Bula Fenix

acessos
Carbosulfan
1092
FMC - Campinas

Composição

Carbosulfano 250 g/L Metilcarbamato de benzofuranila

Classificação

Inseticida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não Classificado
Não Classificado
Suspensão Concentrada para Tratamento de Sementes (FS)
Sistêmico
Arroz Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
2 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cigarrinha das pastagens
(Deois flavopicta)
2 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim
(Procornitermes triacifer)
1,5 a 2 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim chato
(Cornitermes snyderi)
1,5 a 2 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim de montículo
(Syntermes molestus)
1,5 a 2 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Broca do colo
(Elasmopalpus lignosellus)
2,4 a 2,8 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cigarrinha das pastagens
(Deois flavopicta)
2,4 a 2,8 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim
(Procornitermes triacifer)
2 a 2,8 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim chato
(Cornitermes snyderi)
2 a 2,8 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Cupim de montículo
(Syntermes molestus)
2 a 2,8 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Piolho de cobra
(Julus sp)
0,75 a 1 L p.c./100 kg de sementes - - - Não determinado. Tratamento de sementes

Embalagem: 1, 5, 20, 50 e 100 L.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
O tratamento de sementes é feito antes do plantio.

MODO DE APLICAÇÃO: O produto destina-se ao tratamento de sementes exclusivamente para o plantio. É aplicado diretamente sobre as sementes através de máquinas específicas para tratamento de sementes, betoneiras ou tambores rotativos. Em todos os casos, agitar bem o produto antes de usar.
As máquinas específicas para tratamento de sementes contam com as seguintes características: dosificação simultânea de produtos e sementes. Tanque reservatório próprio para o produto. Alimentação contínua e mecânica. Secagem interna. Descarga de sementes tratadas diretamente em sacaria. Para o tratamento em betoneiras ou tambores rotativos, colocar as sementes até 2/3 do tambor adicionando o produto na dose recomendada. Tampar e acionar o equipamento por 3 a 5 minutos até obter uma distribuição homogênea sobre a superfície das sementes. Retirar as sementes e secá-las à sombra.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Não especificadopor referir-se a tratamento de sementes.

LIMITAÇÕES DE USO: Não há.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utiliza equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO E APLICAÇÃO PROPRIAMENTE DITA: Use protetor ocular. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente. Veja PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Produto perigoso se inalado ou aspirado. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e veja PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada. Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. O produto produz neblina; use máscara cobrindo o nariz e a boca. Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilizar a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho , lave e troque suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Provoque vômito e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Não dar nada via oral, nem induzir vômito a uma pessoa inconsciente. Olhos: Lave com água em abundância e procure o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água e sabão em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: Procurar local arejado e ir ao médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO (INFORMAÇÕES PARA USO MÉDICO): Atropina é antídoto de emergência em caso de intoxicação. nunca administre atropina antes do aparecimento dos sintomas de intoxicação. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para a assistência médica mais próxima.SULFATO DE ATROPINA: Aplicar pelas vias intramuscular ou intravenosa (eventualmente também via oral), 1 a 6 mg cada 5 a 30 minutos, até atropinização leve.

CONTRA INDICAÇÕES: oximas (contrathion), morfina, aminofilina, tranquilizantes.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: O carbosulfan, pertencendo ao grupo dos N-metil carbamatos , age como inibidor da colinesterase. Esta inibição, ao contrário daquela causada pelos organofosforados, é reversível, e os efeitos do CARBOSULFAN não são cumulativos, ou seja, não ocorre depressão crônica da colinesterase resultante de exposições repetidas ao produto. A principal via de absorção é a dérmica. É rapidamente metabolizado e excretado principalmente pela urina. A duração do intervalo entre exposição e o aparecimento de sinais e sintomas está relacionada com a dose. Pode variar de alguns minutos a uma hora. A duração dos sintomas, que corresponde a metabolização do produto também depende da dose . Em casos de intoxicação moderada, a recuperação expontânea ocorre entre 1 e 4 horas.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: Os efeitos agudos (sintomas de alarme) são aqueles causados pela inibição da colinesterase, ou seja, dor de cabeça, náuseas, tonturas e posteriormente constrição das pupilas, tremores, salivação e transpiração excessivas, cólicas abdominais, diarréia e vômitos. Como dito anteriormente, os efeitos de CARBOSULFAN não são cumulativos, pois a depressão de colinesterase é reversível (6 a 24 horas). O CARBOSULFAN não tem demonstrado nenhum potencial neurotóxico, mutagênico, teratogênico ou carcinogênico.

