Abapa inicia visitas de auditoria externa em propriedades baianas

Auditoria

Abapa inicia visitas de auditoria externa em propriedades baianas

Na última safra, foi certificado um total de 191.586 mil hectares de área abrangendo 53 propriedades de agricultores que comprovaram
Por:
89 acessos

Na última quinta-feira (21), as visitas da equipe de auditoria externa deram início ao processo de certificação das propriedades de algodão do Oeste da Bahia. Ao atuar em benchmarking com a entidade Better Cotton Iniciative (BCI), o programa Algodão Brasileiro Responsável, conduzido na Bahia pela área de sustentabilidade da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), deverá avaliar na safra 2018/2019 um total de 63 unidades produtivas, correspondente a uma área de 234.735 mil hectares, que deverão atestar que estão cumprindo os critérios de sustentabilidade a fim de obterem a certificação internacional. Em relação à última safra 2017/2018, dez novas propriedades serão visitadas, expandindo em 37.149 mil hectares a área a ser avaliada para certificação.    

A coordenadora de sustentabilidade da Abapa, Bárbara Bonfim, explica que a primeira etapa é desenvolvida pela equipe técnica da associação, que checa um total de 225 itens ligados ao respeito à legislação e critério sustentável na produção agrícola. “Na segunda etapa, iniciada agora, foi contratada uma auditoria externa independente para atestar se a propriedade está cumprindo todos os parâmetros para receber a certificação BCI/ABR”, afirma.

Na última safra, foi certificado um total de 191.586 mil hectares de área abrangendo 53 propriedades de agricultores que comprovaram excelência em parâmetros mundiais de boas práticas sociais e ambientais, com respeito aos trabalhadores no campo, a exemplo do cumprimento de normas de saúde e segurança; e da legislação trabalhista e de preservação de meio ambiente.

Para o presidente da Abapa, Júlio Busato, existe um interesse crescente dos cotonicultores baianos na obtenção da certificação sustentável ABR/BCI. “A Abapa vem incentivando a certificação entre os associados, que já se destacam no mercado com a incorporação de alta tecnologia e respeito à legislação ambiental e trabalhista. Ter essa comprovação para o mercado é importante para chancelar o excelente trabalho já desenvolvido pelos produtores de algodão”, afirma.

Desde o início dos trabalhos do ABR, em 2011, houve uma evolução considerável nos últimos sete anos, quando a certificação dos produtores baianos saiu de 21,1% para 75,69% do total da produção do algodão baiano. O ABR tem como alicerce o incremento progressivo das boas práticas sociais, ambientais e econômicas nas unidades produtivas de algodão na Bahia e em todo o Brasil, por meio das entidades ligadas à Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa).


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink