Permitir que nossas florestas nos ajudem
CI

Permitir que nossas florestas nos ajudem

Por:

Permitir que nossas florestas nos ajudem a superar múltiplas crises


Pelo Sr. QU Dongyu, Diretor-Geral do Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura 

O mundo está enfrentando enormes desafios para superar o impacto da pandemia da doença do coronavírus (COVID-19), a insegurança alimentar, a guerra na Ucrânia, a aceleração da crise climática e a perda de biodiversidade.

Em resposta a essas múltiplas ameaças globais, precisamos de soluções em larga escala que sejam econômicas e equitativas e possam ser implementadas rapidamente. Florestas e árvores oferecem essas soluções e podem nos ajudar a nos recuperar, se reconhecermos melhor seu valor e o papel crucial que desempenham na criação de economias resilientes e sustentáveis.

O último relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura sobre o Estado das Florestas no Mundo, que será apresentado no XV Congresso Florestal Mundial sob o tema “Construir um futuro verde, saudável e resiliente com florestas”, mostra claramente três caminhos podemos redobrar nossos esforços se quisermos liberar seu potencial:

Parar o desmatamento e manter as florestas poderia prevenir significativamente as emissões de gases de efeito estufa – cerca de 14% da redução necessária até 2030 para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C. Também poderia proteger mais da metade da biodiversidade terrestre da Terra, um importante provedor de serviços ecossistêmicos para a agricultura sustentável. As florestas são o maior reservatório terrestre de carbono e biodiversidade e, no entanto, estão diminuindo.

Restaurar terras degradadas e expandir a agrofloresta: cerca de 1,5 bilhão de hectares de terras degradadas – duas vezes o tamanho da Austrália – se beneficiariam da restauração, com o aumento da cobertura florestal aumentando a produtividade agrícola em mais 1 bilhão de hectares. Restaurar terras degradadas por meio de florestamento e reflorestamento poderia remover o CO2 da atmosfera de forma barata e seria equivalente a tirar das estradas entre 195 e 325 milhões de carros de passeio movidos a gasolina a cada ano por 30 anos.

O uso sustentável das florestas existentes e a criação de cadeias de valor ecológicas ajudariam a atender a demanda futura por mais materiais renováveis. Considerando que o consumo global de todos os recursos naturais deverá mais que dobrar de 92 bilhões de toneladas em 2017 para 190 bilhões de toneladas em 2060, o uso de madeira sustentável na construção civil, por exemplo, pode armazenar carbono e fazer frente à crise climática, ao mesmo tempo em que aumenta a resiliência e a sustentabilidade.

Não haverá economia saudável em um planeta insalubre. A deterioração do ambiente contribui para as alterações climáticas, a perda de biodiversidade e o aparecimento de novas doenças. Apesar do papel crucial que as florestas e as árvores podem desempenhar no combate a essas ameaças, elas são sistematicamente subvalorizadas em nossos sistemas econômicos. Como resultado, as florestas não recebem a atenção e o investimento necessários para alcançar uma conservação significativa e um manejo sustentável.

Devemos aumentar substancialmente os investimentos nesses três caminhos interconectados baseados na floresta. Há várias maneiras de o fazer:
É essencial encontrar formas de redirecionar os incentivos existentes para os produtores agrícolas – no valor de cerca de US$ 540 bilhões por ano – para ajudar a garantir que as estruturas que regem a produção, distribuição e consumo de nossos alimentos sejam mais sustentáveis. Mais de um quarto da população mundial depende de lenha para cozinhar seus alimentos, e um número ainda maior usa produtos florestais não madeireiros para alimentação, ração e remédios. Os investimentos em silvicultura e agrofloresta criarão economias locais mais diversificadas e resilientes.

Novos investimentos também precisam ser incentivados em áreas como financiamento climático, programas de recuperação verde e apoio ao investimento privado.

É essencial obter financiamento para os pequenos produtores. Não podemos contar com o efeito “gotejamento”. Em vez disso, precisamos de novas soluções que atendam às suas necessidades e reduzam as desigualdades.

Só alcançaremos resultados se deixarmos de trabalhar de forma compartimentada. A transformação dos sistemas agroalimentares e a proteção, restauração e gestão sustentável das florestas devem andar de mãos dadas (hand in hand).

As atuais crises ambientais, sanitárias e sociais exigem ações urgentes para uma recuperação sustentável. A promoção de um modelo em que florestas e agricultura se apoiem mutuamente requer maior investimento político, financeiro e técnico.

Mais de 20 países em desenvolvimento já mostraram que isso pode ser feito. Dados recentes confirmam que o desmatamento foi reduzido com sucesso na América do Sul e na Ásia.

Entre os meios para isso estão as políticas nacionais que promovam mercados locais sustentáveis, uma economia verde e circular; a reorientação dos subsídios agrícolas; estabelecer metas nacionais claras para o desenvolvimento agrícola sustentável e a proteção e uso sustentável das florestas; bem como a segurança da posse da terra e os direitos dos agricultores em paisagens agroflorestais de usar florestas e árvores.

A FAO se dedica a trabalhar para sistemas agroalimentares mais eficientes, mais inclusivos, mais resilientes e mais sustentáveis e promove a contribuição das florestas para esse processo, por meio de sua conservação, restauração e uso sustentável.

Mas devemos fazer mais para capacitar agricultores rurais, pequenos produtores, mulheres e jovens, povos indígenas e comunidades locais. Eles são os guardiões de quase metade das florestas e terras agrícolas do mundo.

Nesta semana, o Congresso Florestal Mundial, que acontece em Seul, na República da Coreia, reúne representantes dos cinco continentes e oferece uma oportunidade única de focar em soluções impactantes para a construção de um futuro verde, saudável e resiliente por meio das florestas e alcançar o 2030 Agenda e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Ampliar soluções baseadas em florestas e árvores pode liberar seu potencial para ajudar a mitigar choques econômicos e insegurança alimentar que afetam os mais vulneráveis. O que ajudará a alcançar nossos objetivos: melhor produção, melhor nutrição, melhor ambiente e melhor qualidade de vida para todas as pessoas, sem deixar ninguém para trás.
 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink


Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.