Bula K-Othrine 2P - Bayer

Bula K-Othrine 2P

acessos
Deltamethrin
1497
Bayer

Composição

Deltametrina 2 g/kg Piretróide

Classificação

Inseticida
IV - Pouco tóxico
II - Produto muito perigoso
Não Classificado
Não Classificado
Pó seco (DP)
Contato, Ingestão

Todas Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Quenquém de cisco
(Acromyrmex crassispinus)
10 g / m² - - Após 40-50 dias da aplicação fazer um repasse nos olheiros que apresentarem algum movimento de formigas. Não determinado devido à modalidade de emprego. Aplicar de preferência quando existir no formigueiro movimentos de alimentação
Saúva limão
(Atta sexdens rubropilosa)
10 g / m² - - Após 40-50 dias da aplicação fazer um repasse nos olheiros que apresentarem algum movimento de formigas. Não determinado devido à modalidade de emprego. Aplicar de preferência quando existir no formigueiro movimentos de alimentação

Embalagens: 1, 5, 100, 200, 750 kg.

INSTRUÇÕES DE USO: K-Othrine 2 P é um FORMICIDA UTILIZADO NO CONTROLE DE Atta sexdens rubropilosa (saúva-limão) e Acromyrmex crassispinus (quenquém-de-cisco) EM CULTURAS AGRÍCOLAS.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Época de aplicação: Aplicar de preferência quando existir no formigueiro movimentos de alimentação.

Intervalo de aplicação: Após 40-50 dias da aplicação fazer um repasse nos olheiros que apresentarem algum movimento de formigas.

MODO DE APLICAÇÃO: A aplicação é feita insuflando-se o pó para o interior do formigueiro através de polvilhadeiras , introduzindo-se a mangueira das mesmas o mais profundo possível. Os olheiros devem ser preparados com um dia de antecedência escolhendo-se para aplicação 1/3 dos olheiros ativos do formigueiro, dando preferência para os de alimentação.
Determina-se a área do formigueiro multiplicando-se o maior comprimento pela maior largura do murundum (terra solta).

INTERVALO DA SEGURANÇA: Não determinado devido à modalidade de emprego.

LIMITAÇÕES DE USO: Não utilizar como inseticida aquático, bem como não misturar com produtos que não contemplem essa indicação autorizada nos seus respectivos registros.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use protetor ocular. O produto pode ser irritante para os olhos. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha. Produto é pouco irritante para a pele. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. O produto produz nuvem de pó, use óculos e máscara cobrindo o nariz e a boca. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Provoque vômito, procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: Lave com água em abundância e procure médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água em abundância e se houver irritação procure o médico levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: Procure lugar arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA E ANTÍDOTO: Os sintomas de alarme (intoxicação aguda) incluem: salivação excessiva, depressão, respiração rápida e difícil. Produto hipersensibilizante e irritante das mucosas. Tratamento anti-histamínico e sintomático do colapso.

MECANISMOS DE ABSORÇÃO, EXCREÇÃO E METABOLISMO: Em estudos realizados utilizando-se 3 mg de deltamethrin (via oral) avaliado de acordo com a concentração no plasma, a absorção foi rápida e representa menos de 50% da dose. A meia-vida plasmática foi de 10 a 11,5 horas e a excreção urinária representou mais de 50% da dose ministrada com meia-vida de 10 - 13,5 horas. Os metabólitos excretados pela urina eram derivados dos ácidos m-fenoxibenzóicos e ácidos becistêmicos e não do deltamethrin. O principal caminho de metabolização é a hidrólise de éster e de algumas hidroxilações, ou seja, semelhante à via de degradação encontrada nos mamíferos. Pela pele o produto é pouco absorvido. Por inalação, em ratos, a CL50 inalatória foi maior que 4620 mg/m3 no período de 1 hora de exposição. Nenhuma morte ocorreu nessa concentração que foi mais alta no teste. No ser humano, não há danos quantitativos.

EFEITOS COLATERAIS: Os efeitos mais freqüentes relatados durante a exposição ocupacional consistem em parestesia cutânea: esse efeito é relatado como queimação ou formigamento local passageiro ou como "sensação de estar saindo do frio" ou "urticária", ou em alguns casos como coceira e dormência na pele facial dos lados do queixo ou área periorbital. Esses efeitos na pele sempre foram reportados como completamente reversíveis.
Raros casos de sintomas de irritação do trato respiratório foram reportados.

EFEITOS AGUDOS: K-OTHRINE 2 P é um produto pouco tóxico (DL50 oral para ratos: 2000 mg/kg e DL50 dermal para ratos: acima de 4000 mg/kg, levemente irritante para a pele e não irritante para os olhos).

EFEITOS CRÔNICOS: Testes de reprodução e prole sobre 3 gerações de ratos, nenhum efeito negativo foi observado em administração de 1,5 mg/kg/dia, bem como não mostrou nenhum efeito carcinogênico com a administração de 2,5 e 3,2 mg/kg/dia de deltamethrin para ratos macho e fêmea, respectivamente, durante 2 anos. O produto não é teratogênico nem mutagênico nos testes realizados em ratos.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE. Este produto é muito perigoso ao meio ambiente. Este produto é altamente tóxico a organismos aquáticos. Este produto é altamente biocumulativo para peixes. Este produto é altamente tóxico para abelhas. Evite a contaminação ambiental. Preserve a natureza. Não utilize equipamentos com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou material não comburente. O local deve ser ventilado, seco, coberto e ter piso impermeável. Coloque a placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes, e a Empresa AVENTIS CROPSCIENCE BRASIL LTDA. - Telefone de Emergência: 51 562-1250 (Plantão 24 horas). Utilize EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de água naturais, siga as instruções abaixo:

Piso pavimentado - recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo - retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada;

Corpos d'água - interromper imediatamente o consumo humano e animal e contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido;

Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens deverão ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Observar legislação Estadual e Municipal. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas, consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de Manejo de Resistência a Inseticidas (MRI) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo / bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.