Bula Portero

acessos
Carbendazim
7505
UPL

Composição

Carbendazim 500 g/L Benzimidazóis

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
0,5 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. 15 dias. Iniciar as aplicações preventivamente ao redor de 30 dias após a emergência
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum truncatum)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Fungo de armazenamento
(Penicillium spp)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Fungo de pós colheita
(Aspergillus spp)
100 mL p.c./kg de semente - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Fusariose
(Fusarium pallidoroseum)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Mancha parda
(Septoria glycines)
0,5 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. 20 dias. Iniciar a aplicação na fase de florescimento à formação de vagem
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
0,5 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. 20 dias. Iniciar a aplicação na fase de florescimento à formação de vagem
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura
Podridão seca
(Phomopsis sojae)
100 mL p.c./100 kg de sementes - - Realizar no máximo duas aplicações com intervalo de 10 - 15 dias. Não determinado. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura

Frasco plástico de 1 litro;
Bomba plástica de 5, 10 e 20 litros;
Galão plástico de 50 litros.

INSTRUÇÕES DE USO: PORTERO é indicado para aplicação em mistura com água. Recomenda-se agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda. Para o uso nas culturas de feijão e soja, o produto deve ser utilizado na forma de pulverização via terrestre ou aérea.

TRATAMENTO DE SEMENTES:
Agitar a embalagem do produto e diluir 100 ml do produto em 400 ml de água e distribuir homogeneamente em 100 kg de sementes. Misturar homogeneamente o produto às sementes durante um período mínimo de 10 minutos em tambor giratório, betoneiras ou equipamentos específicos para este fim. Misturar o produto às sementes de soja antes da semeadura.
ATENÇÃO: no tratamento de sementes de soja destinadas ao plantio, deve-se adicionar ao produto um corante específico para tratamento de sementes. O corante denominado Vermelho Sun deve ser adicionado na água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida. Recomenda-se utilizar 15 ml de corante /100kg de sementes.
As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal.


NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

• PULVERIZAÇÃO DA PARTE AÉREA EM CULTURAS:
FEIJÃO: Iniciar as aplicações preventivamente ao redor de 30 dias após a emergência e repetir após 10 a 15 dias de acordo com as condições climáticas e pressão da doença, até o máximo de duas aplicações no ciclo da cultura.

SOJA: Iniciar a aplicação na fase de florescimento à formação da vagem, repetindo 15 a 20 dias após a primeira aplicação, até o máximo de duas aplicações no ciclo da cultura.

INFORMAÇÕSE S SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:

PULVERIZAÇÃO VIA TERRESTRE PARA FEIJÃO E SOJA:
Barras dotadas de bicos cônicos de série D ou similares; Velocidade do trator: em torno de 6 km/h; Pressão de trabalho: 80 a 120 lb/pol2 ; Tamanho de gotas: em torno de 200 a 400 micra; Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm2; Volume de calda: 200 a 400 l/ha. Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/h; temperatura máxima de 30° C; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.

PULVERIZAÇÃO VIA AÉREA:
Para aeronaves Ipanema, utilizar barras dotadas de bicos cônicos serie D ou similares, com disco (core) com ângulo inferior a 45° ou micronair com 4 atomizadores, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão (VRV), pressão e ângulo de pá. Volume de aplicação: 30 a 50 l/ha. Altura de vôo: com barras: 2 a 3 m do alvo a ser atingido; Largura da faixa de deposição efetiva: 15m. Tamanho das gotas: 200 a 400 micra; Densidade de gota: em torno de 60 gotas/cm2.
Condições meteorológicas: ventos de no máximo 10 km/h; temperatura máxima de 30° C; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.

Tanto para pulverização aérea ou terrestre a escolha do volume de calda e o tamanho de gotas a serem utilizados, deve levar em consideração as condições climáticas e o stand da cultura, conforme a orientação do Engenheiro Agrônomo.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA:

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES. PRODUTO PERIGOSO.

USE TODOS OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) COMO INDICADO. NÃO USE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL DANIFICADOS.

