Bula Nat Fungi - Agropaulo

Bula Nat Fungi

Metafhizium anisopliae
22119
Agropaulo

Composição

Metarhizium anisopliae cepa IBCB 425 50 g/kg

Classificação

Inseticida biológico
4 - Produto Pouco Tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Tipo: Saco
Material: Poliéster laminado/Plástico polietileno
Capacidade: 1 - 5 kg
Tipo: Frasco
Material: Poliéster laminado/Plástico polietileno
Capacidade: 1 - 5 kg

INSTRUÇÕES DE USO
NAT FUNGI é um inseticida microbiológico de contato, indicado para aplicação em pulverização de plantas e solos, para o controle de cigarrinhas.
CULTURAS: PRAGAS/DOENÇAS/PLANTAS INFESTANTES: Cigarrinha-da-raiz (Mahanarva fimbriolata), cigarrinha-daspastagens (Zulia entreriana) e cigarrinha-dos-capinzais (Deois flavopicta) de acordo com especificação de referência publicada através da INC SDA/SDC 02/2013.
NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO: Devem ser realizadas aplicações quando da ocorrência da praga e de acordo com o levantamento populacional em área total.
MODO DE APLICAÇÃO: Para a aplicação deve-se utilizar pulverizador de barra ou pingente. Recomenda-se aplicar nas horas mais frescas do dia, preferencialmente no final da tarde. Evitar aplicação em condição de temperatura acima de 27ºC ou na presença de ventos fortes (velocidade acima de 10 km/hora), bem como umidade relativa do ar abaixo de 70%.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Não determinado em função da não necessidade de estipular o LMR para este produto.
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Não entrar na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilizar os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, uso de cultivares resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismo de ação distintos.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.