Biológicos crescem 37% e já movimentam R$ 1,7 bilhão
CI
Imagem: Divulgação
BIP

Biológicos crescem 37% e já movimentam R$ 1,7 bilhão

BIP Biológicos permite antever enorme potencial para crescimento dessas tecnologias
Por: -Leonardo Gottems

O mercado de bioinsumos movimentou R$ 1,7 bilhão na temporada 2020/2021, aponta o recém-divulgado BIP (Business Inteligence Panel) da Spark Inteligência Estratégica. Isso significa que os pesticidas biológicos e bioinoculantes registraram um impressionante crescimento de 37% na  comparação ao ciclo 2019-20, quando foram R$ 1,235 bilhão. 

De acordo com o levantamento da Spark, esses dois segmentos somados corresponderam a 3% das vendas totais do setor de defesa vegetal. Em dólares o inteiro mercado atingiu movimentação de R$ 53,83 bilhões, uma subida de 16% na relação com os R$ 46,559 bilhões da temporada passada.

Entre os biopesticidas, os bionematicidas lideraram as vendas, com a participação de 43% (R$ 724 milhões). Na segunda posição ficaram os bioinseticidas, que responderam por 25% ou R$ 417 milhões, seguidos dos biofungicidas: 9% ou R$ 159 milhões. Tais produtos, específicos para controle de doenças e pragas, atingiram R$ 1,3 bilhão em transações, montante 37% superior ao apurado na safra 2019-20 (R$ 948 milhões).

Já os bioinoculantes movimentaram R$ 393 milhões, cifra equivalente a 23% do mercado de biológicos. Os bioinoculantes também tiveram alta de 37% na comercialização, na comparação à safra 2019-20 (R$ 287 milhões). 

Conforme o coordenador de projetos da Spark, Lucas Alves, inoculantes não são considerados, propriamente, defensivos agrícolas, porque têm por objetivo auxiliar no desenvolvimento de plantas. “O segmento de inoculantes ganha mais espaço, a cada safra, no manejo dos produtores”, salienta ele.

No tocante à aplicação por cultura e área cultivada, a Spark destaca que os biodefensivos trataram 21% das lavouras de soja, ou cerca de 7,9 milhões de hectares, além de 50% da cana-de-açúcar (4,5 milhões de hectares); de 67% do algodão (857 mil hectares) e de 13% do milho safrinha (1,89 milhão de hectares). Nas demais culturas avaliadas, com menor peso econômico, os biodefensivos chegaram a 19% das áreas de feijão (145 mil hectares), a 5% do café (102 mil hectares), 4% do milho verão (144 mil hectares), 22% do tomate (7,7 mil hectares) e 7% da batata (6,16 mil hectares).

Ainda em relação à área tratada por biodefensivos no ciclo 2020-21, a Spark destaca que a adesão de produtores saltou de 5% para 13% no milho safrinha e de 28% para 67% no algodão. “O mercado de soluções biológicas cresceu 40% ao ano entre as safras 2018-19 e 2020-21. Este dado respalda a consolidação dos produtos enquanto importantes ferramentas de manejo, nas principais culturas agrícolas. O BIP Biológicos permite antever enorme potencial para crescimento dessas tecnologias, de agora aos próximos anos”, complementa Lucas Alves.

Para o sócio diretor da Spark, André Dias, a integração dos bioinsumos ao manejo do produtor se apresenta solidificada no conjunto de estudos do BIP Biológicos 2020-21. “Notamos uma oferta crescente de novas tecnologias, safra após safra”, revela ele. “A necessidade de o produtor utilizar defensivos agrícolas com diferentes modos de ação, químicos e biológicos, para conter a resistência de fungos e pragas a determinados ingredientes ativos, favorece igualmente o aumento da participação dos bioinsumos”, finaliza Dias.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink


Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.