"Trabalho para que nada falte para sua família", diz motorista autônomo
CI
Imagem: Sheila Flores
LOGÍSTICA

"Trabalho para que nada falte para sua família", diz motorista autônomo

Você já pensou que tudo que temos em casa já passou por um caminhoneiro?
Por: -Aline Merladete

A média de idade dos caminhoneiros é de 44,8 anos e por passarem a maior parte do tempo nas estradas, eles não possuem muito tempo para fazer exames, ter uma alimentação balanceada ou até mesmo boas noites de sono e dormir as oito horas recomendadas pelos médicos. Tendo em vista esse cenário, os caminhoneiros brasileiros estão sim vulneráveis ao coronavírus (COVID-19).

De acordo com o artigo de Isabela Melo, Social Media na FreteBras, mesmo diante essa situação, eles não estão parando, pois sabem que a sociedade precisa deles para que os alimentos, medicamentos e itens básicos continuem chegando nas cidades. Os motoristas estão passando por momentos precários, pois a maioria dos restaurantes, banheiros e lanchonetes das estradas estão fechados e alguns estão se aproveitando do caso para cobrarem mais caro. Os pedágios também continuam sendo cobrados e ali circula milhões de pessoas por dia, fato que faz com que o caminhoneiro tenha que tocar no dinheiro e corra o risco de se contaminar pela cédula ou até mesmo ao tocar na mão do profissional da cabine, que também corre grandes riscos.

E se os caminhoneiros pararem agora? Não vamos ter o que comprar no mercado, farmácia, os postos de gasolinas vão fechar, os hospitais vão ficar sem os materiais necessários para funcionar, como luvas, medicamentos, álcool em gel, materiais de limpeza, entre tantos outros itens que usamos no dia-a-dia. Tudo que temos em casa já passou por um caminhoneiro, já parou para pensar nisso?!

A autora do artigo ainda ressalta que, participa de grupos no WhatsApp de motoristas e acompanha muitos nas redes sociais e a frustração da categoria é enorme, pois não se sentem apoiados pelas pessoas, estão longe da família e muitos nem sabem quando vão voltar pra casa, porque tem medo de estar contaminado e contaminar os familiares. "Você tem noção do que é ficar 26h sem se alimentar, pois não tem um restaurante aberto na estrada? Descarregar o alimento no supermercado e ser proibido de tomar um café? Sentir alguns sintomas do coronavírus e não ter um ponto de apoio para atender? Não ter um banheiro para tomar banho ou simplesmente lavar as mãos e se prevenir? Eles estão nas estradas por nós, vamos lutar daqui por eles! Nós precisamos deles e eles precisam do nosso apoio. Vamos ficar em casa por eles, vamos cobrar o governo por melhores condições para os caminhoneiros e vamos nos unir.", destaca Isabela.

O Dinão, parceiro da FreteBras relatou a situação vivida por muitos caminhoneiros, veja abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=MaZdgJVzrCA

 

 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.