Bula Sempra

acessos
Halosulfuron-methyl
7594
Arysta Lifescience

Composição

Halosulfuron-methyl 750 g/kg Sulfoniluréias

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Seletivo, Sistêmico
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Tiririca
(Cyperus rotundus)
150 g p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 40 a 50 L de calda/ha (aéreo) Única. Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego. 30 a 40 dias após o plantio ou cultivo da cana-de-açúcar, quando a planta daninha deverá estar no final da fase vegetativa ou início do florescimento

Tipo: Embalagem
Material: Hidrossolúvel ou de papel(aluminizado ou plastificado) acondicionada em caixa de papelão de 1,5 kg
Capacidade: 150 g.

Tipo: Saco
Material: Papel, plástico, polietileno ou metalizado
Capacidade: 10; 15; 20; 30; 40; 50; 60; 75; 100; 200; 250; 500; 600 e 750 g.

Tipo: Caixa, frasco ou cartucho.
Material: Papel, metálico ou plástico
Capacidade: 1,0; 1,5; 2,0; 3,0; 2,5; 4,0; 4,5; 6,0; 8,0; 15 e 25 kg.

Tipo: Tambor
Material: Metálico ou plástico
Capacidade: 250 kg.

Tipo: Tambor
Material: Metálico
Capacidade: 20; 50; 100; 150 e 200 kg.

Tipo: Container
Material: Metálico ou em estrutura de madeirite naval com bolha
Capacidade: 100; 200; 500; 1.000; 1.100; 1.200; 1.300; 1.500 e 20.000 kg.

Tipo: Big-bag
Material: Tecido com proteção impermeável
Capacidade: 100; 150; 200; 250; 300; 400; 500; 750; 1.000; 1.500; 2.000; 5.000 e 10.000 kg.

INSTRUÇÕES DE USO:

SEMPRA deve ser aplicado em pós-emergência das plantas daninhas.

CULTURA: Cana-de-açúcar.

PLANTAS DANINHAS e DOSE:

Nome Comum: Tiririca
Nome Científico: Cyperus rotundus
DOSE: 150 g/ha

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

SEMPRA, aplicado no período adequado, conforme recomendação, controlará a tiririca, com uma única aplicação.

O melhor período para controlar a tiririca com a aplicação de SEMPRA é de 30 a 40 dias após o plantio ou cultivo da cana-de-açúcar, quando a planta infestante deverá estar no final da fase vegetativa ou início do florescimento.

Importante: Aplicar SEMPRA quando a tiririca estiver em boas condições de desenvolvimento sem efeito de stress hídrico (condições de seca).

MODO DE APLICAÇÃO:

SEMPRA pode ser aplicado através de equipamentos terrestres ou aéreos, observando-se as recomendações que se seguem:

Recomendações Gerais:

* Para a cultura indicada, aplica-se SEMPRA em área total, em pós-emergência, independente do estádio de desenvolvimento e da variedade, tanto para cana planta como para cana soca, pois o produto é totalmente seletivo à cultura de cana-de-açúcar.

* Quando a cultura estiver muito desenvolvida, realizar aplicação com pingente, para evitar possível efeito guarda-chuva.

A eficiência do produto é visualizada entre o 7º e o 10º dia após o tratamento.

Aplicação Terrestre:

EQUIPAMENTO: Tratorizado
TIPO DE BICO: 80.03/80.04
VAZÃO (L/ha): 200-400
PRESSÃO (LB/POL2): 30-40
TAMANHO DE GOTAS (mM): 300-600
DENSIDADE (GOTAS/cm2): 30-40

EQUIPAMENTO: Convencional
TIPO DE BICO: 110.03/110.04
VAZÃO (L/ha): 200-400
PRESSÃO (LB/POL2): 30-40
TAMANHO DE GOTAS (mM): 300-600
DENSIDADE (GOTAS/cm2): 30-40

EQUIPAMENTO: Costal manual
TIPO DE BICO: 80.02/110.02
VAZÃO (L/ha): 300-400
PRESSÃO (LB/POL2): 20-30
TAMANHO DE GOTAS (mM): 200-600
DENSIDADE (GOTAS/cm2): 20-30

Observação: SEMPRA nas aplicações terrestres deve ser aplicado em mistura com surfactante (à base de Nonil fenol etoxilado, ou preferencialmente, à base de Polioxietileno amina) na concentração de 0,5% v/v.
Aplicação Aérea:
- Aeronaves de asa fixa, Ipanema (qualquer modelo).
As aeronaves deverão estar equipadas com barras e bicos de jato cônico da série D (D7-46; D12-45; D14-45; D16-45 ou 8015) ou similar, com difusores em cone adequado a uma cobertura uniforme sem escoamento do produto, de forma a obter uma deposição mínima sobre o alvo de 20 gotas/cm2 com DMV 420-450 micra, a pressão aproximada de 30 psi.

Nestes aviões deverá ser utilizada barra de pulverização, com um total de 40-42 bicos. Os bicos da extremidade da asa em número de 4-5 em cada uma delas deverão ser fechados a fim de evitar a influência e arraste das gotas de pulverização pelos vórtices da ponta da asa. Os bicos da barriga em número de 8, deverão permanecer abertos e no mesmo ângulo dos bicos utilizados nas asas.
A faixa de deposição será de 15 m para qualquer modelo do avião Ipanema, com a aeronave voando entre 3 a 5 m em relação ao alvo de deposição. Utilizar um volume de água de 40 a 50 litros por hectare.
Para outros tipos de aeronave consultar o Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da HOKKO DO BRASIL.
Condições climáticas:
- Temperatura máxima:. 28oC
- Umidade Relativa Mínima: 55%
- Velocidade do Vento Máximo: 10 Km/h (3 m/s)

Observação: SEMPRA nas aplicações aéreas deve ser aplicado em mistura com surfactante (à base de Nonil fenol etoxilado, ou preferencialmente, à base de Polioxietileno amina) na dose de 1,0 litro por hectare.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
- cana-de-açúcar
(1) Intervalo de segurança não determinado devido a modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
O produto deve ser aplicado segundo as recomendações constantes do rótulo e da bula.

Restrições de Uso:
- Sob ameaça de chuva, suspenda a aplicação. Caso ocorra chuva nas primeiras 3 horas após a aplicação, a eficiência do produto pode diminuir. Este intervalo de tempo é necessário para a absorção do produto pelas folhas e sua translocação pela planta.

- Não capinar ou roçar ou gradear as plantas infestantes antes ou até um período de 48 horas após a aplicação de SEMPRA.

- O produto não deve ser aplicado com solo seco e/ou com a planta infestante apresentando stress hídrico.

- O produto não deve ser aplicado sem adição de surfactante e com volume de pulverização menor que 200 L/ha nas aplicações terrestres, com barra ou pulverizador costal.

PRECAUÇÕES GERAIS: Leia e siga as instruções do rótulo e desta bula; Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação, use macacão com mangas compridas, botas, óculos e máscaras protetoras; Mantenha o produto afastado de crianças e animais domésticos; Não coma, não beba e não fume durante o manuseio ou aplicação do produto; Mantenha o produto afastado de alimentos ou ração animal; Não utilize equipamentos com vazamentos; Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA: Utilize os equipamentos de proteção; Manuseie o produto em local arejado; Evite contato do produto concentrado com a pele, olhos, caso isso aconteça lave imediatamente o local e siga as recomendações de Primeiros Socorros; Observe atentamente as recomendações do rótulo e da bula visando utilizar as doses adequadas; Ao abrir a embalagem, fazê-lo de modo a evitar contato com o produto.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Utilizar equipamentos de proteção, macacão com mangas compridas, luvas, óculos, botas e máscara protetora; Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes; Mantenha afastado das áreas de aplicação, crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas; Aplique sempre as doses recomendadas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Após a aplicação do produto remova o equipamento de proteção, tome banho e lave as roupas; Mantenha o restante do produto adequadamente fechado e armazenado; Observar que a Reentrada de pessoas na área só deve ser permitida após a completa secagem da calda de pulverização aplicada.

PRIMEIROS SOCORROS: Procure imediatamente assistência médica em qualquer caso de suspeita de intoxicação; Sempre que for ao médico devido ao manuseio ou aplicação de um agrotóxico, deve-se levar uma embalagem com o rótulo legível ou a bula. INGESTÃO: Em caso de ingestão provoque vômito e procure um médico. OLHOS: Evite o contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e, se persistir a irritação, procure um médico. PELE: Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água e sabão em abundância e se persistir a irritação procure um médico. INALAÇÃO: Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isso aconteça, procure local arejado e, se houver sinais de intoxicação, procure um médico.

SINTOMAS DE ALARME: Irritação ocular é o principal problema que pode ocorrer com o produto.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO: Não há antídoto específico, devendo ser feito o tratamento sintomático.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: Estudos de metabolismo com produto marcado, demonstram sua rápida eliminação através das fezes e urina, sendo que, devido a sua intensa metabolização, apenas pequena quantidade do produto não metabolizado foi detectado. Menos de 1% do produto foi expelido como CO2.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: O herbicida SEMPRA é levemente tóxico por exposição oral aguda, praticamente não tóxico por exposição dérmica aguda, moderadamente irritante para os olhos e levemente irritante para a pele. Não é um sensibilizante dérmico. Outros estudos indicam que o produto não apresenta potencial de produzir toxicidade sub-crônica ou crônica, genotoxicidade, oncogenicidade, toxicidade no desenvolvimento e reprodução.

EFEITOS COLATERAIS: Todos os estudos demonstram que o produto não apresenta efeito colateral, quando utilizado de acordo com as instruções de Rótulo e Bula.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO ao meio ambiente.Este produto é ALTAMENTE MÓVEL no meio ambiente, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas.Este produto é ALTAMENTE TÓXICO a algas. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa.ARYSTA LIFESCENCE DO BRASIL INDUSTRIA QUÍMICA E AGROPECUÁRIA LTDA.Telefone de emergência (15)32921161. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais, siga as instruções: Piso pavimentado: Absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água; Solo: Retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada; Corpos d'água: Interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido; Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens deverão ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 m de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertências (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas de abrangência do Programa nacional de recolhimento e destinação adequada de embalagens de agrotóxicos, consulte o órgão estadual de meio ambiente.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.
Recomenda-se, de modo geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.