Bula Metarhizium Probio - Probio
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,650 (0,50%)
| Dólar (compra) R$ 5,55 (0,74%)

Bula Metarhizium Probio

Metarhizium anisopliae (Metsch) cepa IBCB 425
8416
Probio

Composição

Metarhizium anisopliae cepa IBCB 425 80 g/kg

Classificação

Terrestre/Aérea
Inseticida microbiológico
4 - Produto Pouco Tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado (GR)
Inseticida microbiológico

Tipo de embalagem: Saco

Material: Plástico de polietileno

Capacidade: 5 Kg

INSTRUÇÕES DE USO

METARHIZIUM PROBIO (Metarhizium anisopliae, isolado IBCB 425) é um agente microbiológico de controle utilizado no controle da cigarrinha-da-raiz (Mahanarva fimbriolata), cigarrinha-das-pastagens; cigarrinha-dos-capinzais (Deois flavopicta) e no controle da cigarrinha-das-pastagens (Zulla entreriana)

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Número de aplicação: Cana-de-açúcar: 2 aplicações por ciclo da cultura
Pastagens: 2 aplicações por ano
Época: Iniciar a aplicação após a detecção da praga (espumas com ninfas na base das touceiras após as primeiras chuvas).
Intervalo de aplicação: 2 aplicações por ciclo de cultura e por ano.

MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

Aplicação terrestre e aérea.
METARHIZIUM PROBIO deve ser aplicado na presença de pragas na forma liquida ou solida. As aplicações na forma líquida deverão ser realizadas através de jato dirigido, e aplicação aérea com o uso de pulverizadores. Já as aplicações na forma sólida (granulado), através de granuladeiras ou de avião, inserindo o produto direto no respectivo equipamento, sem a necessidade de preparação de calda para aplicação. Para aplicação terrestre, a aplicação do produto deverá ser realizada, através da pulverização do mesmo jato dirigido na base das plantas.

Aplicação líquida - (Preparo de calda); O produto deve ser levado ao campo, abrir a embalagem e colocar em uma peneira sobre um balde, com água (pH menor que 7) deve-se fazer a extração dos esporos, após o preparo da pré calda, a mesma é despejada no tanque do pulverizador ou no hopper do avião devidamente limpo. Essa limpeza deve ser feita com água limpa e sabão neutro, longe de rios e nascentes. Completar o tanque com água. Em aplicação terrestre usar um volume de calda de 200L/ha e aplicação aérea 30L/ha.

Aplicação sólida - O produto deve ser colocado no equipamento de aplicação sem nenhum processo de preparo (de forma direta). Na aplicação aérea acoplar na aeronave o equipamento para distribuição do produto (difusor chamado comumente de pé-de-pato, ‘swathmaster' ou similar) que permita regulagem de acordo com a dose (de 8 a 10 kg/ha). Abastecer o reservatório do avião agrícola (hopper) com o produto. A altura do voo deve ser em torno de 2 metros da cultura e a velocidade do vento não poderá ultrapassar os 6 km/h. A largura da faixa de aplicação deve ser de 15 a 18 metros. As aplicações do produto são realizadas nos meses de chuva e calor, podendo ser aplicado de uma a duas vezes durante o ciclo da cultura, obedecendo a um intervalo de 45 dias entre as aplicações.

Aplicação aérea: Aplicar preferencialmente ao entardecer em dias nublados ou se houver previsões consistentes de chuva para as próximas horas. É imprescindível observar as condições climáticas sendo que as mais adequadas são temperaturas de 25° a 27°C e umidade relativa do ar superior a 60%. Outro ponto a ser observado com rigor é o estágio de desenvolvimento da praga.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não determinado em função da não necessidade de estipular o LMR para este produto.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS

4 horas ou até a secagem da calda. Caso necessite entrar antes deste período, utilize os Equipamentos de Proteção individual (EPI's) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Aplicar somente com umidade acima de 80% na ausência de raios ultravioletas, ou seja, em dias nublados ou à noite. O pH ideal é menor que 7. Manter o produto sob refrigeração, e temperatura mínima para armazenamento 4°C e máxima 25°C.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados

Não existem informações sobre o desenvolvimento de resistência de fitopatógenos