Bula Protreat

acessos
Carbendazim + Thiram
3704
Novozymes

Composição

Carbendazim 150 g/L Benzimidazóis
Tiram 350 g/L Dimetilditiocarbamato

Classificação

Fungicida
IV - Pouco tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico, Contato
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum dematium)
150 a 200 mL p.c./100 kg de sementes - - Único. Não determinado. Tratamento de sementes
Fusariose
(Fusarium pallidoroseum)
150 a 200 mL p.c./100 kg de sementes - - Único. Não determinado. Tratamento de sementes
Mancha púrpura da semente
(Cercospora kikuchii)
150 a 200 mL p.c./100 kg de sementes - - Único. Não determinado. Tratamento de sementes
Podridão seca
(Phomopsis sojae)
150 a 200 mL p.c./100 kg de sementes - - Único. Não determinado. Tratamento de sementes

Tipo: Sachet
Capacidade: 100 mL
Material: laminado de poliéster mais polietileno
Rótulo: litografado
Tipo: Saco
Capacidade: 4; 5 e 10 litros
Material: laminado polietileno (PE) Rótulo: litografado, papel e auto-colante
Tipo: Tambor
Capacidade: 5; 10; 20 e 25 litros
Material: polietileno de alta densidade (PEADL) Rótulo: manga plástica, papel e auto-colante
Tipo: Tambor
Capacidade: 200 litros
Material: polietileno de alta densidade (HDPE) Rótulo: manga plástica, papel e auto-colante
Tipo: Ecobulk
Capacidade: 1000 e 1250 litros
Material: polietileno macromolecular de alta densidade (HDPE)
Rótulo: papel e auto-colante

INSTRUÇÕES DE USO:

CULTURA: Soja.

Obs: Obs.:1 litro de Protreat contém 150 g do ingrediente ativo Carbendazim e 350 g do ingrediente ativo Tiram.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
O produto é aplicado no tratamento das sementes em uma única vez, por ocasião da semeadura da soja.

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto deve ser misturado na quantidade recomendada com as sementes de soja utilizando um tambor giratório, ou qualquer máquina comercial própria, a fim de se obter um bom contato da semente com o produto, deixando-as cobertas. As sementes devem ser tratadas e semeadas no mesmo dia.

Equipamentos de Aplicação:
Informações sobre os equipamentos para tratamento de sementes:
~ Tambores Rotativos. Máauina Amazone Trans-Mix e Betoneiras: colocar uma quantidade de
sementes com peso conhecido no interior do equipamento de tratamento e adicionar a dose indicada do produto agitando até se obter a perfeita cobertura das sementes. O tempo da mistura (agitação) é variável em função de cada equipamento e da quantidade de sementes, e deve ser suficiente para que todo o produto cubra uniformemente as sementes. Atentar para que no final do tratamento não haja sobra de produto no fundo do equipamento utilizado.
Máquinas específicas com fluxo contínuo de sementes: o tratamento de sementes pode ser
realizado com diversos modelos de máquinas que operam desta maneira tais como Foresti, MecMac, Grasmec, Momesso, Gustafson, Mantis, Niklas entre outras. Observar cuidados especiais com a manutenção, regulagem e limpeza das unidades dosadoras de produtos, principalmente com a de formulações viscosas, pois restos de produtos secos nestas unidades podem reduzir a capacidade de volume interferindo na dose.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Não especificado devido à modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Vide Dados Relativos à Proteção da Saúde Humana.

