Bula Landrin Pó

acessos
Chlorpyrifos
9698
Landrin

Composição

Clorpirifós 50 g/kg Ectoparasiticidas

Classificação

Inseticida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó seco (DP)
Contato, Ingestão
Todas Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Formiga de monte
(Acromyrmex heyeri)
10 g p.c. / m² - - - Não determinado. Aplicar sempre que for constatada a presença de formigueiros ativos
Formiga de rodeio
(Acromyrmex striatus)
5 a 10 g p.c. / m² - - - Não determinado. Aplicar sempre que for constatada a presença de formigueiros ativos
Quenquém de cisco
(Acromyrmex crassispinus)
30 g p.c. / m² - - - Não determinado. Aplicar sempre que for constatada a presença de formigueiros ativos
Saúva limão sulina
(Atta sexdens piriventris)
5 a 10 g p.c. / m² - - - Não determinado. Aplicar sempre que for constatada a presença de formigueiros ativos

Embalagens: 300, 350, 900, 1000, 1050 e 5000 g.

INSTRUÇÕES DE USO: culturas: o produto é recomendado para controle de formigas cortadeiras (saúvas e quem-quens) em todas as culturas agrícolas.

PRAGAS CONTROLADAS: Acromyrmex striatus (formiga de rodeio, quem-quem), Acromyrmex crassispinus (formiga preta passadeira, quem-quem), Acromyrmex heyeri (formiga de monte, quem-quem) e Alta sexdens piriventris (saúva limão sulina). -

DOSES DE APLICAÇÃO: saúvas: Afta sexdens piriventris (saúva limão rotina): aplicar 5,0 a 10,0 g do produto comercial (0,25 a 0,50 g de ingrediente ativo) por m2 de formigueiro. Quem-quens: Acromyrmex striatus (formiga de rodeio): aplicar 5,0 a 10,0 g do produto comercial (0,25 a 0,50 g de ingrediente ativo) por olheiro em todos os olheiros. Acromyrmex heyeri (formiga de monte): aplicar 10,0 g do produto comercial (0,50 g do ingrediente ativo) por formigueiro (diâmetro médio de 1 m). Acromyrmex crassispinus (formiga preta pastadeira): aplicar 30,0 g do produto comercial (1,50 g do ingrediente ativo) por formigueiro (diâmetro médio de 1 m).

MODO DE APLICAÇÃO: Landrin Pó deve ser aplicado através do uso de bombas Insufladoras manuais ou motorizadas, diretamente nos olheiros dos formigueiros.

Saúvas: para iniciar a aplicação, escolher os olheiros de coleta mais ativos e distantes dos montes de terra solta. Introduzir a mangueira e insuflar o Landrin Pó. Á medida que o pó for saindo pelos demais olheiros, estes devem ser tapados (é importante que o aplicador conte com a ajuda de um auxiliar). Insufla-se o Landrin Pó até que todos ou olheiros do sauveiro sejam atingidos. Se ao final da aplicação restarem olheiros por onde o pó não tenha saído, estes também deverão ser tratados. Quanto maior o sauveiro, maior o número de olheiros que devem servir de casais de abastecimento de pó. É importante testar a vazio da bomba insufladora que será usada, pois há grande variação entre as disponíveis no mercado. Isso é importante para que se tenha certeza de que a quantidade de Landrin Pó aplicada foi suficiente. Algumas vezes é necessário reabrir um ou mais canais para complementar a dose Indicada de produto.

Quem-quens: aplicar o Landrin Pó em todos ou olheiros.

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCAS OU INTERVALOS DE APLICAÇÕES: aplicar sempre que for constatada a presença de formigueiros ativos. Geralmente uma única aplicação de Landrin Pó é suficiente e pode ser realizada em qualquer época do ano, evitando-se os dias chuvosos ou sujeitos á chuva. No caso de controle da formiga saúva limão sulina é recomendado o repasse de 60 dias após a primeira aplicação, quando necessário.

INTERVALO DE SEGURANÇA: não especificado devido à modalidade de aplicação.

INTERVALO DE REENTRADA: não especificado devido a modalidade de uso.

