“Vamos transformar as dificuldades em oportunidades”
CI
Agronegócio

“Vamos transformar as dificuldades em oportunidades”

Nei César Mânica, foi enfático ao afirmar que os “produtores não devem retroceder diante da estiagem”
Por:
O lançamento de uma das maiores feiras do agronegócio brasileiro ocorreu nessa segunda-feira (30), em Porto Alegre, contando com a presença de lideranças e autoridades políticas de todo o Estado. Além de apresentar as novidades desta 13ª edição do evento, o presidente da Expodireto, Nei César Mânica, foi enfático ao afirmar que os “produtores não devem retroceder diante da estiagem”
Dessa segunda-feira (30) até o dia 9 de março, as atenções das principais lideranças políticas, dos empresários rurais e dos agricultores se direcionam para a Expodireto Cotrijal 2012 que, em sua 13ª edição, irá discutir e colocar em evidência as grandes questões do agronegócio brasileiro. Mantendo a tradição de configurar-se como palco para debates e encaminhamentos do setor agrícola, a feira, assegurou o presidente da Cotrijal, Nei César Mânica, deverá tratar com prioridade temas como o seguro agrícola, a construção de uma nova política que garanta renda ao produtor e a desburocratização dos licenciamentos ambientais, principalmente nos que se referem à construção de açudes para irrigação.

Estes e outros encaminhamentos foram apontados por Mânica nesta segunda-feira (30), em Porto Alegre, na Sociedade Libanesa, durante a reunião-almoço de lançamento de uma das maiores feiras do setor agropecuário brasileiro. Além de contar com a presença de diversos coordenadores, conselheiros e diretores da Cotrijal, o evento foi prestigiado por uma série de autoridades Estaduais ligadas ao agronegócio e acompanhado por veículos de comunicação de vários municípios gaúchos do Interior e da Capital.

Participaram da solenidade, entre outras personalidades políticas, o secretário Substituto da Secretaria de Agricultura, Claudio Fiorezi, que na oportunidade representou também o Governo do Estado; o presidente da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa do RS, deputado Ernani Pólo (PP); o presidente eleito da AL – RS para o ano de 2012, Alexandre Postal; o presidente da OCERGS/SESCOOP, Virgilio Perius; o superintendente do Ministério da Agricultura no Estado, Francisco Signor; e o presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas do Rio Grande do Sul (SIMERS), Cláudio Bier; além de outros deputados Estaduais e Federais, como o presidente da Comissão Parlamentar do Biodiesel, Jerônimo Goergen; diretores e presidentes de instituições de pesquisa e financeiras; prefeitos regionais e lideranças convidadas.

Entusiasmo e boas perspectivas

Antes do almoço servido aos mais de 300 convidados, o presidente da Expodireto Cotrijal concedeu uma entrevista coletiva à imprensa falando sobre as novidades desta 13ª edição e elencando os principais desafios a serem ultrapassados. Mânica reconheceu que a comercialização pode não ultrapassar o R$ 1 bilhão do ano passado, mas foi enfático ao dizer que os produtores “não devem retroceder diante dessa estiagem que nos afeta. Precisamos transformar as dificuldades em oportunidades. E a Expodireto está repleta de informações e conhecimentos que podem ser acessados pelos agricultores, independente do tamanho de suas propriedades”.

Pedindo o apoio da imprensa na divulgação da feira, Mânica frisou que, a partir de agora, deve iniciar uma intensa mobilização para incentivar a participação dos produtores na feira, que manterá seus portões abertos durante os cinco dias das 8h às 18h, com entrada franca. “A imprensa sempre teve papel de destaque na Expodireto, porque é através dos meios de comunicação que nós conseguimos chegar ao nosso público alvo. Neste ano de dificuldades na lavoura, a disseminação de informações positivas acerca do que os agricultores irão encontrar nos estandes montados no Parque de Exposições é essencial”, observou ele.

Quanto ao volume de comercialização projetada para 2012, o presidente da feira acredita que poderá haver uma pequena retração em relação a 12ª edição, que ocorreu entre os dias 14 a 19 de março de 2011. “A seca que assola o nosso Estado é o principal motivo para isso. Porém, temos que pensar sempre pelo lado positivo e manter as nossas expectativas elevadas”, ponderou, destacando que as excelentes safras anteriores podem ser preponderantes para o sucesso de vendas na Expodireto. “O nosso produtor está capitalizado, pois conseguiu colher bons resultados na safra passada. Isso, somado ao fato de que as instituições financeiras estão disponibilizando e facilitando o acesso ao crédito para financiamentos, deve repercutir nos volumes de negócios. Ainda assim precisamos reconhecer que, dificilmente, ultrapassaremos os valores do ano passado”.

Mânica disse ainda que a Expodireto consolidou-se, nacional e internacionalmente, não apenas pelos negócios que são concretizados na feira, mas também por ter se tornado uma vitrine para o agronegócio. “Ao visitar a Expodireto o agricultor sabe que irá encontrar informação, conhecimento, novas tecnologias e, claro, a oportunidade de realizar ótimos negócios”, acentuou.

Crescimento da feira

Com uma lista de espera composta por mais de 70 empresas, a Expodireto Cotrijal encerrou a comercialização de estandes em novembro de 2011. Nesta edição, o Parque de Exposições recebeu melhorias em sua infraestrutura, permitindo que houvesse o aumento do número de expositores sem que a área de 84 hectares fosse ampliada. “Ampliada e melhorada, a feira contará com 450 expositores nas áreas de máquinas e equipamentos, produção vegetal, produção animal, meio ambiente, agricultura familiar, internacional, instituições financeiras, pavilhões e imprensa, oferecendo um leque muito grande oportunidades para os visitantes”, revelou Mânica.