LIMITAÇÕES DE USO:
- Fitotoxicidade para as culturas indicadas: na cultura da soja, nas doses recomendadas, o produto não apresenta qualquer efeito fitotóxico.
-As sementes tratadas serão destinadas unicamente para a semeadura, não sendo aptas para alimentação ou extração de óleo.
-Não aplicar com produtos de reação fortemente alcalina, bem como com qualquer outro agrotóxico.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA
Mecanismos de ação, absorção e excreção para o ser humano:
Tiram: Prováveis vias de exposição humana: Os ditiocarbamatos penetram no organismo principalmente via trato respiratório (na forma de aerossol e poeira), pele, membranas, mucosas e trato digestivo.
No organismo, o principal metabólito formado é o carbono dissulfeto, que contribui para a toxicidade do Tiram ao fígado. O Tiram não é membro da família química dos etileno(bis) ditiocarbamatos (EBDC), pois trata-se de um dimetil ditiocarbamato. Sendo assim, não é esperada a geração do metabólito etiletiuréia (ETU).
Carbendazim: As principais vias de exposição do homem a esta substância são a dieta e durante a fabricação e manuseio do produto. Os efeitos biológicos do Carbendazim resultam de interações com os microtúbulos celulares. Devido a pequena toxicidade aguda para mamíferos e baixa taxa de absorção dérmica, a intoxicação por essas substâncias é pouco provável nas condições normais de uso. Em estudos com ratos foi observado que o Carbendazim foi muito bem absorvido após exposição por via oral, cerca de 80 a 85%, mas muito menos após exposição dérmica. O composto absorvido foi rapidamente metabolizado em diversos metabólitos, sendo que os principais foram o 5-HBC e os 5,6- HOBC-N-oxides. Os metabólitos de menor importância foram o 5,6-DHBC-S e 5,6-DHBC-G.
A distribuição tecidual do Carbendazim demonstrou que não ocorreu bioacumulação em ratos e a concentração mais alta do Carbendazim após administração oral (< 1% da dose) foi determinada no fígado. O Carbendazim e seus metabólitos também foram encontrados nos rins de galinhas e de mamíferos de grande porte (vacas), e em níveis insignificantes nos outros tecidos. Pequenas quantidades de 5-HBC e 4-HBC foram encontradas no leite de vacas tratadas com administrações de
Carbendazim através da dieta.
em ratos.
O Carbendazim foi excretado pela urina e fezes em um período de 72 horas após a administração oral Em ratos e camundongos, altas doses de Carbendazim, administradas via oral (dieta ou gavagem), afetaram algumas enzimas microssomais hepáticas. As atividades das enzimas hidrolase stir e-7,8 e epóxido en e da glutationas S-transferase citossolica estavam aumentadas enquanto que a atividade da 7-hidroxecoumarin 0-deetilase estava reduzida.
Efeitos Agudos :
Tiram: A exposição aguda ao Tiram pode causar dores de cabeça, tontura, fadiga, náusea, diarréia e distúrbios gastrointestinais.
Pode ainda ser esperado, na exposição aguda via inalação, outros sintomas como irritação na região da traquéia, rouquidão, espirros, tosse, inflamação das vias aéreas e garganta, bronquite, vertigem, dores de cabeça, fadiga, náusea, diarréia e distúrbios gastrointestinais.
Carbendazim: Alguns casos de dermatite de contato foram relatados para aplicadores de Benomil (Benomil e Carbendazim são dois fungicidas diferentes, todavia o Carbendazim é o principal metabolito do Benomil nos mamíferos e na degradação ambiental. Em razão da similaridade do comportamento toxicológico, ambos foram avaliados conjuntamente pela FAO/WHO).
Efeitos Crônicos:
Ensaios realizados em trabalhadores de ambos os sexos, mostraram que os sintomas de intoxicação crônica são hiperfibrinogenemia, aumento na atividade fibrinolítica do sangue e irritação não específica dos elementos reticuloendoteliais que sintetizam fibrinógeno no fígado.
Os efeitos neurológicos incluíram polineurite simpática das mãos, disfunções simpático-vasculares, síndromes asteno-simpáticos e asteno-neuróticos, insuficiência hipotãlamo-mesodiencefálica disfunções da estrutura mesodiencefálica e depressão gante da atividade alfa
A exposição crônica à formulação pode ocasionar disfunções do sistema nervoso central e dano ocular, sensibilização dermal (por exposição oral segundo Goitre et al.,1981), dermatite (por exposição
dérmica, Lisi et al.,1987) bem como disfunções hepáticas, renais, estomacais, anemia e outras disfunções sanguíneas.
Recomenda-se realizar exames periódicos nas pessoas expostas ao produto, verificando a existência
dos ingredientes ativos da formulação na urina (Tiram não metabolizado e 5-HBC-metabólito do Carbendazim)
PRECAUÇÕES DE USO E RECOMENDAÇÕES GERAIS QUANTO À PRIMEIROS SOCORROS, ANTÍDOTOS E TRATAMENTO:
ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES
PRECAUÇÕES GERAIS:
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto;
- Não distribua o produto com as mãos desprotegidas;
- Não transporte este produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas; - Uso exclusivamente agrícola para tratamento de sementes.
- Não recomendado para aplicações foliares.
PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
Use protetor ocular.
- Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
Use máscaras cobrindo o nariz e a boca.
- Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de neoprene ou nitrila
- Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça de modo a evitar respingos.
- Use macacão com mangas compridas, óculos, luvas e máscara apropriada. PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Aplique somente as doses recomendadas;
- Use macacão com mangas compridas, óculos, luvas e máscara apropriada; - Não fume, beba ou coma durante a aplicação do produto;
- Não permita que crianças ou qualquer pessoa não autorizada permaneça na área em que estiver sendo aplicado o produto.
- Não recomendado o emprego de lonas plásticas para a aplicação do produto. - Não reaproveitar o mesmo saco para outros usos.
PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
- Não reutilize a embalagem vazia;
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
- Tome banho, troque de roupa. Lave suas roupas d rabalho separado das demais roupas de seus familiares;
- Dar manutenção necessária nos equipamentos de segurança. Atentar para o período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
PRIMEIROS SOCORROS: Procure imediatamente assistência médica em qualquer caso de suspeita de intoxicação, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
- Em caso de INGESTÃO, se o paciente estiver consciente, não provoque o vômito, procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
- Em caso de contato com os OLHOS, lave-os com água corrente em abundância e procure o médico. - Em caso de contato com a PELE, lave-a imediatamente com água e sabão em abundância e se houver irritação procure o médico.
- Em caso de INALAÇÃO, mova o paciente para lugar arejado e procure o médico.
SINTOMAS DE ALARME:
- Intoxicação leve: anorexia, dores de cabeça, debilidade, miose, enjôos.
- Intoxicação moderada: náuseas, sialorréia, lacrimejamento, dores abdominais, vômitos, ataxia.
- Intoxicação severa: hepatomegalia, congestão pulmonar, broncopneumonia, prostração, alterações
sanguíneas, disfunções hepáticas, renais, estomacais e intestinais, comprometimento do sistema simpático.
ANTÍDOTOS: não há antídoto específico.
TRATAMENTO MÉDICO: em caso de ingestão, realizar lavagem gástrica. Aplicar tratamento
sintomático e de suporte. O paciente deve permanecer em observação médica por um período de 72 horas.
TELEFONES PARA OS CASOS DE EMERGÊNCIA: Centro de Controle de Intoxicações: (11) 5012-5311 Vigna Comércio e Serviços Ltda. (11) 5084-2662

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é:
- Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I) - Muito Perigoso ao Meio Ambiente (Classe II)
- Perigoso ao meio ambiente (CLASSE III).
- Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV)
- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.
INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais.;
- A construção deve ser de alvenaria ou material não comburente.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados;
- Em casos de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas — ABNT.
-Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.
INSTRUÇÕES EM CASOS DE ACIDENTES:
- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa VIGNA COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. no telefone (0XX11) 5084-2662;
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores).
Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte a empresa registrante, através do telefone indicado no rótulo para
sua devolução e destinação final.
Solo: Retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse
material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d'água: Interrompa imediatamente a captação para consumo humano ou animal, contate o
órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem
adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.
PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E
DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
EMBALAGEM FLEXÍVEL
- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local
coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico
transparente (Embalagens Padronizadas — modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.
- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com
tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do prazo de
validade, Serpa facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do seu prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
- TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos,
rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens
Padronizadas — modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos canais de distribuição.
- LAVAGEM DA EMBALAGEM
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's — Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.
• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até 1/4 do seu volume; - Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador; - Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.
• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de e. uteamentos de lava em sob ressão se uir os se uintes rocedimentos.
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar e*U1 eamento inde endente ara lava em sob sressão adotar os se uintes rocedimentos:
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente lavadas.
, separadamente das embalagens não O armazenattiento dás embalagens vazias, até sua devolução pelo usliario, deve ser efetuado em guardadas as enibalágens cheias.
local cobétio, veritiládo, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde - DEVOLUÇÃO DA EMBALAGElVI VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro do prazo de validade.
validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do seu prazo de O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
EMBALAGEM SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)
- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local embalagens cheias.
coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as - DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.
- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser
realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.
- É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.
- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
Métodos de desativação:
Evaporação da água em sistema aberto com uso de filtro tipo "scrubber" ácido mais base e/ou carbono ativado. Calcinação do resíduo sólido, em fomo pirolítico a 1200° C provido de filtro de gases análogo ao anterior. Confinamento das cinzas em órgãos habilitados para o tratamento das mesmas.
Recomenda-se não queimar os dejetos ocasionados pelo uso e manipulação deste fungicida a céu aberto. Os vapores resultantes podem ser tóxicos aos humanos e ocasionar danos aos animais e plantas dos arredores, além de contaminar o ar com produtos responsáveis pela formação de "chuva ácida".
TRANSPORTE DE AGROTOXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que
inclui o acompanhamentos da ficha de emergência do produto, bem como determina que os
agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.