“O agro tem que ser fiel ao agro”, diz presidente da John Deere

VÍDEO

“O agro tem que ser fiel ao agro”, diz presidente da John Deere

Executivo da marca falou do potencial e desafios do agro no Brasil
Por: -Eliza Maliszewski
9377 acessos

A John Deere nasceu do talento de um ferreiro que adaptou um arado para facilitar a vida de produtores com solos arenosos em Grand Detour, Illinois (EUA), em 1837. Dez anos depois, agora como fábrica, a marca se muda para Moline, produzindo arados de última geração. No Brasil a trajetória começou em 1979. A história de sucesso que nasceu de uma ideia pequena transformou a John Deere em referência em tecnologia e agricultura de precisão, chegando aos tempos da moderna atividade agropecuária.

Hoje o Brasil representa o segundo maior mercado da marca no mundo e é líder na venda de tratores no país. Mesmo diante de um primeiro semestre difícil na economia brasileira, com pouco aporte de recursos de financiamento, a marca projeta recuperação até o final do ano, crescendo de 5 a 8%, um pouco acima do mercado.

Paulo Herrmann, presidente da John Deere no Brasil, acredita que o maior desafio do setor está em produzir mais com menos. Com uma estimativa da Organização das Nações Unidas para a Agricultura (FAO) de que a população mundial chegue a 9,8 bilhões, sendo 70% vivendo em áreas urbanas, a produção de cereais terá que aumentar para 3 bilhões de toneladas por ano. “Temos que pensar que o consumo vai aumentar significativamente e teremos menos pessoas produzindo no campo. Para aumentar produção, com menos gente produzindo só aumentando a tecnologia”, completa.

Herrmann não acredita que as máquinas evoluam para uma automatização completa, mas aposta em tecnificação em atividades que são repetitivas na lavoura e que podem ser realizadas com softwares.

Oportunidade Made In Brazil

Herrmann representa os negócios da John Deere no Brasil e é um defensor do potencial do país no agronegócio. Os números mostram que ele não está errado. O Valor Bruto da Produção Agropecuária deste ano (VBP) está estimado em R$ 600,93 bilhões. O último levantamento da Conab aposta em uma produção de grãos de 240,7 milhões de toneladas. O crescimento deverá ser de 5,7% ou 13 milhões de toneladas acima da safra anterior. 

Na próxima safra espera-se que o Brasil alcance a posição de líder mundial de produção de soja, com 7% a mais do que produz hoje. Já no milho a alta deve ser de 3% ou 100 milhões de toneladas a mais. Um estudo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgado hoje aponta que, na próxima década, o Brasil vai produzir 300 milhões de toneladas de grãos, ou seja, mais 62,8 milhões de toneladas ou 27% a mais.

Para Herrmann o país é um celeiro de oportunidades e, cada vez mais, questões internacionais têm colaborado para isso. Entre as principais: a crise entre Estados Unidos e China, a quebra de safra norte-americana, maior produção do que consumo de grãos, setor produtivo saudável econômica e financeiramente e menos riscos de invasões de terras do que há uns anos atrás, por exemplo.

“Algo que pode gerar muitos benefícios aos produtores brasileiros é o surto de Peste Suína Africana na China. O país tinha o maior número de suínos do mundo e já teve que abater 20%. Temos um país faminto (a China) e estados como o Rio Grande do Sul produzem 66% de frangos e suínos do Brasil. É uma ótima oportunidade de exportar, fazer girar o setor do agro como um todo”, define. Devido à PSA, vírus letal para os porcos, já foram abatidos mais de 4 milhões de suínos nos países da Ásia infectados pela doença.

O presidente também destaca o potencial dos pequenos agricultores. No Plano Safra deste ano os beneficiários do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) têm R$ 31,22 bilhões à disposição para custeio, comercialização e investimento. “Temos que parar de falar em agricultura familiar e sim falar em pequeno produtor e oferecer soluções para ele também. Com meio hectare não se produz soja, mas pode se ganhar muito com morangos, suínos, cogumelos”, completa. 

Outro ponto é a qualificação. A John Deere é referência em agricultura de precisão e está se deparando com as novas tecnologias que estão chegando ao mercado: drones, tecnologias de monitoramento e aplicação, gestão rural por aplicativos, entre outros. A marca investe em cursos para que operadores de máquinas saibam operar a tecnologia também para tirar o melhor desempenho dela. “ Atualmente só 60% do potencial da máquina é usado. Poderia render bem mais”, aponta.

Prioridades

“O agro tem que ser fiel ao agro e não a um governo”. Esta é a resposta que Herrmann dá ao ser questionado sobre o apoio do setor ao governo Bolsonaro. Para ele o setor não tem do que se queixar já que sempre encontrou apoio para crescer em todos os governos anteriores e espera o mesmo do atual. Ele acredita que medidas como a liberação de novos defensivos agrícolas, anunciados nesta semana, podem ajudar a diminuir os custos de produção, com resultados utilizando menos produtos. “São moléculas aperfeiçoadas e podem facilitar tanto manejo quando gastos com insumos”, completa.

Entre as prioridades o setor de máquinas observa a necessidade de melhorar a estrutura para exportação e que cada país com os quais o Brasil tem relação comercial deveria ter um adido agrícola na embaixada. O profissional tem por função promover os produtos agropecuários brasileiros e remover obstáculos às suas importações pelos países consumidores. Esses profissionais trabalham ainda na identificação de tendências de mercados, barreiras e oportunidades para os produtos do agronegócio brasileiro, visando acelerar negociações entre os governos e ampliar o comércio de produtos agrícolas entre os países, bem como alertar para ameaças que possam causar impacto às exportações. Atualmente são 18 adidos agrícolas brasileiros pelo mundo: União Europeia (Bélgica), Argentina, Organização Mundial do Comércio (OMC - Suíça), Rússia, China, África do Sul, Japão, Estados Unidos, Vietnã, China, México, Coréia do Sul, Arábia Saudita, Tailândia, e Índia.

Planos de expansão

Está em discussão com o governo do Rio Grande do Sul uma iniciativa que prevê que a John Deere construa um anel viário em Horizontina, no Noroeste do Estado, onde a marca tem uma de suas fábricas. A planta tem dois mil funcionários e capacidade de produzir 100 tratores por dia. Além de tratores também produz três famílias de plantadeiras e sete tipos de colheitadeiras.

Segundo Herrmann, por dia, cerca de 200 caminhões transportando matéria-prima ou produto acabado passam por dentro da cidade. Para evitar esse transtorno à logística e aos moradores a ideia é construir esse sistema rodoviário que circunde o município com extensão de 10 km, obtendo, em troca, uma redução de impostos por parte do governo, em uma parceria público-privada. “Paralelo a isso pretendemos expandir esta fábrica já prevendo novos produtos para os próximos cinco anos”, acrescenta Herrmann.

Uma reunião deve ser realizada na primeira semana de agosto entre a administração estadual e a empresa para definir em que moldes esta obra deve ser realizada. 

Confira trechos da entrevista de Paulo Herrmann na reportagem completa em vídeo:


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink