Bula Deoro

acessos
Flumetralin
4911
Luxembourg

Composição

Flumetralina 125 g/L Dinitroanilina

Classificação

Regulador de crescimento
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico, Regulador de crescimento
Fumo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Não classificado
(Não classificado)
3 a 4 L p.c./ha 250 L de calda/ha - Realizar somente uma aplicação por safra. Uso não alimentar. Imediatamente após o desbrote ou capação que normalmente ocorre no estado de botões alongados, na abertura dos primeiras folhas

Conteúdo: 1; 5; 10; 20; 100; 200; 500; 1.000 e 2.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO:

DEORO® é um regulador de crescimento com ação anti-brotante recomendado especificamente no tratamento da cultura do fumo (Nicotiana tabacum L.).
DEORO® possui efeito sistêmico local, atuando no mecanismo que envolve a inibição do crescimento celular dos botões axiais na cultura do fumo tanto do tipo curado, como do tipo galpão, nas variedades Amarelinho, Burley,Galpao comum e Virginia.

CULTURA, DOSES, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

Vide seção "Indicações de uso/doses".

MODO/ EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO:

A aplicação de DEORO® é realizada através do sistema de campanula, possibilitando o tratamento das plantas de fumo individualmente. Para melhor eficiência do produto, recomenda-se utilizar 250 litros de calda/ha ou 15 mL/planta, para um estande de 16.666 plantas/ha. Para culturas vigorosas, recomenda-se utilizar quantidade maior de calda, garantindo que as axilas das plantas sejam tratadas.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

FUMO: UNA*

*UNA: USO NAO ALIMENTAR

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:

Não entre na área em que o produto foi aplicado por um periodo mínimo de 24 horas após a aplicação. Caso necessite de entrar antes desse período, utilize as equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO:

- Não aplicar DEORO e em dias em mistura com outros agrotóxicos.
- DEORO ® não deve ser aplicado em plantas murchas.
- DEORO ® não deve ser aplicado até 24 horas após a capação.
- DEORO ® não dever ser aplicado em brotos maiores que 2,5 cm de comprimento, as quais deverão ser eliminados previamente a aplicação.
- DEORO ® não deve ser aplicado em plantas muito inclinadas que impeçam seu fluxo até a última axila.
- Em caso de aplicação antecipada de DEORO ® ao estadio recomendado, poderá ocorrer deformação temporaria das folhas jovens da parte superior das plantas.
- Evite aplicação DEORO em dias nublados ou com prenúncio de chuvas, com um
período mínimo de 2 horas após a aplicação.
- Os usos do produto DEORO ® estão restritos aos indicados no rótulo e bula.

FITOTOXICIDADE: Quando este produto for utilizado nas doses e modo de aplicações recomendadas, nao causará danos a cultura indicada, não apresentando efeito fitotóxico.

ANTES DE USAR, LEIA COM ATENÇÃ0 AS INSTRUÇÕES.

PRODUTO PERIGOSO.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃ0 INDIVIDUAL COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:

- Produto para uso exclusivamente agrícola.
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
- Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
- Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
- Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
- Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
- Não desentupa bicos, orifícios a válvulas com a boca.
- Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAcA0 DA CALDA :

- Produto extremamente irritante para os olhos.
- Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente urn serviço médico de emergência.
- Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
- Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
- Manuseie o produto em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:

- Evite o máximo possivel o contato com a área tratada.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
- Verifique a direção do vento e aplique de modo a não entrar na névoa do produto.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas.
- Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2; óculos de segurança com proteção lateral touca árabe e luvas de nitrila.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:

- Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA" e manter os avisos ate o final do período de reentrada.
- Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
- Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas inda vestidas para evitar contaminação.
- Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
- Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
- Troque e lave as suas roupas de proteção separadamente das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do
produto.
- Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
- Não reutilizar a embalagem vazia.
- No descarte de embalagens, utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão com tratamento hidrorrepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.

Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não de nada para beber ou comer.

Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.

Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.

Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado, a pessoa qua ajudar deve proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

INTOXICAÇÕES POR DEORO

FLUMETRALINA (Flumetralin) + HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS

INFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo Químico: Flumetralina...........Dinitroanilina
Outros...................Hidrocarbonetos aromaticos

Glasse toxicológica: Classe I — EXTREMAMENTE TÓXICO

Vias de exposição: Oral, dérmica, ocular e inalatória.

Toxicocinética: Flumetralina: não disponível.
Hidrocarbonetos aromáticos: estudos conduzidos em ratos mostraram que os produtos pertencentes ao grupo dos hidrocarbonetos aromáticos são bem absorvidos através da via inalatória, atravessam facilmente membrana alveolar e, rapidamente (em minutos), atingem o sistema nervoso central (SNC). A eliminação destes solventes, tanto em animais como no homem, ocorre principalmente pelo trato respiratório. Em caso de ingestão, a eliminação ocorre principalmente através das fezes.

Mecanismos de toxicidade: Flumetralina: não se conhece o mecanismo de toxicidade específico
para humanos age como inibidor do crescimento nas plantas e nos protozoários, não ativo em fungos ou vertebrados.
Hidrocarbonetos aromáticos: são depressores do SNC. Devido a sua volatilidade e ao respirar seus vapores, os solventes penetram através das vias respiratórias e podem chegar até os tecidos e órgãos mais receptivos. Se ocorrerem derrames ou respingos, as solventes podem entrar em contato com as mãos do trabalhador ou impregnar suas roupas e, assim, penetrar através da pele. Se o trabalhador fuma ou come no local de trabalho, pode acontecer uma intoxicação por ingestão, embora menos frequente. Podem induzir anemia aplástica pela ação conjunta dos metabólitos nas células-tronco progenitoras, nos pronormoblastos e normoblastos, inibindo a maduração e a amplificação. Os metabólitos também inibem a função das células do estroma, necessárias para o crescimento, diferenciação e maturação das células da medula óssea. 0 mecanismo de indução de leucemia e menos entendido. Os metabólitos não funcionam como mutagenos, porém são altamente clastogênicos e produzem aberrações cromossômicas, troca de cromátides irmãs e indução de micronúcleos. Devido as propriedades lipofílicas, alguns hidrocarbonetos agem interferindo com a integridade da membrana celular, responsável pelos efeitos irritantes e alteração das funções neuronais. Os efeitos neurológicos podem estar associados à alteração das membranas celulares afetando assim a transmissão dos impulsos nervosos. Outro mecanismo proposto é que altas concentrações dos solventes no SNC poderiam incrementar a liberação de GABA e/ou estimular a função do receptor do GABA.

Sintomas e sinais clínicos: Flumetralina: nas intoxicações agudas em humanos foram relatados: náuseas, vômitos e exantema. Tem potencial de sensibilização dérmica e de irritação ocular.
Hidrocarbonetos aromáticos: pacientes com doenças respiratórias dérmicas constituem a população de maior risco na exposição aguda. Inalação: altas concentrações de vapor/aerosol irritam os olhos e as vias respiratórias com exacerbação de doenças pré-existentes. Há relatos de indução de asma em trabalhadores expostos cronicamente. Pode causar transtornos no SNC (cefaléia, vertigem, efeitos anestésicos, sonolência, confusão, perda de consciência, convulsões) e arritmias cardíacas. Altas doses podem levar a óbito.
ingestão: estes produtos são pobremente absorvidos pelo trato o gastrointestinal e não causam toxicidade sistêmica importante por esta via de exposição. Caso pequenas quantidades do produto atinjam sistema respiratorio durante a ingestão ou vômito, poderá ocorrer pneumonia, progredindo, em alguns casos, até o óbito.
Contato dérmico: irritação e dermatite de intensidade leve.
Contato ocular. levemente irritante, não causa lesões no tecido ocular.
Exposição crônica: os hidrocarbonetos aromáticos constantes na formulação causam anemia,pancitopenia, hemorragias graves também pode afetar o sistema imune incrementando a probabilidade infecção. Algumas mulheres que foram expostas muitos meses tiveram transtomos menstruais e diminuição no tamanho dos ovários. Tem potencial carcinogênico em humanos (leucemia ou câncer dos órgãos formadores de sangue). A exposição inalatória prolongada é associada dano no SNC, coração, fígado, pulmão e rins. Sequelas crônicas como debilidade muscular, ulcerações nasais, epistaxe recorrente, rinite crônica, anormalidades neuropsiquiátricas, sintomas gastrointestinais neuropatias periféricas. Inalação de altas doses durante a gestação pode resultar em defeitos congênitos e retardo mental.

Diagnóstico: 0 diagnóstico é estabelecido pela confirmação da exposição e de quadro clínico compatível.
• Obs: Em se apresentando sinais e sintomas indicativos de intoxicação aguda, trate o paciente imediatamente.


