Bula Sanmite - Iharabras

Bula Sanmite

CI
Piridabem
7394
Iharabras

Composição

Piridabem 200 g/L

Classificação

Terrestre
Acaricida
2 - Produto Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato

Frascos de alumínio: 0,25; 0,5; 1; 1,5 e 5 L. Frascos de Coex: 0,25; 0,5; 1; 1,5 e 5 L. Vidro: 0,25; 0,5; 1; 1,5 e 5 L.

INSTRUÇÕES DE USO

MODO E EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

Sanmite deve ser misturado com água, formando-se uma emulsão, que deve ser aplicada por pulverização sobre as partes das plantas a proteger. Como o produto tem ação de contato, é importante usar um volume de calda que permita uma boa cobertura, até o início de escorrimento.
Este produto pode ser aplicado por via terrestre, através de equipamentos pulverizadores costais (manuais ou motorizados) e tratorizados, conforme recomendação para cada cultura.
Utilize sempre tecnologias de aplicação que ofereçam boa cobertura das plantas.
As recomendações para aplicação poderão ser alteradas à critério do Engenheiro Agrônomo responsável, respeitando sempre a legislação vigente na região da aplicação, a especificação do fabricante do equipamento e tecnologia de aplicação empregada.

Citros:
- Ácaro-da-falsa-ferrugem: ocorre com maior frequência na parte externa da copa das plantas, pelo que o tratamento pode ser feito com pulverizador turbinado ou com pistolas de jato regulável.

- Ácaro-da-leprose: ocorre com maior frequência na parte interna da copa das plantas, pelo que é preferível o tratamento com pistolas de jato regulável, sendo opcional, contudo, o uso de pulverizador turbinado.

Maçã:
- Ácaro-vermelho-europeu: pulverizador turbinado ou pistolas de jato regulável.

Rosa e Crisântemo:
- Ácaro-rajado: pulverizador costal manual, pulverizador estacionário ou, em grandes extensões, pulverizador tracionado, com barras de bicos; usar bicos de jato cônico cheio.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Citros e maça: 21 dias.
Crisântemo e rosa: Uso não alimentar.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da completa secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Não efetuar o tratamento quando se prever chuvas para as próximas horas.
Não há, desde que siga corretamente as instruções de uso.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.


De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriados.

A resistência de pragas a agrotóxicos ou qualquer outro agente de controle pode tornar-se um problema econômico, ou seja, fracassos no controle da praga podem ser observados devido à resistência. O acaricida SANMITE pertence ao grupo 21A (inibidores do complexo I da cadeia de transporte de elétrons na mitocôndria) e o uso repetido deste inseticida ou de outro produto do mesmo grupo pode aumentar o risco de desenvolvimento de populações resistentes em algumas culturas. Para manter a eficácia e longevidade do SANMITE como uma ferramenta útil de manejo de pragas agrícolas, é necessário seguir as seguintes estratégias que podem prevenir, retardar ou reverter a evolução da resistência: Adotar as práticas de manejo a inseticidas, tais como:
• Rotacionar produtos com mecanismo de ação distinto do Grupo 21A. Sempre rotacionar com produtos de mecanismo de ação efetivos para a praga alvo.
• Usar SANMITE ou outro produto do mesmo grupo químico somente dentro de um “intervalo de aplicação” (janelas) de cerca de 30 dias.
• Aplicações sucessivas de SANMITE podem ser feitas desde que o período residual total do “intervalo de aplicações” não exceda o período de uma geração da praga-alvo.
• Respeitar o intervalo de aplicação para a reutilização do SANMITE ou outros produtos do Grupo 21A.
• Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis das pragas a serem controladas.
• Adotar outras táticas de controle, previstas no Manejo Integrado de Pragas (MIP) como rotação de culturas, controle biológico, controle por comportamento etc., sempre que disponível e apropriado.
• Utilizar as recomendações e da modalidade de aplicação de acordo com a bula do produto.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e para a orientação técnica na aplicação de inseticidas.
• Informações sobre possíveis casos de resistência em insetos e ácaros devem ser encaminhados para o IRAC-BR (www.irac-br.org.br) ou para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (www.agricultura.gov.br).