Bula Poast

acessos
Sethoxydim
1128798
Basf

Composição

Setoxidim 184 g/L Oxima ciclohexanodiona

Classificação

Herbicida
II - Altamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Dispersível (DC)
Seletivo, Sistêmico

Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Fumo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama seda
(Cynodon dactylon)
1,5 a 2 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Tratar a rebrotação após lavração do solo, quando já houver substancial emergência das plantas infestantes
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Gladíolo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - Uso não alimentar. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim arroz
(Echinochloa colona)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim braquiária
(Brachiaria decumbens)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e na seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim camalote
(Rottboellia exaltata)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim carrapicho
(Cenchrus echinatus)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim custódio
(Pennisetum setosum)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Grama doce
(Paspalum acuminatum)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem no seguinte estágio e com a seguinte dose: perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milhã
(Digitaria ciliaris)
1 a 1,5 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)
Milho
(Zea mays)
1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: até 15 cm de altura (1,25 L p.c./ha)
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 a 1,25 L p.c./ha 200 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) - 60 dias. Pós-emergência das plantas infestantes, quando estiverem nos seguintes estágios e com as seguintes doses: antes do perfilhamento (1,0 L p.c./ha); perfilhamento (1,25 L p.c./ha)

Bombona Polietileno coextrusado: 1 e 5 litros.
Lata de flandres: 5 litros.
Frasco de Alumínio: 1 e 5 litros.
Frasco de Polietileno coextrusado: 1litro.

INSTRUÇÕES DE USO: Poast® é um herbicida de pós-emergência, sistêmico, que controla gramíneas anuais e perenes, Ne tota!%1alivídáde e segurança para as culturas indicadas. Após a aplicação sobre a superfície das folhas, o ingrediente ativo é rapidamente absorvido, ocorrendo um processo de translocação, com acúmulo em regiões meristemáticas, onde o produto inibe as divisões celulares, o que resulta em paralisação do crescimento. O secamento das gramíneas completa-se num período de 1 a 3 semanas.

*Poaste somente é recomendado para milho híbrido resistente a SETOXIDIM, consulte as empresas produtoras dos híbridos, a BASF ou um engenheiro agrônomo sobre quais variedades de milho híbrido são recomendadas para o tratamento.
**Poaste somente é recomendado no controle de milho não resistente a SETOXIDIM, consulte as empresas produtoras dos híbridos, a BASF ou um engenheiro agrônomo sobre quais variedades de milho híbrido são recomendadas para o tratamento.
Adição de adjuvantes:
A adição de adjuvante específico, recomendado pelo fabricante, favorece a distribuição da calda sobre a folhagem, retarda a evaporação e favorece a penetração, o que resulta num melhor controle das plantas infestantes.
Deve-se acrescentar sempre um adjuvante específico, recomendado pelo fabricante, nas caldas de Poast®. -Em aplicação terrestre: 0,5 a 1,0 % do volume de calda
-Em aplicação aérea: 1,0 % do volume de calda

A adição de sulfato de amônia na concentração de 1 a 2% do volume da calda, tende a reduzir ambientais, bem como melhorar o controle das plantas infestantes, não substituindo a utilização específico, recomendado pelo fabricante,.
MODO DE APLICAÇÃO:
Poast® deve ser diluído em água e aplicado por pulverização em pós-emergência, sobre a folhagem das gramíneas infestantes. Efetuar uma boa distribuição do produto.
Equipamento de pulverização:
•Pulverizadores, motorizados ou acoplados, de barra, com bicos uniforme de um dos seguintes tipos: jato em leque, de tipos como Twinjet, Teejet, XR Teejet, vazões 80.02; 80.03; 110.02; 110.03; APG 110 R (vermelho) APG 110 D (laranja); VisiFLO amarelo, VisiFLO azul - que produzem gotículas entre 300 e 400 micra e permitem uma deposição de cerca de 20 gotículas por cm2.
Pressão entre 40 e 60 libras/pol2. A altura da barra deve ser tal que permita pequena sobreposição dos jatos dos diversos bicos, no topo das gramíneas a controlar.
Volume de água: 200 litros/ha; quando a folhagem estiver molhada por orvalho, neblina ou chuva, reduzir o volume de água, para evitar escorrimento.
•Avião agrícola, equipado com barra e bicos de jato cônico, montados na vertical (90°), em duas opções: -36 bicos modelo D12_45
-46 bicos modelo D 10_45
•Altura do vôo 2,5 a 3,5 metros da barra ao topo das plantas.
Largura da faixa variável, entre 12 e 14 metros, devendo ser estabelecida por teste, verificada ma concentração de 30 a 50 gotículas/cm2.
Pressão: 30 a 35 libras/pol2. Volume de água: 40 litros/ha.
INTERVALO DE SEGURANÇA:
Algodão/Soja/Milho: 60 dias
Gladíolo: UNA. (*)
Fumo: U.N.A. (*)
Feijão: 45 dias
(*) Não especificado, por ser cultura não alimentar
INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana — ANVISA/MS)
LIMITAÇÕES DE USO:
Poast® é indicado para uso em culturas num estado normal de sanidade e desenvolvimento; não apresenta limitações de uso desde que seja usado em plantas infestantes, conforme indicações de uso recomendadas.
Poast® é recomendado no controle de milho voluntário, somente quando o mesmo não for oriundo de áreas plantadas com cultivar de milho resistente a SETOXIDIM.
Poast® é seletivo para os cultivares de milho híbrido resistentes a SETOXIDIM, existem híbridos/variedades que não devem ser tratadas com o produto.
Antes de aplicar Poast® na cultura de Milho, consulte a empresa produtora de semente de milho híbrido, a
BASF ou um Engenheiro Agrônomo, sobre os híbridos/variedades recomendadas para o tratamento.
INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS: Vide Item Dados Relativos à Proteção da Saúde Humana.
INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS: Vide Modo de Aplicação.

