Bula Visor 240 EC

acessos
Tiazopir
2498
Dow AgroSciences

Composição

Tiazopir 240 g/L Ácido piridinocarboxílico

Classificação

Herbicida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Seletivo
Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
1 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - Não determinado. Pré-emergência das plantas infestantes e pré ou pós-emergência da cultura
Capim colonião
(Panicum maximum)
1 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - Não determinado. Pré-emergência das plantas infestantes e pré ou pós-emergência da cultura
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
1 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - Não determinado. Pré-emergência das plantas infestantes e pré ou pós-emergência da cultura
Grama batatais
(Paspalum notatum)
1,5 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - Não determinado. Pré-emergência das plantas infestantes e pré ou pós-emergência da cultura
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
1 L p.c./ha 200 a 400 L de calda/ha 30 a 50 L de calda/ha (aéreo) - Não determinado. Pré-emergência das plantas infestantes e pré ou pós-emergência da cultura

Conteúdo: 1, 5, 10, 20, 50, 100 e 200 L.

ÉPOCA DE APLICAÇÃO: Cana-planta: aplicar logo após o plantio;Cana-soca:aplicar após o corte e tratos culturais, em pré-emergência das plantas infestantes pré ou pós-emergência da cultura.Pode-se utilizar em qualquer época do ano, tanto na estação chuvosa como na seca, pois VISOR 240 CE permanece no solo, sem perdas significativas, ativando quando o solo é umedecido.

NÚMERO E FREQÜÊNCIA DE APLICAÇÃO: Desde que aplicado de acordo com as recomendações, uma única aplicação atende as necessidades da cultura.

MODO DE APLICAÇÃO: Visor 240 CE é um herbicida seletivo para a cana-de-açúcar e de aplicação em pré-emergência das plantas daninhas, atuando na divisão celular. O produto pode ser aplicado em solo seco ou úmido. A ocorrência de chuva após a aplicação facilita a penetração do produto no solo.VISOR 240 CE é indicado para aplicações terrestres e aéreas, podendo ser aplicado por aviões agrícolas, helicípteros, pulverizadores tratorizados ou costais.

INTERVALO DE SEGURANÇA:Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:Recomenda-se não entrar na área tratada sem utilizar o equipamento de proteção individual, até o secamento da calda sobre a cultura. Evitar sempre que possível que pessoas alheias ao trato com a cultura e animais circulem pela área tratada.

LIMITAÇÕES DE USO:

FITOTOXICIDADE:VISOR 240 CE quando utilizado de acordo com as instruções de uso recomendadas é seletivo para a cultura da cana-de-açúcar. Compatibilidade:Compatível com a maioria dos herbicidas utilizados na cultura da cana-de-açúcar.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:

APLICAÇÃO TERRESTRE: Para que haja uma cobertura uniforme do solo, recomenda-se realizar as pulverizações com bicos de jato plano ou leque, comum ou ângulo grande, dos tipos XR, DG, TJ, TF e TK, utilizando de 200 a 400 litros de calda/ha. A altura da barra deve ser aquela que proporcione o transpasse dos jatos, para que a superfície tratada receba uma quantidade uniforme de produto, evitando-se assim falhas ou acúmulo de produto nas faixas.

APLICAÇÃO AÉREA: Aviões agrícolas ou helicópteros munidos de barra de pulverização podem ser utilizados na aplicação de VISOR 240 CE. A altura de vôo deve ser de 2,5 a 3,5 m da barra ao alvo. A barra deve conter 35 bicos tipo D-12, ou 46 bicos tipo D-10, ou 56 bicos tipo D-8, que formam gotículas entre 250 a 300 micra, permitindo uma densidade de gotas de 30 a 50 gotículas/cm2. A largura da faixa de aplicação depende do tipo de aeronave, podendo variar de 12 a 16 metros. O equipamento de aplicação deve estar calibrado para um volume de calda de 30 a 50 litros/ha. Para assegurar uma aplicação uniforme é importante colocar bandeirinhas para demarcar a largura da faixa e orientar o vôo.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO PREPARO DA CALDA: Use Protetor Ocular: Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca: Caso o produto seja inalado ou aspirado procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha: Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos: Use macacão com mangas compridas, botas, avental impermeável, óculos ou viseira facial, luvas e máscara cobrindo o nariz e a boca.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, botas, avental impermeável, óculos ou viseira facial, luvas e máscara cobrindo o nariz e a boca.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave suas roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Não provoque vômito, beba água e procure o médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Olhos: Lave com água em abundância e procure o médico levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água e sabão em abundância, e se houver irritação procure o médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Inalação: Procurar lugar arejado.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA E ANTÍDOTO: Se ingerido, não induzir ao vômito e beba dois copos de água. Cuidadosamente lavagem gástrica pode ser indicada. Em contato prolongado e repetido com a pele, pode provocar irritação moderada e dermatite. Tratar como dermatite de contato. Tratamento geral sintomático.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: O THIAZOPYR é rápida e extensivamente eliminado quando administrado pela via oral. Pela via dérmica o produto não é absorvido.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS: VISOR 240 CE possui as seguintes doses letais 50% (DL 50): Dose Letal 50 oral: 2.258 mg/kg para ratos machos, e 2.093 mg/kg para fêmeas. Dose Letal 50 dérmica: > 5.000 mg/kg para ratos machos e fêmeas, por via cutânea. Dose Letal 50 inalatória: 2,9 mg/L de ar para ratos machos e fêmeas. Estudos laboratoriais demonstram que VISOR 240 CE é l considerado não irritante quando aplicado por via ocular em coelhos. Quando aplicado via cutânea em coelhos, o produto foi considerado moderadamente irritante. Estudos de longo prazo realizados com ingrediente ativo do VISOR 240 CE (THIAZOPYR), demonstram que o produto não apresentou características teratogênicas ou carcinogênicas, nem tampouco efeitos sobre a reprodução. O composto também não apresentou qualquer atividade mutagênica.

EFEITOS COLATERAIS: Uma vez que nenhum efeito terapêutico do produto é esperado para o homem, qualquer um dos efeitos acima descritos são considerados colaterais.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO À PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é MUITO PERIGOSO (CLASSE II) ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE (CLASSE I) no meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO (CLASSE I) para organismos aquáticos. Este produto não deve ser aplicado em áreas alagadas ou sujeitas a inundação. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamento. Aplique somente as doses recomendadas. Não execute aplicação do produto em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público, e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas suscetíveis a danos. Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas. Não lave embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO : Mantenha o produto em sua embalagem original. local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais, siga as instruções:

Piso pavimentado: Absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipiente devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água;

Solo: Retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada;

Corpos d'água: Interromper imediatamente o consumo humano e animal, e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESATIVAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: As embalagens devem ser enxaguadas três vezes e a calda resultante acrescentada à preparação para ser pulverizada (tríplice lavagem). Não reutilize embalagens vazias. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas, consulte o Órgão Estadual de Meio Ambiente. Método de desativação: O material é desativado em incineradores industriais, de acordo com as regulamentações municipais, estaduais ou federais, à uma temperatura média de 1300ºC.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes resistentes a esse mecanismo de ação.
Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes, deverão ser aplicados, alternadamente, herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Os herbicidas deverão estar registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.

Compatibilidade

Não se conhecem casos de incompatibilidade.