Bula Targa 50 EC - Nissan

Bula Targa 50 EC

CI
Quizalofope-P-etílico
3897
Nissan

Composição

Quizalofope-P-etílico 50 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea
Herbicida
4 - Produto Pouco Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Seletivo

Frasco plástico ou metálico: 0,1;0,15;0,2;0,25;0,5;1,0;1,5;2; 2,5 e 3 L
Bombona, balde plástico ou metálico: 4,5,8,10,15,20,25 e 50 L
Tambores plásticos ou metálicos: 100,200,250,500 e 1000 L
Tanque container estruturado, em aço inox, com proteção anticorrosiva: 1000,2000,5000,10000,15000,20000,13000 e 25000 L.

INSTRUÇÕES DE USO

TARGA 50 EC é um herbicida graminicida seletivo recomendado para as culturas de soja, feijão, algodão, tomate, cebola e amendoim.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Para um melhor controle das plantas daninhas, aplicar o produto em pós-emergência das plantas daninhas, quando estas estiverem em pleno desenvolvimento vegetativo e no máximo com 4 perfilhos. Não há necessidade de adição de óleos ou espalhante adesivo no momento da aplicação do produto.

MODO / EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO

TARGA 50 EC deve ser aplicado em pós-emergência das plantas daninhas, devendo ser utilizados bicos de jato cônico vazio. Os bicos de jato leque também poderão ser utilizados, entretanto, os mesmos formam um espectro de gotas relativamente largo, sendo necessário empregar pressões muito altas, ocasionando produções de gotas muito finas e com perdas acentuadas destas gotas, ou por evaporação, ou por desvio de deposição no alvo. Os bicos dos equipamentos terrestres deverão estar espaçados entre si de 50 cm e com uma altura em relação ao topo das ervas de 50 cm, de maneira a termos toda nuvem de pulverização uniformemente distribuída na faixa de deposição e as gotas poderem penetrar e envolver adequadamente as plantas daninhas. Com aviões agrícolas, para todas as culturas citadas anteriormente, utilizar bicos de jato cônico. Para avião Ipanema (qualquer modelo), utilizar 40 a 42 bicos com ângulo de operação entre 110-180 graus de maneira a se obter o tamanho da gota com DMV recomendado. Em função do volume de calda a ser utilizado com aviões não é recomendado o uso de micronair na aplicação deste produto.

Volume de aplicação

Nas aplicações terrestres utilizar um volume de 200 a 400 L/ha. Nas aplicações com avião utilizar um volume de 40 L/ha. Altura de voo: Com aviões Ipanema, efetuar a aplicação entre 4 e 5 metros em relação ao alvo desejado.

Faixa de aplicação

Para equipamentos terrestres, deverá ser utilizada a faixa correspondente à largura da barra de pulverização empregada. Para aviões do tipo Ipanema (qualquer modelo), a faixa será de 15 metros. Tamanho e densidade das gotas: Devemos obter um tamanho de gotas com DMV de 130 a 150 micrômetros e densidade sobre o alvo desejado de no mínimo 60 gotas/cm².

Condições climáticas

Temperatura máxima: 27ºC
Umidade relativa do ar: mínimo 55%
Velocidade de vento: máximo 10km/h (3m/seg)
Em aplicações com qualquer tipo de equipamento, observar as condições climáticas recomendadas, considerando que a umidade relativa do ar é o fator mais importante, já que determina uma maior ou menor evaporação das gotas ocasionando uma deposição irregular ou desvio acentuado do alvo desejado.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Algodão: 28 dias
Amendoim: 15 dias
Cebola: 14 dias
Feijão e Soja: 30 dias
Tomate: 4 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Intervalo de reentrada para todas as culturas é de 24 horas. Mantenha afastados da área de aplicação crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas.Caso necessite entrar na área tratada antes de 24 horas ou se as partes tratadas estiverem úmidas, use macacão e avental impermeáveis, luvas e botas de borracha, chapéu impermeável de abas largas, máscara com filtro de carvão ativado e óculos protetores.

LIMITAÇÕES DE USO

O produto não é fitotóxico para as culturas indicadas, desde que observadas as recomendações de uso.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas daninhas a ele resistentes. Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.