Bula Success*0,02 CB

acessos
Espinosade
5606
Dow AgroSciences

Composição

Espinosade 0.24 g/L Espinosinas

Classificação

Inseticida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Isca Concentrada (CB)
Não Classificado
Abacate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Anonáceas Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Cacau Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha - - 7 a 14 dias. 14 dias. Contatada presença de adultos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha - - 7 a 14 dioas. 14 dias. Contatada presença de adultos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha - - 7 a 14 dias. 14 dias. Contatada presença de adultos
Kiwi Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
0,8 a 1,6 L p.c./ha - - 7 a 14 dias. 3 dias. Contatada presença de adultos
Mamão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Manga Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Maracujá Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Romã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca da carambola
(Bactrocera carambolae)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca das frutas
(Anastrepha obliqua)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca do mediterrâneo
(Ceratitis capitata)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
1 a 1,6 L p.c./ha 2,5 a 4 L de calda/ha - Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. Realizar no máximo seis aplicações. 1 dia. Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos

Conteúdo: 1; 5; 9,5; 10; 20 e 208 L.

INSTRUÇÕES DE USO:

SUCCESS*0,02 CB é uma isca inseticida indicada para as culturas de citros e manga, no controle da mosca-das-frutas (Ceratitis capitata e Anastrepha obliqua) e como instrumento no programa preventivo de controle da mosca-da-carambola (Bactrocera carambolae) considerada praga quarentenária A2 no Brasil.

CULTURAS/DOSES/PRAGAS CONTROLDAS: Vide seção "Indicações de Uso/Doses".

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

Iniciar as aplicações assim que o monitoramento através de armadilhas indicar a presença de adultos da mosca ou 2 ou 3 semanas antes do início do amadurecimento de frutos.
Repetir a aplicação a cada 7 a 14 dias, sendo o intervalo menor em períodos chuvosos e amadurecimento de frutos. SUCCESS*0,02 CB é um produto resistente à lavagem; porém, poderá perder sua atratividade/efetividade se exposto à chuva ou irrigação.
Fazer no máximo 6 (seis) aplicações.
A menor dose é recomendada pra o controle em baixas infestações e a maior dose em altas infestações.

MODO DE APLICAÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:

SUCCESS*0,02 CB é uma isca concentrada que deve ser misturada com água na proporção de 1 parte de produto para 1,5 partes de água. Primeiramente adicionar metade do volume de água, o volume total de SUCCESS*0,02 CB e então o restante da água. Fazer agitação constante da solução para assegurar uniformidade na aplicação. Após a diluição SUCCESS*0,02 CB deve ser utilizado em no máximo 24 horas.
Para otimização de utilização da isca deve-se trabalhar com gotas de 4000 a 6000 µ (4-6 mm). Em aplicações aéreas com ultra baixo volume utilizar bicos que produzam gotas grandes e atinjam a densidade de 20 a 80 gotas por metro quadrado. Utilizar quatro bicos por barra e altura de vôo de 100 metros. Em aplicações terrestres pulverizar 1 metro quadrado de copa por planta em um dos lados da mesma. A aplicação pode ser realizada com costal manual ou costal pressurizado, a uma pressão de 25-50 libras e utilizando-se de pistola de pulverização com recipiente dosador, que permitam em geral a calibração de volumes de 1 a 16 mL. Utilizar disco número 5 (D5).

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Citros: 14 dias.
Maçã: 3 dias.
Manga: 1 dia.


LIMITAÇÕES DE USO:
Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula.
Fitotoxicidade para as culturas indicadas:
Aplicado de acordo com as instruções de uso, SUCCESS*0,02 CB não apresenta fitotoxicidade para as culturas indicadas.
Outras restrições a serem observadas:
Não aplique na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes do dia.

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.

PRODUTO PERIGOSO.

USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:

• Produto para uso exclusivamente agrícola;
• Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas;
• Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto;
• Não utilize Equipamentos de Proteção Individual (EPI) danificados;
• Não utilize equipamentos com vazamentos ou com defeitos;
• Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca;
• Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
• Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:

• Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente com água corrente e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e SIGA AS ORIENTAÇÕES DESCRITAS EM PRIMEIROS SOCORROS.
• Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
• Utilize equipamento de proteção individual: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, avental impermeável, viseira facial, luvas, botas de borracha, máscara descartável cobrindo nariz e boca.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:

• Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
• Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação.
• Não aplique o produto na presença de vento e nas horas mais quentes do dia.
• Mantenha crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas afastados das áreas de aplicação.
• Utilize equipamento de proteção individual: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, avental impermeável, viseira facial, luvas, botas de borracha, máscara descartável cobrindo nariz e boca.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:

• Não reutilize a embalagem vazia.
• Mantenha o restante do produto adequadamente fechado na embalagem original, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
• Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
• Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
• Troque e lave as roupas de proteção separado das demais roupas da família.
• Ao lavar as roupas utilizadas/contaminadas, utilize luvas e avental impermeável.
• No descarte de embalagens vazias use EPI (macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas, avental impermeável, luvas e botas).
• Não entre na área tratada com o produto até o término do intervalo de reentrada (24 horas).
PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
Ingestão: NÃO PROVOQUE VÔMITO.
Olhos: Lave com água corrente em abundância durante 15 minutos.
Pele: Lave com água corrente em abundância.
Inalação: Procure lugar arejado.
Antídoto e Tratamento Médico de Emergência:
Não há antídoto específico. Tratamento sintomático.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

Em estudos com ratos, o produto radiomarcado administrado oralmente em doses de até 100 mg/kg de peso vivo foi rapidamente absorvido, metabolizado e excretado. A rota de absorção foi ingestão e a principal rota de excreção foi fecal para ambos os fatores (A e D). Cerca de 80% do fator A e 66% do fator D foram absorvidos, sendo que 20% do fator A e 34% do fator D foram excretados sem absorção.
Após 48 horas da administração da dose, 60 e 80% dos fatores A e D, respectivamente, foram recuperados na urina e fezes. A maior rota de metabolismo e excreção aparentemente foi a conjugação com glutathione, posterior secreção pela bile e excreção através das fezes . A meia vida variou de 25-42 horas.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

a) Efeitos por exposição aguda:
DL50 oral para ratos: >5.000 mg/kg
DL50 dérmica para coelhos: >5.000 mg/kg Irritabilidade dérmica: O produto foi considerado não irritante para pele de
coelhos, com eritema reversível em 48 horas.
Irritabilidade ocular: vermelhidão 1 hora após a instilação do produto, reversível dentro de 24 horas, indicando que o produto não foi considerado irritante aos olhos.

b) Efeitos por exposição crônica:Em estudo crônico realizado por dois anos com ratos recebendo administração
diária, o grupo de animais que recebeu doses superiores às máximas toleradas apresentou diminuição de peso e aumento na mortalidade.

SINTOMAS DE ALARME:
Não são conhecidos.
Grupo químico Espinosinas
Classe toxicológica Classe III – Medianamente Tóxico
Mecanismos de toxicidade
Estimulação dos receptores nicotínicos da acetilcolina das células pós-sinápticas, com possível atuação no sistema GABA; susceptível de causar excitação dos motoneuronas.
Vias de absorção Digestiva (sobretudo alimentar) e cutâneo-mucosa.
Possível absorção respiratória nas atividades profissionais realizadas acima de 20oC

Sintomas e sinais clínicos

Irritação e dor ocular.

Irritação cutânea.

Em caso de grande absorção, pode aparecer uma síndrome nicotínica: midríase, mialgia, fasciculações musculares, tremores e fraqueza.
Pode haver paralisia de musculatura respiratória levando à morte. Taquicardia e hipertensão arterial podem manifestar-se. Exposição crônica ou repetida: possibilidade de lesões renais e hepáticas – vacuolização intra-citoplasmática, com acumulação de fosfolipídios.
Toxicocinética Após absorção o produto é rapidamente metabolizado e eliminado pelas fezes e pela urina.
Diagnóstico Noção de exposição aguda, crônica ou repetida. Sinais clínicos.

Tratamento

Utilizar luvas e avental durante a descontaminação:
Remover roupas e acessórios e lavar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos, com água corrente abundante e sabão neutro.
Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, colocando a cabeça em posição lateral para evitar a contaminação do outro olho.
Em caso de ingestão importante, proceder à lavagem gástrica e administrar carvão ativado. Atentar para nível de consciência e protege as vias aéreas do risco de aspiração.
Suporte e tratamento sintomático: Manter vias aéreas permeáveis, se necessário através de intubação oro-traqueal, aspirar secreções e oxigenar. Atenção especial para fraqueza de musculatura respiratória e parada respiratória repentina, hipotensão e arritmias cardíacas.
Adotar medidas de assistência ventilatória, se necessário, e controlar função renal e hepática.
Efeitos sinérgicos Não há relatos.

Atenção

As Intoxicações por Agrotóxicos estão incluídas entre as Enfermidades de Notificação Compulsória. Comunique o caso e obtenha informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento através dos Telefones de Emergência.
PARA INFORMAÇÕES MÉDICAS:
Disque-Intoxicação: 0800-722-6001 - Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica RENACIAT - ANVISA/MS Telefone de Emergência da empresa: 0800-7710032

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa publica ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas – IRAC-BR, recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:
•Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
•Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula.
•Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.
•Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, Biológico, etc...) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.