Bula Folpan Agricur 800 WG

acessos
Folpete
6403
Adama

Composição

Folpete 800 g/kg Dicarboximida

Classificação

Fungicida
I - Extremamente tóxica
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Contato

Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Podridão penducular
(Diaporthe citri)
150 a 200 g p.c./100 L de água 2000 L de calda/ha - Fazer aplicações com intervalos de 14 dias. 7 dias. Aplicar preventivamente
Melão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
175 a 200 g p.c./100 L de água 500 L de calda/ha - Fazer aplicações a cada 7 dias. 1 dia. Aplicar preventivamente

Frascos plásticos, sacos aluminizados e sacos plásticos, com ou sem embalagem interna de plástico hidrossolúvel com capacidade para 100, 200, 250, 500 g; 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8, 10, 12, 15, 16, 18, 20, 24, 25, 30, 50 Kg;
Barricas ou container de papelão ou plástico endurecido coex ou monocamada revestido com plástico ou epóxi, com capacidade para 10, 15, 20, 24, 25, 30, 50, 100, 150, 200, 250, 300, 350, 400, 450, 500 Kg;
Bombonas plástica coex ou monocamada com capacidade para 5, 10, 15, 20 e 25 Kg.

INSTRUÇÕES DE USO:

O FOLPAN AGRICUR 800 WDG é um fungicida com modo de ação de contato, recomendado para o controle de doenças nas culturas do citros e melão.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

- Número de aplicações: Fazer as aplicações quanto forem necessárias conforme o ciclo da cultura, visto que o modo de ação do produto é por contato e na medida em que a planta for crescendo ou emitindo novas folhas, ramos e frutos, estes estarão desprotegidos, necessitando, portanto, nova aplicação. Outro fator importante a ser considerado para a reaplicação é a incidência de chuvas fortes, pois causa a lavagem do produto das plantas.
Para citros fazer no máximo 3 (três) aplicações e para o melão fazer no máximo 5 (cinco) aplicações.

- Intervalo entre aplicações: Fazer aplicações com intervalos de 14 dias na cultura de citros e a cada 7 dias na cultura do melão.

- Época de aplicação: O produto deve ser aplicado preventivamente, ou seja, quando as condições climáticas de temperatura e umidade forem favoráveis ao aparecimento da doença. As condições que favorecem o surgimento da doença são as seguintes:
Citros: períodos longos de umidade livre sobre as folhas, frutos e ramos (8-10 horas), temperaturas de 25 a 30º C e presença de ramos mortos nas plantas e sobre o solo que proporcionam uma alta concentração de inóculo. A melanose ocorre principalmente em folhas, ramos e frutos novos que possuem tecidos tenros, sendo, portanto, no florescimento e brotação a época que deverá ser aplicado o produto.
Melão: períodos de alta umidade e temperaturas entre 19 e 26º C favorecem o aparecimento da doença em torno de uma semana após a infecção, que tem como fonte de inóculo o solo e outras plantas infectadas vivas ou mortas.

MODO DE APLICAÇÃO:

1 – Preparação da calda:

O FOLPAN AGRICUR 800 WG apresenta-se sob a formulação de grânulos dispersíveis em água e, deve-se inicialmente fazer uma diluição prévia em um balde apropriado, com água (4 a 5 litros de água), mexer vigorosamente com uma espátula ou pedaço de madeira limpo até ocorrer a total dispersão do produto. Após este procedimento, colocar esta solução dentro do pulverizador e completar com água até o volume desejado.

2- Aplicação e volume de calda:

O FOLPAN AGRICUR 800 WG deve ser aplicado através de pulverização, utilizando a água como veículo. Para cultura de melão utilizar até 500 litros de calda/ha; para citros utilizar 2000 litros de calda/ha. Seguir as recomendações técnicas, sempre sob orientação de um Engº. Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:

Citros 7 dias
Melão 1 dia

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

24 horas após a aplicação, caso necessário reentrar nas lavouras ou áreas tratadas antes deste período, usar macacão de mangas compridas, luvas e botas.

LIMITAÇÕES DE USO:

- Quanto à época de aplicação: O produto deve ser aplicado preventivamente ao aparecimento dos sintomas da doença. Iniciar as aplicações quando ocorrer condições climáticas propícias ao desenvolvimento dos fungos.

- Quanto à fitotoxicidade: Nas doses recomendadas o produto não é fitotóxico a nenhuma das culturas indicadas.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
De acordo com o item “DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO HUMANA”.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS: Citros: O produto pode ser aplicado através de atomizadores tratorizados, providos de bicos da série D2 com difusor nº 25, com peneiras nº 100, e pressão de 150 lib/pol2 ou pistolas ou ainda atomizadores costais. Recomenda-se uma velocidade de deslocamento do equipamento de 4 a 6 km/hora.

Melão: O produto deve ser aplicado através de pulverizadores providos de barra ou atomizadores costais e tratorizados utilizando preferencialmente pontas de pulverização (bicos) do tipo cônico cheio ou vazio, com uma vazão de 500 l/ha. Recomenda-se uma velocidade de deslocamento do equipamento de 4 a 6 km/hora.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.
PRECAUÇÕES GERAIS:
- Produto para uso exclusivamente agrícola.
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
- Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.
- Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos e luvas
- Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
- Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
- Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
- Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.
PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
PRODUTO IRRITANTE OCULAR
- Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência. - Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
- Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; touca árabe,máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2); óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
- Manuseie o produto em local aberto e ventilado.
PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
- Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; touca árabe, máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2); óculos de segurança com proteção lateral e luvas de nitrila.
Precauções após Aplicação:
- Não reutilize a embalagem vazia.
- Sinalizar a área tratada com os dizeres: "PROIBIDA A ENTRADA. ÁREA TRATADA" e manter os avisos até o final do período de reentrada.
- Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
- Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPIs), lave as luvas calçadas para reduzir o risco de exposição acidental.
- Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
- Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
- Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
Fique atento ao tempo de use dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.
PRIMEIROS SOCORROS: procure logo o serviço medico de emergência levando a embalagem, r6tulo, bula ou receituário agronômico do produto.
Ingestão: Se engolido, não provoque vomito, caso o vomito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dá nada para beber ou comer.
Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente pelo durante menos 15 minutos.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
Inalação: Se o produto for inalado ("aspirado"), leve a pessoa para urn local aberto e ventilado.
ANTIDOTO: NIA° EXISTE ANTIDOTO ESPECEFICO.
MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO:
Os camundongos eliminaram mais rapidamente e uma maior fração do material radiomarcado do trato gastrintestinal do que os ratos. O tempo de trânsito no trato gastrintestinal (do estômago ao ceco) foi de 2 horas nos camundongos e de 4 a 6 horas nos ratos, sendo nos camundongos observada também maior taxa de esvaziamento gástrico (dose de 50 ppm).
Biotransformacão:. Em ratos duas horas após a última administração de Folpete o ácido dissulfônico foi o principal metabólito detectado no duodeno, estando também presentes o tiofosgeno conjugado com glutationa e a tiazolidina. Na amostra de 4 horas, o ácido dissulfónico ainda estava presente, entretanto, o metabólito tiazolidina não foi mais detectado. Camundongos: Os metabólitos detectados foram os mesmos observados em ratos, porém a tiazolidina permaneceu por mais tempo nas amostras do trato gastrintestinal, indicando que em camundongos a conjugação com glutationa é a principal forma de detoxificação do metabólito ativo do folpet (tiofosgeno). Nos camundongos foi detectada menor quantidade de material na forma inalterada, quando comparado com os ratos.
Distribuirão: Em ambas as espécies foi detectado 1 a 3% de material radiomarcado nos tecidos do trato gastrintestinal. Na dose de 5000 ppm a maior parte do folpet na forma inalterada foi detectada no ceco de camundongos e no estômago de ratos.
Excreção: A excreção urinária (24 h) foi de 41,8% (dose 50 ppm) e de 51,5% (dose 5000 ppm) em ratos e de 59,1% (dose de 50 ppm) e de 44,3% (dose 5000 ppm) em camundongos. Excreção biliar foi de 2% em ratos e < 0.1 % em camundongos. A excreção fecal demonstrou que, na maior dose, os camundongos excretaram cerca de 5 vezes mais do que os ratos. O ácido dissulfônico foi o principal metabólito detectado na urina de ratos, enquanto a tiazolidina foi o metabólito predominante na urina de camundongos (dose 5000 ppm). Isso indica novamente a necessidade da utilização da glutationa para eliminação do folpet em camundongos.
EFEITOS AGUDOS E CRONICOS:
Produto irritante ocular, estudo conduzido em coelhos o produto causou opacidade difusa na córnea. inflamação da Iris e moderada irritação da conjuntiva, reversível e 7 dias.
Em estudos com animais de laboratório, foi observado DL 50 oral e der-mica em ratos major que 2000 mg/kg. E irritante para olhos de coelhos e levemente irritante para a pele.
Em estudo de sensibilidade em cobaias o produto causou sensibilidade em 100% dos animais.
Em exposição prolongada repetida para a pele causa dermatite, enquanto exposição prolongada para os
olhos pode causar conjuntivites. Em estudo de 90 dias em ratos, foi observado diminuição de proteínas
totais no sangue, inclusive albumina. Em altas doses, animais de laboratório exibem hipotermia,
irritabilidade, anorexia, diminuição dos reflexos, oligúria e posteriormente glicosúria e hematúria.