LIMITAÇÕES DE USO: uso exclusivo pata culturas agrícolas. Não aplicar em dias chuvosos ou com ameaça de chuva bem como em solos úmidos. Aplicar o produto diretamente dentro dos olheiros do formigueiro, com bomba insufladora manual ou motorizada. Se o local é freqüentado por animais domésticos, deve-se tomar o cuidado de afastá-los antes da aplicação.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO: o produto deve ser aplicado através de bombas insufladoras, polvilhadeiras manuais ou motorizadas.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: o clorpirifós é rapidamente absorvido, metabolizado e excretado pelos mamíferos. 90% do produto é excretado pela urina e 10% pelas fezes.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: aumento da secreção bronquial, suores excessivos, salivação, lacrimejamento. pupilas dilatadas, broncoconstrição, cólicas abdominais, vômitos e diarréias.

EFEITOS COLATERAIS: dores de cabeça, náuseas e tremores.

PRECAUÇÕES GERAIS: não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto, Não manuseie o produto. com as mãos desprotegidas. Primeiros socorros: ingestão: provoque vômito e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: lave com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: lave com água e sabão em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: procure local arejado e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO MÉDICO: o sulfato de atropina é o antídoto de emergência em caso de intoxicação. Nunca administre sulfato de atropina antes do aparecimento dos sintomas de intoxicação. Administre sulfato de atropina (1-2 mg) no aparecimento dos sintomas de intoxicação e pode-se repetir a administração em caso de secreções excessivas. Descontaminação da pele, estômago e olhos. Cloreto de pralidoxina (1 mg) por infusão intravenosa lenta, se o paciente não responder satisfatoriamente a atropinização. Tratamento sintomático e de suporte. Oxigenoterapia pode ser necessária.

CONTRA-INDICAÇÕES: morfina, aminofilina, tranqüilizantes.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

• Este produto é MUITO PERIGOSO ao meio ambiente.
• Este produto é ALTAMENTE BIOCONCENTRÁVEL em peixes.
• Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para aves.
• Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos.
• E PROIBIDA a aplicação deste produto em áreas alagadas ou sujeitas a
inundação por causar danos ao meio ambiente, quando aplicado nestas condições.
• Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
• Não utiliza equipamentos com vazamentos.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Não lave embalagens em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água.
• Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula.
• Em caso de acidente siga corretamente as instruções constantes na bula. INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO:
• Mantenha o produto em sua embalagem original.
• O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas e outros materiais.
• Coloque placa de advertência com as dizeres: CUIDADO VENENO.
• Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças

PRECAUÇÕES GERAIS

• Nao distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES DE MANUSEIO

• Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
• Use mascara facial cobrindo nariz e boca.
• Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
• Use luvas de borracha.
• Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao abrir a embalagem, faca de a evitar contato manual com o produto. PRECAUOES DURANTE A APLICAÇÃO:
• Use luvas, botas e mascara facial.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
• Não reutilize a embalagem vazia.
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS

• Ingestão:
Provoque vomito e procure logo o medico, levando a embalagem, rotulo, bula ou receituário agronômico do produto.
• Olhos:
Lave com água em abundancia e procure o medico, levando embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
• Péle:
Lave com água e sabão em abundância e procure p medico, levando embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
• Inalação:
Procure local arejado e procure o medico, levando embalagem rótulo, bula ou
receituário agronômico do produto. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial.

ANTÍDOTO:

O Sulfato de Atropina é o antídoto de emergência em caso em caso de intoxicação. Nunca administre Sulfato de Atropina antes do aparecimento dos sintomas de intoxicação.
Contra indicações: Morfina, aminifolina, tranqüilizantes.
TRATAMENTO MEDICO:
• Administração de sulfato de atropina (1-2 mg) no aparecimento dos sintomas de
intoxicação. Pode-se repetir a administração em caso de secreções excessivas.
• Descontaminação da pele , estomago e olhos.
• Cloreto de Pralidoxima (1 mg) por infusão intravenosa lenta, se o paciente nao responder satisfatoriamente a atropinizacao.
• Tratamento sintomático e de suporte. Oxigeno terapia pode ser necessária.

TELEFONE PARA OS CASOS DE EMERGENCIA: CENTROS DE INFORMAOES TOXICOLÓGICAS:
(051)223.6111 RS, (048) 1520 SC,(041)225.7540 PR, (011) 280.9431 SP, (021)290.3344 RJ, (031)239.9308 MG, (067) 787.3333 MS, (065)321.1212 MT, (061)224.2509 DF, (062) 291.4350 GO,(071)231.4343 BA, (085)255.5050 CE, (083)224.6688 PB, (084)223.5050 RN, (092)622.1972 AM.
EMPRESA: (054)330.9600

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

Informação inexistente na bula.