Bula Onic 300 - Arysta Lifescience
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,142 (0,44%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,05%)

Bula Onic 300

alanicarbe
5700
UPL

Composição

Alanicarbe 300 g/L

Classificação

Terrestre
Inseticida
2 - Produto Altamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão

Tomate

Calda Terrestre Dosagem
Tuta absoluta (Traça do tomateiro)

Conteúdo: 0,25; 0,5; 1 e 5 L.

INSTRUÇÕES DE USO

ONIC 300 é um inseticida do grupo dos carbamatos, possuem ação de contato e ingestão no controle de pragas importantes (Lepidoptera) que causam danos ás culturas. O produto apresenta-se sob a forma de concentrado emulsionável e é estável em condições neutra ou levemente básica, e instável em meio ácido. A pressão de vapor é de 4,7 x 10-6 mmHg a 20 0C indicando que o produto é pouco volátil. Estudo de biodegradabilidade do Alanycarb no solo indica que o produto não é persistente e a sua meia-vida é menor que 30 dias. Quanto à mobilidade, o coeficiente de mobilidade foi zero, indicando que o Alanycarb é imóvel no solo.

MODO DE APLICAÇÃO

ONIC 300 deve ser aplicado em pulverização via terrestre. Utilizar pulverizador de barra tratorizada equipado com bicos cônico D2 ou D3 com pressão de 100 lbs/pol/².
Utilizando-se outros tipos de equipamentos, procurar obter uma cobertura uniforme da parte aérea da planta. A variação do volume de calda é em função do estágio do desenvolvimento da cultura.
OBS - Em caso de dúvida consulte um Eng. º Agrônomo.

FITOTOXICIDADE

Não há problema de fitotoxicidade para a cultura indicada e nas doses recomendadas.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS

Mantenha afastadas das áreas de aplicação, crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas, enquanto as plantas estiverem molhadas pela aplicação do produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

GRUPO 1A INSETICIDA

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência.
O inseticida ONIC 300 pertence ao grupo 1A (Inibidores de Acetilcolinesterase) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas.
Para manter a eficácia e longevidade do ONIC 300 como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência:
Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
- Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 1A. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
- Usar ONIC 300 ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
- Aplicações sucessivas de ONIC 300 podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo.
- Seguir as recomendações de bula quanto ao número máximo de aplicações permitidas. No caso específico do ONIC 300, o período total de exposição (número de dias) a inseticidas do grupo químico Carbamato não deve exceder 50% do ciclo da cultura ou 50% do número total de aplicações recomendadas na bula.
- Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do ONIC 300 ou outros produtos do Grupo 1A quando for necessário;
- Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas;
- Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado;
- Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas;
Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org), ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).