Bula Decis 200 SC - Bayer

Bula Decis 200 SC

Deltamethrin
6198
Bayer

Composição

Deltametrina 200 g/L

Classificação

Inseticida
4 - Produto Pouco Tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Contato, Ingestão

Frasco plástico/PET/COEX de: 100 ml, 250 ml, 500 ml e 1 L. Bombona plástica de 5 L.

INSTRUÇÕES DE USO
MODO DE APLICAÇÃO:
O produto deverá ser diluído em água nas dosagens recomendadas e aplicado em cobertura total das plantas.
ÉPOCA DE APLICAÇÃO:
(Bicudo)
- Iniciar o tratamento quando o ataque atingir 10% dos botões florais. (Lagarta-das-maçãs);
- Iniciar o tratamento quando as lagartas atingirem nível de 10% sobre a cultura.
EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:
Deve ser aplicado com pulverizador terrestre, do tipo costal manual, motorizado ou tratorizado de barras equipadas com bico tipo cone. O tamanho da gota deve ser de 400 - 600 micra e a densidade da gota de 20 a 50 gotas/cm².
LIMITAÇÕES DE USO:
Não utilizar como inseticida aquático, bem como misturar com produtos de reação alcalina.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão: 7 dias
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS TRATADAS:
Intervalo de reentrada para todas as culturas é de 24 horas. Mantenha afastados da área de aplicação: crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas. Caso necessite entrar na área tratada antes de 24 horas ou se as partes tratadas estiverem úmidas, use macacão e avental impermeáveis, luvas e botas de borracha, chapéu impermeável de abas largas, máscara com filtro de carvão ativado, óculos protetores.
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL:
Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação, utilize os EPIs (Equipamento de Proteção Individual) macacão com mangas compridas, chapéu impermeável de abas largas, óculos protetores, luvas e botas de borracha e máscara protetora provida de filtro adequado.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.