Bula Poast Plus

acessos
Sethoxydim
5899
Basf

Composição

Setoxidim 120 g/L Oxima ciclohexanodiona

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Dispersível (DC)
Seletivo, Sistêmico
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 45 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: até 2 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 2 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Milho
(Zea mays)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: até 15 cm de altura (2,0 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 3 perfilhos (2,0 L p.c./ha);
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência. Doses: antes do perfilhamento (1,5 L p.c./ha); de 1 a 4 perfilhos (2,0 L p.c./ha)

Frasco Polietileno coextrusado: 1 L.
Lata de flandres: 1 ; 5 e 20 L.
Bombona de polietileno coextrusado: 5 L.

INSTRUÇÕES DE USO: POAST PLUS é um herbicida de pós-emergência, sistêmico, que controla gramíneas anuais e perenes, com total seletividade e segurança para as culturas indicadas. Após a aplicação sobre a superfície das folhas, o ingrediente ativo é rapidamente absorvido, ocorrendo um processo de translocação, com acúmulo em regiões meristemáticas, onde o produto inibe as divisões celulares, o que resulta em paralização do crescimento. O secamento das gramíneas completa-se num período de 1 a 3 semanas.

CULTURA, DOSE E ÉPOCA DE APLICAÇÃO:

ALGODÃO, FEIJÃO E SOJA: Antes do perfilhamento: 1,5 l/ha. perfilhamento: 2,0 l/ha (1 a 4 perfilhos).

MILHO: Antes do perfilhamento: 1,5 l/ha. Perfilhamento: 2,0 l/ha (1a 3 perfilhos). Rottboelia exaltata: antes do perfilhamento: 1,5 l/ha, perfilhamento: 2,0 l/ha (1 a 2 perfilhos). Brachiaria decumbens: perfilhamento: 2,0 l/ha (até 2 perfilhos). Zea mays: até 15 cm de altura: 2,0 l/ha.

OBSERVAÇÃO: POAST PLUS somente é recomendado para milho híbrido tolerante a sethoxydim, consulte a empresa produtora de semente de milho, ou um engenheiro agrônomo sobre quais cultivares de milho são recomendadas para o tratamento. POAST PLUS somente é recomendado no controle de milho voluntário não tolerante a Sethoxydim.

MODO DE APLICAÇÃO: POAST PLUS deve ser diluído em água e aplicado por pulverização em pós emergência, sobre a folhagem das gramíneas infestantes. Efetuar uma boa distribuição do produto.

EQUIPAMENTO DE PULVERIZAÇÃO: Pulverizadores, motorizados ou acoplados, de barra, com bicos uniforme de um dos seguintes tipos: jato em leque, de tipos como Twinjet, Teejet, XR Teejet, vazões 80.02; 80,03; 110.02; 110.,03; APG 110 R (vermelho) APG 110 D (laranja); VisiFLO amarelo, VisiFLO azul - que produzem gotículas entre 300 e 400 micra e permitem uma deposição de cerca de 20 gotículas por cm2.

Pressão entre 40 e 60 libras/pol2. A altura da barra deve ser tal que permita pequena sobreposição dos jatos dos diversos bicos, no topo das gramíneas a controlar. Volume de água: 200 litros/ha; quando a folhagem estiver molhada por orvalho, neblina ou chuva, reduzir o volume de água, para evitar escorrimento.

Avião agrícola, equipado com barra e bicos de jato cônico, montados na vertical (90O), em duas opções: 36 bicos modelo D12-45, 46 bicos modelo D10-45, Altura do vôo 2,5 a 3,5 metros da barra ao topo das plantas. Largura da faixa variável, entre 12 e 14 metros, devendo ser estabelecida por teste, verificada uma concentração de 30 a 50 gotículas/cm2. Pressão: 30 a 35 libras/pol2. Volume de água: 40 litros/ha.

LIMITAÇÕES DE USO: POAST PLUS é indicado para uso em culturas em estado normal de sanidade e desenvolvimento; não apresenta limitações de uso desde que seja usado em plantas daninhas, conforme indicações de uso recomendadas.

