Agronegócio

Características de inseticidas fisiológicos

Por: Dirceu N. Gassen
37256 acessos

1 - Inseticidas fisiológicos

Os inseticidas denominados “fisiológi-cos” apresentam modo de ação diferente dos produtos convencionais, atuando em enzi-mas específicas da fase de desenvolvimento de artrópodes. Apresentam baixa toxicidade aos mamíferos e aos inimigos naturais, além de baixa contaminação no ambiente.

As características diferentes dos inseticidas fisiológicos em relação aos fosforados, carbamatos e piretróides são:

- não possuem ação de choque

- não possuem amplo espectro

- atuam principalmente por ingestão

- relativamente seletivos aos inimigos naturais

- prolongado período de proteção

- atuam principalmente sobre formas jo-vens

- fêmeas adultas podem depositar ovos inviáveis

Os inseticidas fisiológicos podem ser agrupados de acordo com o modo de ação em:

- Inibidores da síntese de quitina

- Agonistas do hormônio da ecdise

- Análogos do hormônio juvenil

2 - Inibidores da síntese de quitina

Os inseticidas inibidores da síntese de quitina foram os primeiros inseticidas deno-minados de fisiológicos. A quitina é um po-lissacarídeo nitrogenado que desempenha a função de proteção e de estruturação do cor-po dos insetos (esqueleto externo) e regula a perda de água.

A síntese da quitina envolve fosforila-ção, aminação e acetilação, resultando na formação de n-acetil glucosamina. As rea-ções são catalisadas por enzimas presentes no citoplasma e a polimerização é catalisada pela enzima quitina sintetaze, presente em grande quantidade na membrana celular.

A quitina sintetaze é a enzima chave no processo de formação da quitina. os insetici-das inibidores da síntese deste polissacarídeo atuam sobre esta enzima.

3 - Agonistas do hormônio da ecdise

Os inseticidas denominados agonistas (causam agonia) do ecdisônio, atuam imi-tando o hormônio natural da ecdise (20-hidroxiecdisona).

Desencadeiam o processo da ecdise prematuramente, ligando-se com a proteína receptora do ecdisônio, que é ativada inici-ando-se o processo de muda.

A larva deixa de se alimentar após a ingestão do inseticida. Uma nova cutícula (deformada) é produzida por baixo da velha, entretanto a velha não se desfaz e a larva morre por inanição e desidratação.

Os inseticidas desse grupo agem mais rapidamente e apresentam ação mais especí-fica sobre lagartas do que os fisiológicos ini-bidores de quitina.

4 - Análogos do hormônio juvenil

Esse grupo de inseticida fisiológico a-tua de forma semelhante ao do hormônio ju-venil, causando desequilíbrio hormonal. As larvas tratadas não se transformam em pupa e nos ovos inibe o nascimento de insetos jo-vens.

Além do controle de lagartas, os análo-gos de hormônio juvenil apresentam bons resultados no controle da mosca-branca.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink