Bula Onesa - Lemma
CME MILHO (SET/20) US$ 3,102 (-25,25%)
| Dólar (compra) R$ 5,26 (-0,47%)

Bula Onesa

Nicossulfurom
10113
Lemma

Composição

Nicossulfurom 40 g/L

Classificação

Terrestre
Herbicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Pós-emergência, Seletivo, Sistêmico

Galão - Plástico - 1, 5, 10 e 20 litros

Galão - Metálico - 1, 5, 10 e 20 litros

Garrafa - Plástica- 0,5 e 1 litro

Botijão - Plástico - 5 e 10 litros

Bombona - Plástico - 5, 20, 50 e 200 litros

Frasco - Plástico - 0,25; 0,5; 1 e 5 litros

Balde - Plástico - 10, 20 e 50 litros

Balde - Metal - 10, 20 e 50 litros

Tanque - Plástico - 100, 200 e 1000 litros

Tanque - Metal - 100, 200 e 1000 litros

INSTRUÇÕES DE USO

ONESA é um herbicida sistêmico, seletivo para a cultura do milho, para aplicação em pós-emergência da cultura e das plantas daninhas.

MODO DE APLICAÇÃO

Com pulverizador tratorizado ou costal manual, aplicando-se em área total.
Bicos de jato em leque (jato plano) tipo 80.03; 110.02 ou 110.03 Volume de calda: 200 a 400 L/ha.
Pressão de serviço: 30 a 60 libras por polegada quadrada (psi) Tamanho de gotas: 200 a 400 micrômetros.
Densidade de gotas: 20 gotas/cm².
Não aplicar o produto na presença de ventos fortes (acima de 10 km/h).

INTERVALO DE SEGURANÇA

Milho: 45 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI's) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

• Uso exclusivo para culturas agrícolas.
• Não adicionar adjuvante à calda de aplicação.
• Não aplicar o produto através de sistemas de irrigação.
• O produto não deverá ser aplicado quando a planta estiver passando por estado de estresse hídrico.
• Não aplicar o produto em plantas infestantes ou culturas sob estresse causado por frio, período de seca, excesso de chuvas, sequência de dias nublados, etc.
• Não aplicar o produto quando a temperatura estiver abaixo de 10ºC.
• Não aplicar o produto quando as folhas estiverem molhadas pela chuva ou quando houver orvalho nas folhas.
• A ocorrência de chuvas até uma hora após a aplicação do produto poderá diminuir sua eficiência.
• Não aplicar o produto nas culturas de sorgo, milheto e milho pipoca, nem em locais onde possa haver deriva para estes cultivos.
• Não permita que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos de rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental. Siga as restrições existentes na legislação pertinente.
• A fim de evitar elevada fitotoxicidade na cultura do milho, respeitar o intervalo de sete dias entre a aplicação de ONESA e a aplicação de produtos organofosforados bem como entre as adubações nitrogenadas e vice-versa.
• Fitotoxicidade: ONESA é seletivo para a maioria das cultivares de milho, mas existem alguns híbridos/variedades que não devem ser tratados com o produto. Por isso, não aplicar ONESA nas seguintes cultivares de milho: AG-2003, Agromen-210, C-211, CO-11, F1-9043, P-3230 e ICI-8551. Antes de aplicar, verificar junto às empresas produtoras de sementes a existência de outros cultivares sensíveis ao nicossulfurom.
• Para os híbridos/variedades que são recomendados, em alguns casos poderão ser observados sintomas iniciais de fitotoxicidade, que desaparecem naturalmente sem interferir na produtividade.
• Para rotação de cultura, observar o prazo de 90 a 120 dias após a aplicação de ONESA.
• Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Quando herbicidas com o mesmo modo de ação são utilizados repetidamente por vários anos para controlar as mesmas espécies de plantas daninhas nas mesmas áreas, biotipos resistentes de plantas daninhas, de ocorrência natural, podem sobreviver ao tratamento herbicida adequado, propagar e passar a dominar a área. Esses biotipos resistentes de plantas daninhas podem não ser controlados adequadamente. Práticas culturais como cultivo, prevenção de escapes que cheguem a sementar, e uso de herbicidas com diferentes modos de ação na mesma safra ou entre safras, pode ajudar a retardar a proliferação e possível dominância de biotipos de plantas daninhas resistentes a herbicidas.




Contato com o Agrolink