INFORMAÇÕES SOBRE DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:
Vide Item Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente
INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
Vide Item Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente.
INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Vide Item Dados Relativos à Proteção do Meio Ambiente.

MINISTÉRIO DA SAÚDE — AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANIT DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana — ANVISA/MS)
INSTITUTO BRASILEIRO DE MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente — IBAMA/MMA)
RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU MUNICIPAL
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável).

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:
PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é:
Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III).
- Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir, principalmente, águas subterrâneas.
-Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
-Não utilize equipamento com vazamentos.
-Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
-Aplique somente as doses recomendadas.
-Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água.
-A destinação inadequada de embalagens ou restos do produto ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
-Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância mínima de 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas suscetíveis a danos.
-Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.
INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
-Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
-O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
-A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
-O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
-Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
-Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças - Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
-Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
-Isole e sinalize a área contaminada.
-Contate as autoridades locais competentes e a Empresa BASF S.A. - Telefones de Emergência: (0800) 11-2273 ou (0XX12) 3128-1357.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borracha, óculos protetor e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções abaixo:
•Piso pavimentado: absorva o produto derramado com ou areia. Recolha esse material com auxílio de uma pá e coloque em tambores ou recipientes devidamente lacrado e identificado. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte a empresa registrante, através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
•Solo: Retirar com o auxílio de uma pá as camadas de terra contaminada até atingir o solo seco e coloque em tambores ou recipientes lacrados e identificados. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
•Corpos d'água: interromper imediatamente o consumo humano e animal, contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. - Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor
do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇAO OU EM DESUSO:
- LAVAGEM DA EMBALAGEM
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.
•Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
-Adicione água limpa à embalagem até % do seu volume;
-Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
-Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.
•Lavagem sob Pressão: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
-A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
-Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo. Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
-Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem sob Pressão, essa embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
-DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)
-ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
-DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
- TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
-É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO
- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.
- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.
Restrições Estaduais, Municipais e do DF:
De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: - Este produto é PERIGOSO ( CLASSE III ) AO MEIO AMBIENTE. Este produto é ALTAMENTE TRANSPORTÁVEL ( CLASSE I ) no meio ambiente (apresenta alto potencial de deslocamento no solo podendo atingir áreas vizinhas às áreas tratadas, lençóis freáticos e águas superficiais. Este produto é ALTAMENTE IRRITANTE ( CLASSE I ) pra os olhos de mamiferos. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância mínima de 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público, e de 250 (duzentos e cinquenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas suscetíveis a danos. Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes as atividades aeroagrícolas. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO : Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes nas legislações estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, não permita que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais. Siga as instruções abaixo: Piso pavimentado - Absorva o produto derramado com terra ou areia. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água. Solo - Retirar, com auxílio de uma pá as camadas de terra contaminada até atingir o solo seco e coloque em tambores ou recipientes lacrados e identificados. Corpos d'água - Interromper imediatamente o consumo humano e animal e contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada ( tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. Observar legislações Estadual e Municipal específicas. Fica proibido enterrar embalagens em áreas inadequadas, consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO INTEGRADO DE PLANTAS INFESTANTES:
A rotação de culturas pode permitir também rotação nos métodos de controle das plantas infestantes que ocorre
"
área. Além do uso de herbicidas, outros métodos são utilizados dentro de um manejo integrado de plantas infe .e es sendo eles o controle manual, o controle mecânico, através de roçadas ou cultivadores, a rotação de culturas dessecação da área antes do plantio os mais utilizados e eficazes.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA DE PLANTAS INFESTANTES:
O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes resistentes a esse mecanismo de ação.
Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes, deverão ser aplicados, altemadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um engenheiro agrônomo

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.