indícios do aparecimento das doenças, repetindo-se com intervalo de 7 a 10 dias.
Para as culturas de:
Uva: começar as aplicações no início das brotações, repetir a cada 7 dias até a floração.
Feijão: iniciar as aplicações 30 dias após o plantio, repetindo-se a cada 10-15 dias.
Citros: efetuar basicamente 2 aplicações, a primeira com 2/3 das pétalas já caídas e a segunda no início da frutificação.

MODO E EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
a) Via terrestre:
- Usar pulverizador tratorizado de barra com bicos cônicos com volume de 600-1200 L/há de calda. Densidade de gotas mínimo de 50-70 gotas/cm2, com 250 micras.
- Usando-se outros tipo de equipamentos, procurar obter uma cobertura uniforme da parte aérea das plantas.

b) Via aérea: Uso de barra ou atomizador rotativo "Micronair".
- Volume de aplicação: com barra, 2-3 metros
com Micronair: 3 a 4 metros.
- Largura de faixa de deposição efetiva: 20 m
- Tamanho/ densidade de gotas: 80 micras, com mínimo de 60 gotas/cm2
- Condições climáticas: Diâmetro de gotas deve ser ajustado para cada volume de aplicação (L/há) para proporcionar a adequada densidade de gotas, obedecendo-se ventos de até 10 Km/h, temperatura média e umidade relativa acima de 70%, visando reduzir o mínimo de perda por deriva e evaporação.
- No caso de barra, usar bicos cônicos, pontas D6 a D12, disco (core). Usando-se Micronair, o número de atomizadores devem ser de 4, onde para o ajuste do regulador de vazão (VRU), pressão e ângulo da pá, seguir tabela sugerida pelo fabricante.
- O sistema de agitação do produto no tanque deve ser mantido em funcionamento durante a aplicação. OBS: Em caso de dúvida consultar um Engenheiro Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Café: 30 dias
Amendoim, feijão: 14 dias.
Uva, batata, citros, melão, melancia, pepino, berinjela, pimentão, tomate e cenoura: 7 dias
Gladiolo, rosa e seringueira: UNA

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E AÉREAS TRATADAS:
Mantenha afastados das áreas de aplicação crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas, por um período de 7 dias após a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade: Se usado conforme as recomendações, não há.
Outras restrições: não se conhece alguma restrição de uso.

ANTES DE USAR O PRODUTO, LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.

PRECAUÇÕES GERAIS:
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
- Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
- Não aplique o produto contra o vento.
- Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
- Não reutilize a embalagem vazia.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
- Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS:
-Ingestão: Provoque vômito e procure imediatamente um médico.
- Olhos: Lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e procure um médico.
- Pele: Lave imediatamente com água corrente durante 15 minutos e procure um médico.
- Inalação: Procure local arejado e procure médico.
OBS.: Ao procurar o médico, leve a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico.

SINTOMAS DE ALARME:
Chlorothalonil pode causar danos aos olhos e irritação na pele. Pode produzir reações alérgicas temporárias, caracterizadas por um avermelhamento dos olhos uma ligeira irritação dos brônquios e avermelhamento da pele exposta.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO (INFORMAÇÕES PARA USO MÉDICO):
- As pessoas afetadas respondem ao tratamento com antihistaminicos ou cremes e/ou esteroides orgânicos.

MECANISMOS DE AÇÃO/ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO:
- O mecanismo de ação do Chlorothalonil é a sua conjugação com a glutationa.
- Absorção: Aproximadamente 30% do produto foi absorvido na dose administrada.
- Excreção: 82-88% da dose administrada foi excretada nas fezes e 5,0-6,7% na urina em testes com ratos. Em trabalhos mais recentes, mais de 95% da dose administrada em cães foi excretada pela fezes.

EFEITOS COLATERAIS:
- O Chlorotalonil pode causar de média a severa irritação dos olhos dependendo da exposição ao produto. Não há evidência de causa de danos permanentes.
- Pode causar irritação na pele, produzindo reações alérgicas temporárias.
- Pode causar irritação no trato respiratório ou gastrointestinal, se inalado ou ingerido, respectivamente.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS:
- Efeitos agudos: Pode causar irritação à pele e aos olhos, pode produzir reações alérgicas temporárias, caracterizadas por um avermelhamento da pele exposta.
- Efeitos crônicos: Excessiva e repetida exposição dermal pode causar uma constante irritação ou pode aumentar a possibilidade de uma reação alérgica.

TELEFONE DE EMERGÊNCIA:
- CIT: (011) 275.5311
- HOKKO DO BRASIL: (011) 578.8022

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIA QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
Este produto é: MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II).

- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a natureza.
- Não utilize equipamento com vazamentos.
- Não aplique o produto na presença de ventos forte ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas .
- Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d´água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada das embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinquenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação susceptível a danos.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACISDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- Local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns deverão ser seguidas as instruções contastes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constante da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
- Isole e sinalize a área contaminada. Contate as autoridades locais competentes e a Empresa: HOKKO DO BRASIL IND. QUÍM. E AGROPECUÁRIA LTDA. - Telefone de Emergência: (0xx11) 3054-5000
- Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
- Piso pavimentado: recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá ser mais utilizado. Neste caso contate a empresa registrante, pelo telefone indicado acima, para que seja feito o recolhimento pela mesma. Lave o local com grande quantidade de água.
- Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e recolha esse material e coloque em recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
- Corpos d´água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recuso hídrico em questão e da quantidade de produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIEMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

Para embalagem flexível:
ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O Armazenamento da embalagem vazia, até a devolução pelo usuário deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva, ter piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio desta embalagem.
Esta embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plásticos transparentes (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

DEVOLUÇÃO DA EMBLAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra é obrigatória a devolução da embalagem vazia pelo usuário ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, a devolução deverá ocorrer até o fim do seu prazo de validade.

TRANSPORTE
- As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
- A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM DA EMBALAGENS VAZIAS OU FRACIONAMENTO/ REEMBALAGEM DESTE PRODUTO

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS
A destinação inadequada da embalagens e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para esse tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTE E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Incluir outros métodos de controle de doenças (EX.: controle culturas, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID), quando disponível e apropriado.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC - BR (Comitê de ação e resistência a fungicidas - Brasil). Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de Resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças, da mesma classe ou de mesmo modo de ação, não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no clico da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas na bula/ rótulo.
- Sempre consultar um profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.