Bula Oncol 10 G - Sipcam Nichino
CME MILHO (SET/20) US$ 3,076 (-1,22%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (1,29%)

Bula Oncol 10 G

Benfuracarb
3499
Sipcam Nichino

Composição

Benfuracarbe 100 g/kg

Classificação

Terrestre
Inseticida
3 - Produto Moderadamente Tóxico
III - Produto perigoso
Granulado (GR)
Sistêmico

Arroz

Calda Terrestre Dosagem
Oryzophagus oryzae (Bicheira da raiz do arroz)

Batata

Calda Terrestre Dosagem
Diabrotica speciosa (Vaquinha verde amarela)

Tomate

Calda Terrestre Dosagem
Frankliniella schultzei (Tripes)

Volume líquido: 0,5 kg; 1, 2, 5, 10, 20, 25 e 50 kg.

INSTRUÇÃO DE USO

MODO DE APLICAÇÃO

ONCOL 10 G SIPCAM pode ser aplicado utilizando-se equipamento manuais (matracas) e
tratorizados (granuladeiras). Quando utilizar equipamento tratorizados para distribuição de grânulos, procurar regular o aparelho para que faça uma distribuição homogênea do produto e libere a dosagem recomendada.
Na aplicação manual (com auxílio de matracas), procurar uniformizar a distribuição do produto e sempre utilizar o equipamento de proteção individual (EPI).

INTERVALO DE SEGURANÇA

Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS ÁREAS TRATADAS

Não deve ocorrer a reentrada de pessoas nas culturas antes de 24 horas após a aplicação, ao menos que se use roupas protetoras.

LIMITAÇÕES DE USO

• Uso exclusivamente agrícola.
• Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo.
• É obrigatório o uso do produto somente nas indicações constantes na bula.
• Observar um intervalo de 10-15 dias após a germinação das sementes tratadas com ONCOL 10 G para aplicação de herbicidas à base de propanil.
• Não deixar o inseticida exposto sobre o solo.
• Nas doses recomendadas, ONCOL 10 G SIPCAM não é fitotóxico às culturas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponíveis e apropriados.

GRUPO 1A INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. O inseticida ONCOL® 10 G SIPCAM pertence ao grupo 1A (Inibidores de Acetilcolinesterase - Carbamatos) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas. Para manter a eficácia e longevidade do ONCOL® 10 G SIPCAM como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
• Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 1A. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
• Usar ONCOL® 10 G SIPCAM ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
• Aplicações sucessivas de ONCOL® 10 G SIPCAM podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga alvo.
• Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico do ONCOL® 10 G SIPCAM o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico dos Inibidores de Acetilcolinesterase - Carbamatos não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula.
• Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do ONCOL® 10 G SIPCAM ou outros produtos do Grupo 1A quando for necessário;
• Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
• Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
• Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).