Bula Nematec - EMBRAPA Florestas

Bula Nematec

Deladenus siricidicola
22118
EMBRAPA Florestas

Composição

Deladenus siricidicola 20 mL de Solução Aquosa

Classificação

Terrestre, Pasta
Inseticida microbiológico
Não Classificado
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Líquido (AL)
Inseticida microbiológico

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Calda Terrestre Dosagem
Sirex noctilio (Vespa-da-madeira)

Tipo: Saco.
Material: Plástico.
Capacidade: 100 mL.

INSTRUÇÕES DE USO

MODO DE APLICAÇÃO

Orientações gerais:
- A inoculação do nematoide deverá ser realizada entre os meses de março e agosto. Para maior eficiência, as inoculações deverão ser realizadas imediatamente após a detecção da praga na área;
- Selecionar árvores atacadas pela vespa-da-madeira com as seguintes características: copa com as acículas amareladas; presença de respingos de resina no tronco; ausência de orifícios de emergência de insetos adultos;
- Derrubar a árvore e desgalhar, para facilitar o acesso ao tronco;
- Com um martelo especial de aplicação, com vazador acoplado na extremidade, fazer orifícios ao longo do tronco, de modo que o martelo retorne livremente, sem ser puxado para fora, evitando danificar o vazador e proporcionando uma perfuração perfeita; quando o martelo ficar preso ao orifício, procurar retirá-lo
perpendicularmente ao tronco. A profundidade do orifício, deverá ser, em média, de 10 mm.

Na Aplicação
A distância entre os orifícios deverá ser de 30 cm, distribuídos da seguinte maneira:
- Nas regiões da árvore com diâmetro de até 15 cm, fazer uma única fileira de orifício na face ventral do tronco;
- Nas regiões da arvore com diâmetro superior a 15 cm, fazer duas fileiras de orifícios, nas laterais do tronco, sendo estas paralelas e equidistantes;
- Na inoculação, o inoculo deve ser transferido para uma bisnaga (recipiente plástico flexível, de até 500 mL, contendo na extremidade um bico) com uma abertura para a inserção no orifício;
- Para abastecer a bisnaga com o inoculo fazer um pequeno orifício no canto do saco plástico e pressionar o inoculo para dentro da bisnaga, evitando a formação de bolhas de ar;
- Inserir a bisnaga no orifício de inoculação, preenchendo-o; fazer uma leve pressão com o dedo polegar, para que o inoculo entre em contato com a parte interna do orifício;
- Suspender a árvore do nível do chão, colocando pequenos troncos, como suporte, evitando que o contato com o solo provoque excesso de umidade, interferindo na eficiência do nematoide.

Número de árvores a serem inoculadas

- Em áreas com 1 a 5 árvores atacadas/ha, inocular todas as árvores atacadas;
- Em áreas com 6 a 25 árvores atacadas/ha, inocular 5 árvores por ha, bem distribuídas;
- Onde houver 25 ou mais árvores atacadas/ha, inocular 20% destas (ex.: todas as árvores atacadas em cada quinta linha).

Cuidados para garantir uma boa eficiência do NEMATEC
- Após recebimento do produto NEMATEC, manter as doses na parte inferior da geladeira, a uma temperatura entre 5° C e 8° C, para não ocorrer o congelamento e a inviabilidade dos nematoides; nestas condições as doses terão validade de 10 dias;
- O produto já misturado ao espessante (inoculo) deve ser transportado a campo em uma caixa de isopor ou térmica, em uma temperatura entre 5° C e 15° C. Esta temperatura deverá ser mantida durante todo o processo.
Assim, quando o inoculo não estiver sendo utilizado, deixá-lo dentro da caixa com a tampa fechada, para manter a temperatura recomendada;
- Evitar o armazenamento do inoculo de um dia para o outro; caso seja necessário, armazená-lo a 5° C; nessas condições, deverá ser utilizado no início do dia seguinte;
- A temperatura ambiente, durante a inoculação, deverá estar entre 7° C e 20° C, pois as temperaturas
superiores ou inferiores tendem a provocar a morte dos nematoides;
- Não realizar a aplicação em dias chuvosos;
- Para garantir a penetração dos nematoides na madeira, deve-se manter o vazador do martelo de aplicação sempre muito bem afiado.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Sem restrições.

LIMITAÇÕES DE USO: A dose tem uma validade de 10 dias. Assim, não deverá ser utilizada após este
período.

INCOMPATIBILIDADE: não misturar esse produto com nenhum outro por se tratar de um organismo vivo.

OUTRAS RESTRIÇÕES: não há restrições

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Face ao caráter oportunista da praga da vespa-da-madeira, a adoção de práticas silviculturais adequadas para manter a sanidade e o vigor dos plantios de pinus é o princípio fundamental para prevenir ataques severos e consequentemente evitar as perdas econômicas. Como medida curativa, o controle biológico, dentro de uma estratégia de Manejo Integrado de Pragas é um dos métodos mais viáveis para o controle da mesma. Entre os agentes de controle biológico, o NEMATEC (nematoide Deladenus siricidicola) que esteriliza as fêmeas da vespa-da-madeira, destaca-se por sua especificidade e eficiência, podendo atingir níveis de parasitismo próximos de 100 %, com média de 70 %. Desta forma, recomenda-se:
- Realizar desbastes, para evitar a estagnação do plantio e o aparecimento de árvores estressadas, susceptíveis ao ataque da praga;
- Eliminar restos de podas e desbastes com diâmetro superior a 5 cm, que podem servir de substrato para o desenvolvimento do inseto;
- Evitar a realização de poda e desbaste dois meses antes e durante o período de revoada dos adultos da praga (final de outubro a metade de janeiro);
- Monitorar os plantios de pinus com idade superior a sete anos, pela utilização de árvores-armadilha ou aplicação de amostragem sequencial;
- Realizar a inoculação de árvores atacadas pela vespa-da-madeira, com o NEMATEC, principal agente de controle, que esteriliza as fêmeas do inseto;
- Monitorar a presença de Ibalia leucospoides, parasitóide da vespa-da-madeira.

Não há risco de ocorrência de resistência ao produto NEMATEC. Uma situação que poderia ocorrer, é a questão da perda da eficiência do produto em função da manutenção das culturas do fungo e do nematoide em laboratório apenas no ciclo de vida livre, uma vez que o nematoide apresenta dois ciclos de vida, um de vida livre quando alimenta-se do fungo simbionte, Amylostereum areolatum e outro de vida parasitária, quando penetra nas larvas do hospedeiro, esterilizando-as. Porém, a manutenção da cultura em laboratório, apenas no ciclo de
vida livre pode fazer com que o nematoide perca a capacidade de se transformar na forma de vida parasitária, quando inoculado na árvore. Assim, para evitar este problema, anualmente são realizadas coletas em campo de
toretes atacados pela praga, para a obtenção de insetos adultos. Em laboratório é feito o isolamento do fungo e do nemaóide, os quais são introduzidos na criação massal.