ABPA promove ações para fortalecer laços com o mercado chinês

Agronegócio

ABPA promove ações para fortalecer laços com o mercado chinês

A ABPA, em parceria com a Apex-Brasil, participou de uma série de agendas com autoridades chinesas durante a FMA China 2016, realizada em Xangai.
Por:
423 acessos

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), participou de uma série de agendas com autoridades chinesas durante a FMA China 2016, realizada entre 14 e 16 de junho, em Xangai.

Em uma das ações programadas na China, o vice-presidente de mercados da ABPA, Ricardo Santin, reuniu-se com o presidente da Administração Geral de Supervisão de Qualidade, Inspeção e Quarentena (AQSIQ) da China, Ge Zhirong. Também esteve no encontro o vice-presidente do órgão chinês, Wang Junbing.

Na pauta da reunião, que ocorreu durante o 2nd International Import and Export Summit 2016 – em paralelo à FMA China - estiveram questões relativas às exportações brasileiras avícolas e suinícolas para o mercado chinês, como o andamento da liberação de novas plantas e a expansão dos negócios entre os dois países.
Outros encontros também fizeram parte da agenda da associação na China.

Além das reuniões com autoridades, a ABPA participou ainda da exposição promovida durante a FMA, que contou com um estande exclusivo e a distribuição de materiais promocionais em mandarim, ressaltando os diferenciais da avicultura e da suinocultura do Brasil como fornecedora confiável de proteína animal para o mercado chinês. Os materiais traziam, ainda, informações e contatos comerciais das empresas participantes dos projetos setoriais Brazilian Chicken, Brazilian Egg e Brazilian Pork, sob gestão da ABPA.

“Foi uma grande ação institucional, na qual o objetivo maior foi consolidar a percepção positiva em torno das marcas setoriais internacionais da avicultura e da suinocultura do Brasil, destacando as qualidades de nossos produtos e demonstrando nossa intenção de seguir como parceiros, auxiliando na complementariedade do mercado chinês nos espaços que hoje não são ocupados pelos produtores locais”, destaca Santin. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink