Bula Sulfure 750 - Bio Soja

Bula Sulfure 750

acessos
Enxofre
1793
Bio Soja

Composição

Enxofre 750 g/L Inorgânico

Classificação

Acaricida, Fungicida
IV - Pouco tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Contato

Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro vermelho
(Oligonychus ilicis)
3 L p.c./ha 400 L de calda/ha - 15 dias. Sem restrição. Logo após o aparecimento da praga
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da falsa ferrugem
(Phyllocoptruta oleivora)
125 a 250 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - 15 dias. Sem restrição. Início do ataque, ou quando 10 % ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ácaros / cm²
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Erysiphe polygoni)
320 mL p.c./100L água 500 L de calda/ha - 20 dias. Sem restrição. Preventivo, ou no início do ataque da praga
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Microsphaera diffusa)
2 L p.c./ha 400 L de calda/ha - 21 dias. Sem restrição. No aparecimento dos primeiros sintomas da doença
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Uncinula necator)
200 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - 21 dias. Sem restrição. No aparecimento dos primeiros sintomas

Frascos Plásticos com 0,2 e 1,0 L; Bombona de 3,5 e 5 L; Balde e Bombona de 21 L.
Saco de PEBD - 5L
Caixa de papelão do tipo Kraft contendo 4 sacos de PEBD - 5L

INSTRUÇÕES DE USO / CULTURAS / PRAGAS / DOSES:
SULFURE 750 é um fungicida/acaricida de contato do grupo químico dos inorgânicos, indicado para o controle das doenças nas culturas de café, citros, feijão, soja e uva.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

CAFÉ: Realizar uma aplicação logo após o aparecimento do ácaro-vermelho. Em caso de reinfestação, reaplicar o Sulfure 750 com intervalo de 15 dias.

CITROS: Efetuar o tratamento no início do ataque ou quando 10% ou mais das partes vistoriadas apresentarem 20 ou mais ácaros por cm2. Em caso de reinfestação, reaplicar o Sulfure 750 com intervalo de 15 dias.

FEIJÃO: Tratar preventivamente e repetir a aplicação após 20 dias ou no início do ataque do oídio.

UVA: Tratar preventivamente e reaplicar o Sulfure 750 após 14 dias ou caso ocorra reinfestação do oídio.

SOJA: Realizar uma aplicação no aparecimento dos primeiros sintomas da doença e reaplicar Sulfure 750 após 14 dias, caso haja reinfestação.

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto deve ser misturado em água e aplicado utilizando-se pulverizadores tratorizados de barra ou manuais providos de bicos cônicos. No caso de utilização de atomizadores ou pistola, providenciar uma boa cobertura de pulverização nas plantas. Para preparar a calda, despejar o produto sobre a água, agitando lentamente até a formação de uma calda homogênea, mantendo-a sob constante agitação e utilizando-a no mesmo dia da preparação.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
O produto é incompatível com substâncias ou produtos alcalinos, formulações oleosas e dinitros.

Outras restrições a serem observadas:
- Sulfure 750 deve ser aplicado, de preferência, de manhã ou à tarde, evitando as horas mais quentes do dia;
- Evitar aplicação em dias quentes;
- Não se recomenda a aplicação do produto durante a florada;
- Evitar a aplicação do produto dentro de um intervalo de 30 dias antes ou após a utilização de óleos ou produtos oleosos;
- Não pulverizar em dias de vento e contra o vento.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL A SEREM UTILIZADOS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS).

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:
Vide MODO DE APLICAÇÃO.

DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TRÍPLICE LAVAGEM DA EMBALAGEM OU TECNOLOGIA EQUIVALENTE:
(Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA).

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO, DESTINAÇÃO, TRANSPORTE, RECICLAGEM, REUTILIZAÇÃO E INUTILIZAÇÃO DAS EMBALAGENS VAZIAS:
(Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA).

INFORMAÇÕES SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A DEVOLUÇÃO E DESTINAÇÃO DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
(Vide recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA).

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamento. Não desentupa, bicos, orifícios e válvulas com a boca.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: O produto é irritante para os olhos. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Produto irritante para a pele. Use macacão com mangas compridas, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, máscara apropriada, luvas e botas. Manuseie o produto em local arejado.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Provoque vômitos e procure logo o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: Lave com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: Procure lugar arejado e vá ao médico, levando a embalagem, rótulo ou receituário agronômico do produto.

ANTÍDOTO: Não existe antídoto específico para intoxicações com enxofre.

TRATAMENTO MÉDICO: Tratamento sintomático. No caso de acidente com o produto, chame imediatamente um médico, levando a embalagem ou rótulo do produto.

TELEFONES DE EMERGÊNCIA: Centro de Controle de Intoxicações - UNICAMP: Fone / Fax (19) 3788-7573. Telefone da Empresa: (16) 687-1811 / Fax (16) 687-1814.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: após ingestão de grandes quantidades, o enxofre apresenta efeito laxativo e ocasionalmente pode causar irritações da pele e mucosas dos olhos. No caso de ingestão de grandes quantidades, provocar vômitos adicionando ao paciente salmoura; não provocar vômito se o paciente estiver inconsciente. Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca. Não dê nada via oral a uma pessoa inconsciente.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: AGUDOS: Tem ação sobre o sistema nervoso central. Crônicos: Pode ocorrer estimulações das enzimas microssômicas hepáticas.

EFEITOS COLATERAIS: Cefaléia persistente, contrações musculares, convulsões, parestesias (face, lábio e mão), perturbações do equilíbrio, mal estar em geral, hepatomegalia, lesões hepáticas e renais, pneumonite.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é POUCO PERIGOSO ao meio ambiente. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto -siga as instruções constantes no item Destinação adequada de Resíduos e Embalagens. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não 'comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os, dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças e animais domésticos. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre os bueiros, drenos ou cursos de águas naturais, siga as instruções: Piso pavimentado: Absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio da uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água. Solo: retirar as camadas de terra contaminada até atingir o. solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada. Corpos d'água -interromper imediatamente o consumo humano e animal e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser enxaguadas 3 vezes (tríplice lavagem) e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água.

O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma percolação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 m de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas. Reservar uma área suficiente para instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TOXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcáreo para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno.

Fica proibido e enterrio de embalagens em áreas de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINACÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS, consulte o órgão estadual de meio ambiente.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE INTEGRADO DE PRAGAS:
Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das pragas, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.
O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, inseticidas, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA:
ACARICIDA:
• Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto-alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência à inseticidas (MRI) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas.
• Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.

FUNGICIDA:
• Qualquer agente de controle de patógenos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o patógeno alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência a fungicidas (MRF) é possível prolongar a vida útil dos mesmos.
• Qualquer produto para o controle de patógeno da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre recomendações locais para o MRF.
• Incluir outros métodos de controle de fungos, dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.

Compatibilidade

Incompatível com óleo mineral.