PRECAUÇÕES GERAIS:
• Para uso exclusivamente agrícola.
• Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.
• Não utilize equipamentos com vazamento ou com defeitos.
• Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
• Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
• Não transporte este agrotóxico junto com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
• Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente com água corrente e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente com água corrente e sabão, e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Para carga e descarga de embalagens cheias fechadas, abertura de embalagens, manipulação de embalagens em uso, preparação e manuseio da calda, armazenagem do produto, use os EPl's: macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, avental, touca árabe, óculos ou viseira facial, botas e máscara descartável com filtro de carvão ativado.
• Ao abrir a embalagem, faça-o de maneira a evitar respingos.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
• Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação.
• Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes do dia. Na aplicação tratorizada, esta deverá ser realizada contra o vento.
• Use macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, óculos, máscara descartável com filtro de carvão ativado cobrindo o nariz e a boca, luvas e botas de borracha de cano longo.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
• Evite o máximo possível, o contato com a área já aplicada com o agrotóxico até o término do intervalo de reentrada. Não entre na área tratada até que a calda de pulverização se apresente totalmente seca. Caso necessite entrar na área tratada antes do término do intervalo de reentrada use: macacão
com mangas compridas, luvas e botas impermeáveis, óculos protetores ou viseira facial, máscara apropriada e touca árabe.
• Não reutilize a embalagem vazia.
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Tome banho, troque e lave as suas roupas contaminadas separadas das demais roupas do restante da família ou de uso diário. Tome banho, troque imediatamente todos os EPl's contaminados e lave-os separadamente das demais roupas da família.
• No descarte da embalagem e na lavagem dos EPl's contaminados use todos os EPl's recomendados.

PRIMEIROS SOCORROS:
Procure logo o serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.

Ingestão: não provoque vômito.
Olhos: lave com água em abundância durante 15 minutos. Pele: lave com água e sabão em abundância.
Inalação: transporte o intoxicado para local arejado.

Se o acidentado parar de respirar, faça imediatamente respiração artificial e providencie assistência médica de urgência.

ANTÍDOTO: Não existe antídoto para o carbendazim.

INFORMACÕES MÉDICAS
Grupo químico:
Benzimidazol

Classe:
III - Medianamente Tóxico

Mecanismos de toxicidade:
Altera enzimas microssomais hepáticas em animais de laboratório (ratos e camundongos ).

Toxicidade:
Têm baixa toxicidade aguda, entretanto, em nível experimental, efeitos reprodutivos adversos foram relatados após uma única exposição.
A DL50 em uma ampla variedade de espécies e vias de administração, variou de 2000-15000 mg/kg. Não tem interação com o DNA, mas apresentam aberrações cromossômicas, em animais de laboratório. Em humanos não foram relatados efeitos adversos. Exposições a longo prazo podem causar distúrbios na reprodução.

Vias de absorção:
Oral (80-85%), dérmica em menor intensidade.

Metabolismo e Toxicocinética:
O Carbendazim é um metabólito ativo do benomil e do tiofanato metílico.
Após absorção, o Carbendazim é distribuído por todos os tecidos, atingindo altas concentrações no fígado, onde são metabolizados. Têm excreção renal e biliar em até 72 horas.

Sintomas e sinais clínicos:
Nenhuma referência de intoxicação aguda causada pelo Carbendazim foi encontrada em humanos.

Tratamento:
As medidas abaixo relacionadas, especialmente aquelas voltadas para a adequada oxigenação do intoxicado, devem ser implementadas
concomitantemente ao tratamento medicamentoso e à descontaminação. Utilizar luvas e avental durante a descontaminação.
1. Remover roupas e acessórios e descontaminar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, com água fria abundante e sabão. Colocar r a vítima para local ventilado
2. Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
3. Em caso de ingestão recente, fazer lavagem gástrica. Atentar para nível de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração. Administrar carvão ativado na proporção de 50-100 g em adultos e 25-50 g em crianças de 1-12 anos, e 19/Kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 mL de água.

Atenção:
As Intoxicações por Agrotóxicos estão incluídas entre as Enfermidades de Notificação Compulsória. Comunique o caso e obtenha informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento através dos,

TELEFONES DE EMERGENCIA PARA INFORMAÇOES MEDICAS:

DISQUE INTOXICAÇÕES: 0800-722-6001

Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica¬RENACIAT – ANVISA/MS
EMPRESA (CCI): (11) 55613288

OUTROS TELEFONES PARA OS CASOS DE EMERGÊNCIA (CCls):
• DF: 0800 644.6774 • MG: (31 )3239-9308 • MS: (67)386-8655 • MT: (65)617-1715 • PR: 0800-410.148 • RJ: (21)2573-3244 •RS: 0800-780.200 • SC: 0800-64.5252 •SP: 0800-148.110 / 08000-771.3733 • ES: 0800-2839904 • GO: 0800-646.4350 •CE: (85) 255.5012 • BA: 0800-2844343 •PE: (81) 3421-5444 R. 151

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO:
Em animais de laboratório, estudos mostraram que o produto é rapidamente absorvido pelo trato gastrointestinal e rapidamente eliminado pelas fezes (21 %) e urina (65%) em 72 horas. Não há afinidade do produto com tecidos e apenas pequenas quantidades do ingrediente ativo e seus metabólitos são encontrados nos órgãos excretores. A desintoxicação ocorre através da hidroxilação e hidrólise do carbendazim. Resultados de estudos indicam que a administração do carbendazim em doses de 1000 ppm ou maiores., em camundongos, ocorreu uma moderada indução de enzimas específicas de fase I, associada com algumas alterações histopatológicas em fígado.

EFEITSO AGUDOS E CRÔNICOS:
Em testes com animais, o produto apresentou relativamente baixa toxicidade aguda quando administrado por via oral, dérmica ou ina1atória.
Os estudos crónicos com o ingrediente ativo carbendazim em diferentes concentrações demonstraram que os animais apresentaram elevado teor de colesterol no soro e atividade fosfatase alcalina, redução no consumo alimentar e menor ganho de peso.
Os efeitos crónicos mais relevantes observados com carbendazim são atrofia testicular e teratogênese, porém em doses e tempo de exposição que a princípio excedem os níveis a que os seres humanos são expostos.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE:

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIA QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇAO AO MEIO AMBIENTE:
• Este produto é:
- Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE III)

• Não utilize equipamento com vazamentos.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água.
• Dê a destinação adequada para as embalagens e restos de produto - siga as instruções constantes no item Destino Final de Resíduos e Embalagens.
• em caso de acidente siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO:
• Mantenha o produto em sua embalagem original.
• O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de
alimentos, bebidas ou outros materiais.
• A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente.
• O local deve ser ventilado, seco, coberto e ter piso impermeável.
• Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
• Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
• Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
• Em caso de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843.
• Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
• Contacte as autoridades locais competentes e a Empresa CONDAX COMERCIAL LTDA - telefone de emergência: (11) 5561-3288 - fax: (11) 5533-5130.
• Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscaras contra eventuais vapores).
• Isole e sinalize a área contaminada.
• Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de água naturais, siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado - absorva o produto derramado com terra ou areia. Recolha esse material com auxílio de uma pá e coloque em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remova para área de descarte de lixo químico, lave o local com grande quantidade de água.
Solo - retire, com auxílio de uma pá, as camadas de terra contaminada até que atinja solo seco e coloque em tambores ou recipientes lacrados e identificados.
Água - interrompa imediatamente o consumo humano e animal e contacte o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
• Em caso de incêndio use extintores de água em forma de neblina, CO² ou
pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL:
- LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPIs - Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos; - Adicione água limpa à embalagem até 1/4 do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos;
- Despeje a água da lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão, seguir os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem,
por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão, adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-Ia invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.

O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.

Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.

O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA): - ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até a sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuano, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

- TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

- É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILlZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DOS PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA A UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO: .
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

A desativação do produto é feita através da exposição a altas temperaturas, em fornos ou autoclaves apropriadas.

- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento de ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Recomenda-se de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.
O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Para as culturas que durante o ciclo, exigem um elevado número de aplicações, recomenda-se:
• Realizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos, visando prevenir o aparecimento de fungos resistentes e prolongar a vida útil dos fungicidas na agricultura; utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados na bula;
• Incluir outros métodos de controle de doença (ex. resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados;
• Consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das recomendações locais para manejo de resistência.