Para este ano, relatou o presidente, o espaço da área de máquinas e equipamentos foi ampliado em 14 mil m², no local onde antes era o estacionamento de expositores, possibilitando a criação de mais de 40 lotes. “Nesse espaço também está sendo incluída a nova Área Internacional do parque, garantindo maior visibilidade aos expositores estrangeiros”, detalhou ele, explicando que este espaço terá 600 m² de estrutura, reunindo representantes de mais de 70 países, ampliando o acesso dos expositores e visitantes da feira a diferentes modalidades de negócios nos setores de máquinas e implementos agrícolas, produção vegetal e animal, logística, meio ambiente e agricultura familiar.

Denominado de ‘International Point’, o espaço terá a participação de expositores externos da Argentina, Peru, Colômbia, Alemanha e Estados Unidos, além da presença de delegações de países como Cuba, Polônia e Itália. “As novidades são a realização de rodadas simultâneas de negócios, de segunda a sexta-feira, que serão transmitidas ao vivo e pela Internet para vários países; a instalação de um auditório onde acontecerão palestras técnicas e de mercado; e a presença de estandes institucionais e de entidades”, apontou Mânica, salientando que também farão parte das atrações deste setor, as comemorações do Ano da Itália no Brasil e o Jantar Internacional. “A China é outro país que estará presente na feira, participando, inclusive, das rodadas de negociações”.
Discussões e encaminhamentos políticos

Reunindo, diariamente, as principais lideranças políticas das bancadas ruralistas do Congresso e da Assembleia gaúcha, a Expodireto Cotrijal, disse o presidente da feira, deve confirmar-se como palco de grandes discussões e encaminhamentos para o agronegócio. “Muitas decisões políticas foram tomadas graças aos debates promovidos na feira, porque, na Expodireto, as entidades conseguem sentar juntas para discutir o futuro do Rio Grande. Por isso, dentro do evento, não há espaço para belezas individuais. Foi assim com a securitização, em 2005; os transgênicos e, no ano passado, o Código Florestal”, declarou.

Na edição deste ano, o principal tema a ser trabalhado será a necessidade de um seguro agrícola que proteja efetivamente o produtor, garantindo o custeio e a renda. “Neste sentido, o Senado, a Cotrijal e a AL – RS promovem, na sexta-feira (9), a partir das 14h, uma audiência pública para discutir a questão, pois só se fala em seguro agrícola em épocas de estiagem. Ou seja, quando o produtor sofre as consequências, o governo volta a tratar do assunto”, frisou, comentando também que será feito um movimento na Expodireto solicitando a desburocratização dos licenciamentos ambientais para irrigação. “Precisamos de ações pragmáticas e concretas que nos permitam driblar estes períodos de escassez hídrica”.

Seminário em parceria com o Grupo DM

No Ano Internacional das Cooperativas e no mesmo em que a Cotrijal comemora 55 anos, a Expodireto dará início a um trabalho de conscientização que pretende manter o jovem no campo e trabalhar com a sucessão das propriedades. Através de uma parceria entre a cooperativa, o Grupo Diário da Manhã e a OCERGS/SESCOOP, na sexta-feira (9) será realizado um seminário que abordará a questão da sucessão familiar e a permanência do jovem no meio rural. “Para garantir que o jovem queira ficar no campo nós precisamos assegurar qualidade de vida, renda e educação. E um dos caminhos é trabalhar em parceria com as cooperativas, como é o caso da Cotrijal”, apontou o presidente da OCERGS/SESCOOP, destacando ainda que a constituição de agroindústrias é um dos caminhos possíveis para evitar o aumento dos índices de êxodo rural.

Eventos oficiais

Assuntos técnicos e econômicos relacionados às principais atividades agropecuárias desenvolvidas no Estado e questões de interesse nacional, como o crédito rural e as políticas públicas serão debatidos e aprofundados em eventos como o 22º Fórum Nacional da Soja, o 4º Fórum Nacional do Milho, o 7º Fórum Estadual do Leite, o 8º Seminário sobre Novos Enfoques do Agronegócio Brasileiro e o Fórum Florestal do Rio Grande do Sul.

Manifestações e pronunciamentos

Ao longo da cerimônia de lançamento da Expodireto Cotrijal, diversas autoridades e lideranças comentaram a necessidade de um seguro agrícola benéfico ao produtor e o papel da feira nesta construção. O presidente da Comissão de Agricultura da AL – RS, por exemplo, reiterou o convite para a audiência pública que acontece no último dia da feira. “Essa é uma questão que necessita ser amplamente discutida, porque os agricultores não podem ficar a mercê de um seguro que não o protege”, argumentou Pólo. Já o superintendente do Ministério da Agricultura no RS disse que a “Expodireto reproduz o conhecimento necessário para que o produtor possa ampliar as suas produtividades. “A feira tem esse papel de difundir tecnologia aos mais distantes rincões desse nosso Estado, que é visceralmente ligado a agricultura”, refletiu Signor.

O representante do Governo do Estado e da Secretaria de Agricultura afirmou que muitos assuntos abordados na Expodireto transformam-se em pauta dos governos Legislativos e Executivos. “Nesse ano o que está em pauta, infelizmente, é a estiagem. E as previsões não são nada animadoras, pois os mapas climatológicos indicam que estamos entrando em uma fase de neutralidade climática, o que significa que fevereiro e março podem ser ainda menos chuvosos, quebrando mais a nossa safra”, revelou Fiorezi, acrescentando que o Governo está adotando medidas concretas para amenizar os impactos econômicos. “Uma dessas ações é a anistia concedida aos produtores, sobretudo os pequenos, no que diz respeito ao troca-troca de milho”, argumentou.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.