Tratamento: Antídoto: não há antídoto específico.
Tratamento: as medidas gerais devem estar orientadas a remoção da fonte de exposição ao produto, descontaminação do paciente; proteção das vias respiratórias para evitar aspiração de conteúdo gástrico, tratamento sintomático e de suporte.
• Os solventes constantes na formulação podem representar maior toxicidade aguda do que o próprio ingrediente ativo, especialmente quando inalados em grandes quantidades.
Exposição Oral.
Em casos de ingestão de grandes quantidades do produto:
• Lavagem gástrica: na maioria dos casos não é necessário, dependendo da quantidade ingerida, tempo de ingestão e circunstância.
1. Considere logo após ingestão de uma grande quantidade do produto potencialmente perigosa a vida (até 1 hora). Atentar para nível de consciência e proteger as vias aéreas em posição de Trendelenburg e decubito lateral esquerdo ou por intubação endotraqueal.
2. Contra-indicações: perda de reflexos protetores das vias respiratórias ou nível diminuido de consciência em pacientes não intubados; após ingestão de produtos corrosivos; hidrocarbonetos (elevado potencial de aspiração); risco de hemorragia/perfuração gastrointestinal e ingestão de quantidade não significativa.
• Carvão ativado: se liga a maioria dos agentes tóxicos e pode diminuir a absorção sistêmica deles, se administrado logo após a ingestão (< 1 hora).
1. Dose: suspensão de carvão ativado em água (240 ml de agua/30 g de carvão). Dose usual: 25-100 g em adultos / adolescentes, 25-50 g em crianças de (1-12 anos) e 19/kg em crianças < 1 ano;
2. Não atua com metais ou ácidos e bases fortes, nem com substâncias irritantes, quando pode dificultar a endoscopia.
• Não provocar vômito, caso ocorra espontâneamente não deve ser evitado; deitar o paciente de lado para evitar que aspire resíduos.
• Convulsões: indicado benzodiazepinicos IV (Diazepam (adultos: 5- 10 mg; crianças: 0,2-0,5 mg/kg, e repetir a cada 10-15 minutos) ou Lorazepam (adultos: 2-4 mg; crianças: 0,05-0,1 mg/kg). Considerar Fenobarbital ou Propofol se há recorrência das convulsões em > 5 a.
• Emergência, suporte e tratamento sintomático: manter as vies aéreas permeáveis, se necessário através de intubação oro-traqueal, aspirar secreções e administrar oxigênio. Atenção especial para fraqueza de musculatura respiratória, parada respiratória repentina, hipotensão e arritmias. Uso de ventilação assistida se necessário; PEEP pode ser requerido. Manter temperatura corporal. Tratar pneumonite e coma. Monitorar oxigenação (oximetria ou gasometria), eletrólitos, uréia, creatinina. ECG, radiografia de tórax, etc.
• Manter observação por no mínimo 24 horas após o desaparecimento dos sintomas.
Exposição Inalatória : Remova o paciente para um local arejado. Cheque pneumonia. Administre oxigênio e auxilie na ventilação, se necessário. Trate broncoespasmos com beta-2-agonistas via inalatória e corticosteróides via oral ou parenteral.
Exposição Ocular: Lave os olhos expostos com quantidades copiosas de águe ou salina a 0,9% a temperatura ambiente por pelo menos 15 minutos. Se os sintomas persistirem, o paciente deve ser encaminhado para tratamento específico.
Exposição Dermica: Remova as roupas contaminadas e lave a área exposta com água e sabão. 0 paciente deve ser encaminhado para tratamento.específico se a irritação ou dor persistir.
CUIDADOS para os prestadores de primeiros socorros:
• EVITAR aplicar respiração boca a boca caso o paciente tenha ingerido o produto; utilizar Ambú para realizar o procedimento.
• Usar PROTEÇÃO: para evitar contata cutâneo, ocular e inalatório com o produto durante o processo.

CONTRA-INDICAÇÕES: A indução do vômito é contra-indicada em razão do risco de aspiração e de pneumonite química.

Efeitos sinérgicos: Sinergia dos efeitos tóxicos entre os solventes da formulação e com outros solventes.

ATENÇÃ0: Ligue para o Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 para notificar o caso e
obter informações especializadas sabre o diagnóstico e tratamento.
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica
RENACIAT — ANVISA/MS
Notifique ao sistema de informação de agravos de notificação
(SINAN / MS)
Telefone de Emergência da empresa: (11) 5090-6633

Mecanismo de Ação, Absorção e Excreção para Animais de Laboratório: Vide itens Toxicocinética e Mecanismos de toxicidade no quadro acima.