EFEITOS COLATERAIS: Por não ser o produto de finalidade terapêutica, não há como caracterizar seus efeitos colaterais.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS: Este produto é MUITO PERIGOSO ao meio ambiente. Este produto é altamente tóxico para aves, organismos aquáticos e minhocas. Evite a contaminação ambiental - PRESERVE A NATUREZA. Não utilize equipamento com vazamentos. Utilize somente as doses recomendadas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e resto de produto - siga as instruções constantes no item Destinação Adequada de Resíduos e Embalagens. Em caso de acidentes, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE TRANSPORTE: A carga deve ser identificada como tóxica. Não deve ser misturada com alimentos, bebidas, animais e outros produtos de utilização do homem. Evitar danos nas embalagens. Ventilar completamente todos os veículos de transporte antes de descarrega. Carregar sempre EPI (equipamento de proteção individual) para casos de acidente, seguindo as instruções da ficha de emergência.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto na sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC com mangas compridas, chapéu impermeável de abas largas, luvas e botas de borracha, óculos protetores, e máscara protetora especial provida de filtro adequado ao produto). Isole e sinaliza a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de água naturais, siga as instruções: Piso pavimentado: absorva o produto derramado com terra ou areia ou outro material absorvente. Recolha esse material com auxílio de uma pá e coloque em tambores ou recipientes devidamente identificados. Remova para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água. Desativação com soluções de hidróxido de sódio, hidróxido de cálcio ou carbonato de cálcio (gesso). Solo: retire as camadas de terra contaminada até que atinja o solo seco. Misturar 5,5 kg de cal ou 5,5 litros de soda cáustica para cada 5 litros de produto. Corpos d'água : interrompa imediatamente o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade de produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de espuma, CO2, pó químico ou água, ficando a favor do vento para evitar intoxicação. Ao usar água, faça covas ao redor do incêndio para conter a contaminação. Usar máscara autônoma, pois este produto emana gases tóxicos.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: Esta embalagem não pode ser lavada. Armazenamento da embalagem vazia. O Armazenamento da embalagem vazia, até a devolução nas Unidades de Recebimento, deve ser em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva, com piso impermeável, no próprio local das embalagens cheias. Use luvas no manuseio desta embalagem. Esta embalagem vazia deve ser armazenada sua tampa, separada das lavadas, e em caixa coletiva quando existente e ser encaminhada para a Unidade de Recebimento.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA: É obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal emitida no ato da compra. A devolução deve ser feita no prazo de até um ano da data da compra ou, até o prazo de validade do produto. O usuário deve guardar o comprovante de devolução pelo prazo mínimo de um ano.

TRANSPORTE: As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. O transporte desta embalagem vazia, de agrotóxicos, seus componentes e afins e sobras de produtos, está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS: A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes. É proibida ao usuário a reutilização e a reciclagem desta embalagem vazia ou o fracionamento e reembalagem deste produto.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTE DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS: A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

CUIDADOS COM AS SEMENTES TRATADAS: As sementes tratadas devem ser usadas somente para o plantio. São impróprias para o consumo humano ou animal. As sementes tratadas não devem ficar expostas a crianças, animais domésticos, pássaros e pessoas irresponsáveis. Não armazene as sementes junto com os produtos de consumo humano ou animal. Destrua os sacos vazios utilizados no armazenamento das sementes tratadas, conforme descrito no item "Destino final de resíduos e embalagens". As sementes tratadas não podem ficar descobertas no plantio. São tóxicas para pássaros e outros animais.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle cultural, biológico, etc.) dentro do Programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas.
Qualquer produto para o controle de insetos da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecultivas da mesma praga.
Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
Sempre consultar um Engenheiro Agrõnomo para direcionamentosobre recomendações locais sobre o MRI.