POAST PLUS é recomendado no controle de milho voluntário, somente quando o mesmo não for oriundo de áreas plantadas com cultivar de milho tolerante a Sethoxydim.

POAST PLUS é seletivo para os cultivares de milho híbrido tolerantes a Sethoxydim, híbridos ou linhagens normais de milho são susceptíveis, portanto não devem ser tratadas com o produto.

ATENÇÃO: Antes de aplicar POAST PLUS na cultura de Milho, consulte a empresa produtora de semente, a BASF ou um engenheiro agrônomo, sobre cultivares recomendadas para o tratamento.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Algodão: 60 dias. Soja: 60 dias. Feijão: 45 dias. Milho: 60 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: Recomenda-se aguardar o completo secamento do produto sobre as folhas das plantas tratadas; utilizar os Equipamentos de Proteção Individual recomendados pelo Ministério da Saúde.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Use Protetor Ocular: se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscaras cobrindo o nariz e a boca: caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use Luvas de Borracha: ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use macacão com mangas compridas, chapéu de abas largas, óculos ou viseira facial, luvas e botas.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação; Não aplique o produto contra o vento; Use macacão com mangas compridas, chapéu de abas largas, botas e luvas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia; Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais; Tome banho, troque e lave as suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de INGESTÃO, se o paciente estiver consciente, faça-o tomar água. Não induza o vômito. Procure o médico, levando a bula do produto. Em caso de contato com os OLHOS, lave-os imediatamente com água limpa, por 15 minutos. Procure o médico, levando a bula do produto. Em caso de contato com a PELE, lave-a imediatamente com água e sabão. Procure o médico, levando a bula do produto. Em caso de INALAÇÃO da calda pulverizada, mantenha o paciente em local arejado. Procure o médico, levando a bula do produto.

ANTÍDOTO: Não há antídoto específico.

TRATAMENTO MÉDICO: Tratamento sintomático. Em casos de ingestão realizar lavagem gástrica.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Em testes conduzidos em animais de laboratório, Setoxidim foi rapidamente metabolizado e excretado através de urina e fezes.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: Poast Plus apresenta baixa toxicidade aguda por via oral ou dermal, sendo levemente irritante para pele e olhos de coelhos. Em estudos a longo prazo com animais de laboratório, o ingrediente ativo não apresentou potencial para provocar efeitos crônicos.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para microcrustáceos. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Aplique somente as doses recomendadas.

Não execute aplicação aérea de agrotóxico em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas suscetíveis a danos. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal, relativas às atividades aeroagrícolas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES: Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.

Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Isole e sinalize a área contaminada. Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'águas. Siga as instruções:

Piso pavimentado: Absorver o produto derramado com serragem ou areia, recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em recipientes lacrados e identificados devidamente. O produto derramado não deverá ser mais utilizado. Neste caso, contate a empresa ou, o distribuidor ou qualquer representante da empresa na região. O produto deverá ser desativado conforme orientações de destinação de resíduos e embalagens. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado e adote os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada.

Corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para o consumo humano e animal e contate o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens rígidas devem ser enxaguadas três vezes (tríplice lavagem) e a calda resultante acrescentada à preparação para pulverização. Não reutilize as embalagens. As embalagens devem ser perfuradas, de maneira a torná-las inadequadas para outros usos (Obs: Exceto em caso de existência do recolhimento das mesmas pela empresa).

Observe as legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido enterrar embalagens. Consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente. Para desativação de restos de produto contate a empresa e o Órgão Estadual de Meio Ambiente. A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação e aprovados pelo órgão estadual responsável, equipados com câmaras de lavagem.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.
Recomenda-se, de modo geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de insetos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se a praga-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando-se as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI) pode-se prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga;
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula;
- Em caso de dúvidas, consultar sempre um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o Manejo de Resistência a Inseticidas (MRI);
- Incluir outros métodos de controle de insetos (Ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado;
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para a orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.