Efeitos Agudos e Crônicos para Animais de Laboratório:
Efeitos Agudos (Resultante de ensaios com animais — Produto Formulado): Toxicidade oral aguda para ratos (DL50 Oral): > 2000 mg/kg/peso corpóreo. Toxicidade cutânea aguda para ratos (DL50 Dérmica): > 4000 mg/Kg
Toxicidade inalatória aguda para ratos (CL50 Inalatoria): > 6,56 mg/L de ar em 4 horas de exposição.
Irritacao dérmica: nos estudos realizados, o produto mostrou-se irritante a pele de coelhos, causando eritema e edema durante 14 dias.
Irritação ocular: nos estudos realizados em coelhos, o produto mostrou-se extremamente irritante aos olhos, causando opacidade de córnea, hiperemia da conjuntiva, edema e irite em todos as animais testados. As lesões regrediram em até 21 dias.
Sensibilização dérmica: o produto mostrou-se não sensibilizante a pele de cobaias.

Efeitos crônicos:Flumetralina: em estudos crônicos com animais foi observada irritação dérmica em todas as doses. Não houve efeitos em ratos expostos a inalação de fumaça de cigarros tratados com flumetralina. Quando administrado cronicamente a cães foram observados efeitos tóxicos (perda de peso, diminuição do consumo da dieta, febre, desidratação, depressão, óbito) nas doses mais altas. Um cão também morreu a doses moderadas. Estudos em coelhos mostraram incremento na incidência de abortos e alterações esqueléticas (fusão de ossos ausência de ossificação, etc.) a doses de 100 a 200 mg/kg/dia. Em ratos, houve incremento na incidência de malformações esqueléticas a doses de 400 mg/kg/dia. Toxicidade materna ocorreu nas mesmas doses em ambas as espécies, indicando que esses efeitos não são, causadas diretamente pela Flumetralina, mas secundários a toxicidade materna. Toxicidade reprodutiva não foi observada em ratos. Diminuição no peso foi observada em filhotes a altas doses. Ligeira diminuição do peso durante a gestação e lactação foi observada a doses menores e altas. Não há evidências de efeitos mutagênicos ou carcinogênicos.
Hidrocarbonetos aromáticos: estudos em animais tem mostrado baixo peso ao nascer, retardo na formação óssea e lesão na medula óssea quando as fêmeas grávidas foram expostas a inalação de benzeno. 0 benzeno também tem mostrado ser carcinogênico para múltiplos órgãos em animais. 0 ponto crítico da toxicidade crônica do xileno são os efeitos sobre a reprodução e o desenvolvimento. Em animais de experimentação o xileno produz incremento na frequência de abortos a doses não tóxicas maternas e foi embriotóxico, fetotóxico e possivelmente teratogênico a doses tóxicas materna produzindo: incremento no peso hepático materno, abortos, malformações e diminuição de peso fetal, incremento na
incidência de fenda palatina nos filhotes e óbitos.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PR0TEÇÃ0 AO MEIO AMBIENTE:

- Este produto é: Muito perigoso ao Meio Ambiente - Classe II
- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos.
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃ0 E PREVENÇÃ0 CONTRA ACIDENTES:

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- 0 local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- 0 local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver ernbalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa LUXEMBOURG BRASIL COM. DE PRODUTOS QUÍMICOS LTDA — telefones de Emergencia: (0XX11) 5096- 6633 ou (0XX11) 7144-1230.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão imperrneável, luvas e botas de PVC, óculos protetor e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. 0 produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante, através do telefone indicado no rótulo, para a sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d'agua: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o Orgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, DE CO2 ou PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO,
TRANSPORTE E DESTINAÇÃ0 DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃ0 OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

LAVAGEM DA EMBALAGEM

Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's - Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.

Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se as seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa a embalagem ate 1/4 do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir Os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar as seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sabre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem e dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens nao lavadas.
0 armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo da chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃ0 DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto nao tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas,
medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM RÍGIDA NÃO LAVAVEL

ESTA EMBALAGEM NÃ0 PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

0 armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obligatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto nao tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até seis (6) meses após o término do prazo de validade.
0 usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

0 armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até urn ano da data da compra, O obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

TRANSPORTE

As embalagens vazias nao podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos Orgãos competentes.

PROIBIDO AO USUARIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU 0 FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE 0 MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS

A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto e feita atraves de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por Orgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:

0 transporte esta sujeito as regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação especófica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU DO MUNICÍPIO:

De acordo com as recomendações aprovadas pelos orgãos responsáveis.

Faça o preparo do solo para o plantio e execute as operações de cultivo de modo a diminuir a infestação de plantas daninhas e sua disseminação.

Informação inexistente na bula.