15 anos de transgênicos trouxeram lucro à Argentina
CI
Imagem: Pixabay
MUNDO

15 anos de transgênicos trouxeram lucro à Argentina 

No nível do produtor, as safras GM aumentaram a produtividade, reduziram os custos de produção e aumentaram a lucratividade
Por: -Leonardo Gottems

Um estudo da Bolsa de Cereais de Buenos Aires destacou os resultados positivos que a biotecnologia agrícola trouxe para a Argentina após 25 anos de uso comercial. Em um nível econômico ela gerou mais de 159.000 milhões de dólares, o que equivale a mais de sete safras de soja.  

No plano ambiental, ao facilitar a semeadura direta, permitiu reduzir as emissões em mais de 18 bilhões de kg de carbono, o equivalente ao consumo anual de 3,9 milhões de automóveis particulares. A apresentação dos trabalhos aconteceu em um encontro virtual que aconteceu hoje e contou com as boas-vindas do Presidente da Instituição,  José Martins , que destacou que “a introdução dos transgênicos na agricultura argentina marca uma virada na produção agrícola e, dada a sua importância na economia, no desenvolvimento do país”. 

Em nome dos autores, Agustín Tejeda Rodriguez , Gerente de Estudos Econômicos da Bolsa de Cereais, mencionou que com mais de 26 milhões de hectares, a Argentina é um dos países líderes no uso de cultivos geneticamente modificados (GM). Desde a introdução da soja tolerante a herbicidas em 1996,  mais de 2.000 variedades GM foram registradas em nosso país. Tejeda Rodriguez destacou que a Argentina tem sido um dos países onde essa tecnologia foi adotada mais rapidamente, capturando seus benefícios precocemente em relação aos seus concorrentes. Atualmente, os níveis de adoção chegam a 100% na soja, milho e algodão. 

No nível do produtor, as safras GM aumentaram a produtividade, reduziram os custos de produção e aumentaram a lucratividade, o  que criou incentivos para aumentar a área plantada. No período 1996-2020, os plantios com culturas GM superaram em média os convencionais em 29,1 USD / ha na soja, 35 USD / ha no milho e 217 USD / ha no algodão. Entre os benefícios agregados para o país, destacou-se que  chegam a US $ 159 bilhões no total de 25 anos , o que equivale a mais de 7 safras argentinas de soja. Desse total, 92% correspondem ao cultivo da soja, 7% ao milho e o restante ao algodão. 

 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.