DADOS RELATIVOS A PROTECAO DO MEIO AMBIENTE:
PRECAUCOES DE USO E ADVERTENCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTECAO AO MEIO AMBIENTE:
Este produto é:

( X ) PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III).

- Este produto a ALTAMENTE TOXICO para Organismos Aquáticos.
- Evite a contaminação ambiental: Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'agua. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇOES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVACAO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeavel.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas nao autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponiveis para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposig6es constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUCOES EM CASO DE ACIDENTES:
- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa FERSOL INDUSTRIA E COMERCIO S.A. — Telefone de Emergência: (11) 4026-6200.
- Utilize equipamento de proteção individual — EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, Óculos protetor e mascara com filtros).
Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
- Piso pavimentado: recolha o material com o auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
- Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
- Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
Em caso de incêndio, use extintores de pó químico seco ou a base de CO2, ficando a favor do vendo para evitar intoxicação. Não é recomendável o uso de água para não espalhar o produto para outros locais.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
- EMBALAGEM FLEXÍVEL
- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas — modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebida, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas — modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
EMBALAGEM SECUNDARIA (NAO CONTAMINADA)
ESTA EMBALAGEM NAO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, ate sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo da chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
E obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
- TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
- DESTINACAO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos Órgãos competentes.
- É PROIBIDO AO USUARIO A REUTILIZACAO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU 0 FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
EFEITOS SOBRE 0 MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINACAO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- PRODUTOS IMPROPRIOS PARA A UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto a feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmara de lavagem de gases efluentes e aprovados por Órgão ambienta competente.
- TRANSPORTE DE AGROTOXICOS, COMPONENTES E AFINS:
0 transporte esta sujeito as regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação especifica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.
- RESTRICOES ESTABELECIDAS POR ORGAO COMPETENTE DO ESTADO, DO DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL:
De acordo com as recomendações aprovadas pelos Órgãos responsáveis.

Outras práticas de controle devem ser aplicadas sempre que disponíveis, visando a proteção das plantas e do meio ambiente. As táticas de controle devem incluir o monitoramento das pragas, o uso correto do produto quanto à época, ao princípio ativo, à dose, ao modo de aplicação e à tomada de decisão, visando assegurar resultados econômicos, ecológicos e sociologicamente favoráveis.

Qualquer produto utilizado no controle de doenças, utilizado de forma inadequada, pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência, visando com isso prolongar a vida útil dos fungicidas e também manter sua performance:
- Fungicidas específicos com o mesmo modo de ação, da mesma classe e com alto risco de resistência em alvos específicos, não devem ser utilizados em aplicações consecutivas no mesmo ciclo da cultura.
- Fazer a alternância e a rotação entre produtos de contato e produtos com modo de ação específico (sistêmicos).
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.